Home - Convergência Digital

Satélites vão ter papel central no ecossistema do 5G

Luís Osvaldo Grossmann - 11/11/2019

Pesquisas do Instituto Nacional de Telecomunicações indicam que mesmo num cenário de latências muito baixas, haverá espaço para soluções via satélite no ecossistema do 5G. Ao participar do Workshop 5G no Brasil, o professor do Inatel e coordenador do projeto 5G Brasil, Luciano Mendes, ressaltou que o uso de soluções satelitais até como backhaul está no horizonte próximo. 

“Satélite é sempre uma opção interessante onde a infraestrutura terrestre não está disponível ou é limitada. A questão da latência é sempre uma barreira porque o sinal tem que subir até o satélite e descer. E como o percurso é longo, produz uma latência de aproximadamente meio segundo. Mas isso pode ser contornado ao trazer parte do núcleo da rede 5G para rodar dentro da EPC, dentro da ‘NodeB’, lá onde o usuário está localizado. Aí não precisa mandar a informação pelo satélite”, explicou Mendes. 

“Imagine ter um conjunto de radiobases e se locomovendo por elas. Se para mudar de uma sessão para outra tem que mandar essa informação toda vez, vai esbarrar novamente na questão da latência. Então tem que consumir essa informação rapidamente, próximo ao usuário. A melhor forma de fazer isso é que essa aplicação migre de estação radiobase a estação radiobase à medida que o usuário se desloca. Esse é o grande desafio na alocação de serviços da rede em ERBs com mobilidade.”

Apesar do desafio, a definição de modelos e padrões já acontece e será possível contar com esse tipo de tecnologia logo. “Hoje o 3GPP está trabalhando forte nessa questão. O próximo release, 16, vai endereçar questões que vão levar ao IoT massivo e a redução da latência. Então é possível que em um cenário de três a quatro anos já tenhamos esse serviço disponível à população.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

02/07/2020
Faixa de 1,5 GHz também pode ser destinada ao 5G para uso privado

02/07/2020
Claro traz 5G com compartilhamento de frequência para o Brasil

30/06/2020
Vivo e TIM avançam com OpenRAN para 'quebrar' concentração dos fornecedores

30/06/2020
Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

29/06/2020
Vodafone: 5G é o remédio para combater o impacto da Covid-19

25/06/2020
Covid-19 impôs revisão dos projetos 5G na América Latina

23/06/2020
Huawei: Brasil sempre teve um mercado aberto e justo no setor de TIC

19/06/2020
CEO da Algar: Banir fornecedor do 5G seria um tremendo equívoco

18/06/2020
Aumento de espectro para 5G está em consulta pública

17/06/2020
Qualcomm leva 5G para smartphones de baixo custo

Destaques
Destaques

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, revela a Febraban.

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site