TELECOM

Embratel: desoneração do Fistel impulsionará as redes IoT no Brasil

Por Fábio Barros e Carlos Afonso ... 31/10/2019 ... Convergência Digital

O impacto que a Internet das Coisas terá sobre o mercado de telecomunicações foi tema de debate no Futurecom 2019, realizado de 28 a 31 de outubro, em São Paulo. De acordo com dados apresentados pela Bain & Co., há uma projeção de o mercado corporativo movimentar US$ 300 milhões em aplicações IoT este ano.

E é apenas o começo. O mesmo estudo aponta que, até 2025, o mundo deve chegar a 21,5 bilhões de objetos conectados. De olho neste mercado, fornecedores começam a desenhar soluções e estratégias para colocá-las no mercado. No Brasil, a conectividade para IoT progride. De acordo com o diretor de Negócios IoT da Claro, Eduardo Polidoro, acontece, neste momento, uma consolidação de novas redes NB-IoT e Cat-M.

O executivo cita o exemplo da própria rede da Claro no Rio Grande do Sul, onde a cobertura 4G é de 7,5% do território. “Com as redes NB-IoT e Cat-M, vamos para uma cobertura de 52%”, revela. O executivo também condiciona o crescimento das redes à desoneração. “Se o Senado nos ajudar com a isenção da cobrança do Fistel, ele vai deixar os serviços de conectividade ainda melhores, e isso para todos os segmentos: saúde, carro conectado, agricultura etc.”, afirma.

À CDTV, do portal Convergência Digital, Eduardo Polidoro fala como a Claro trabalha para levar conectividade para áreas onde ela ainda não existe, em especial, no agronegócio. Assista à entrevista.


Internet Móvel 3G 4G
"TikTok é vítima inocente da loucura da política e da geopolítica"

A afirmação é de Fred Hu, presidente do Primavera Capital Group, investidor chinês do aplicativo, que soma mais de 800 milhões de usuários no mundo. Segundo ele, a ByteDance, dona do app, vai perder um valor considerável se tiver de vender a operação nos EUA à Microsoft por imposição do presidente Donald Trump. Mercado estima valor global do TikTok em US$ 50 bilhões ou algo em torno de R$ 270 bilhoes.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Qualcomm defende faixa de 6GHz para não licenciados atenta ao 5G

Diretor da Qualcomm, Francisco Soares, espera que a Anatel se defina por dar os 1,2GHz para os serviços licenciados. "O 6GHz não licenciado será o complemento ideal para os serviços licenciados 5G", sustenta.

Anatel define se faixa de 6GHz será 100% não licenciada ou terá 500 MHz para as teles

"A área técnica recomendou o uso para não-licenciado", contou o superintendente da Anatel, Vinicius Caram, ao participar do eForum Wi-Fi 6, realizado pelo Convergência Digital e pela Network Eventos.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G