Home - Convergência Digital

Para Qualcomm, blocos pequenos no leilão 5G preocupam

Luís Osvaldo Grossmann - 07/11/2019

Fornecedora dos chipsets de imensa parte dos smartphones, a Qualcomm defendeu mudanças no edital do 5G, ao menos sobre os termos colocados na minuta apresentada pelo relator, mas ainda sujeita a alterações. Como destacou o diretor de relações governamentais da empresa durante o Workshop 5G no Brasil, Francisco Soares, o tamanho dos blocos é um dos pontos que merecem debate. 

“Há preocupações com relação ao tamanho dos blocos. O tamanho de 50 MHz é pequeno. Poderia ser maior o bloco mínimo, talvez 60 MHz, que faria mais sentido do ponto de vista da tecnologia. E o prazo da licença de 15 + 5 anos parece um prazo curto. A operadora precisa ter mais segurança, um tempo maior. Até porque as margens são muito pequenas. Portanto vários aspectos precisam ser estudados com mais calma e discutidos com a Anatel na consulta pública”, defendeu Soares.  

Além disso, a introdução de um novo modelo, de lances combinatórios, é fator de dúvida. “De uma forma geral a proposta é boa, tem vários pontos positivos. Tem coisas que podem ser melhoradas, e para isso tem a consulta pública, para discutir melhor. O modelo CCA pode ser que dê certo, se a Anatel se preparar bem. Mas ninguém tem dúvida que é um processo mais complicado que um leilão normal. Não quer dizer que vai dar errado ou que seja ruim. Mas pode ser mais complicado.”

Para a Qualcomm, mesmo com a necessidade de ajustes, seria importante o leilão ser realizado ainda em 2020. “O grande mérito de ter a proposta é já ter saído. Começou alguma contagem regressiva. Dá para fazer no ano que vem se as coisas que precisam ser endereçadas puderem ser resolvidas em um prazo curto. Se houver resposta da agência para esse timing burocrático, TCU, etc, a gente consegue fazer no início do segundo semestre. É o nosso desejo. Sair em 2020, não em 2021, já seria uma coisa bastante positiva.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

30/06/2020
Vivo e TIM avançam com OpenRAN para 'quebrar' concentração dos fornecedores

30/06/2020
Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

29/06/2020
Vodafone: 5G é o remédio para combater o impacto da Covid-19

25/06/2020
Covid-19 impôs revisão dos projetos 5G na América Latina

23/06/2020
Huawei: Brasil sempre teve um mercado aberto e justo no setor de TIC

19/06/2020
CEO da Algar: Banir fornecedor do 5G seria um tremendo equívoco

18/06/2020
Aumento de espectro para 5G está em consulta pública

17/06/2020
Qualcomm leva 5G para smartphones de baixo custo

17/06/2020
5G é agenda prioritária para novo ministro das Comunicações

16/06/2020
Rodrigo Maia:"é melhor deixar a política de fora do leilão 5G"

Destaques
Destaques

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Regulamentação de IoT passa por tratar a coleta e a proteção dos dados

De acordo com a KPMG, será preciso ainda cuidar da avaliação de riscos, governança, gestão da configuração e gestão da cadeia de suprimentos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site