Home - Convergência Digital

Oi vai ao leilão comprar as frequências 5G e 700 MHz

Luís Osvaldo Grossmann - 30/10/2019

A Oi confirmou nesta quarta, 30/10, a intenção de comprar faixas de frequência no leilão 5G, tanto para recuperar o naco de 700 MHz que deixou passar ao não participar da licitação em 2014 quanto para avançar sobre a faixa de 3,5 GHz e as ondas milimétricas. 

“A gente tem hoje uma visão de comprar as frequências 5G e comprar as frequências de 700 MHz. Faz parte do nosso plano estratégico trabalhar no leilão de sobras, adquirir os 700 MHz que não foram adquiridos porque a empresa passava pelo início de sua maior crise. Também [vamos comprar] 3,5 GHz e analisar o que vem, a forma final do leilão, para tomar as decisões corretas de como, quais faixas”, afirmou o diretor de Operações da Oi, Rodrigo Abreu. 

O executivo apresentou nesta quarta, 30/10, durante o Futurecom, as perspectivas para a empresa nos próximos anos. No caso do 5G, alinhou-se ao que vêm defendendo outras empresas sobre a possibilidade de deixar a licitação para depois de 2020. 

“A gente sabe que o leilão 5G não vai acontecer na primeira metade do ano que vem. Existe uma expectativa para a segunda metade do ano, mas nada impediria que ele também acontecesse em 2021. Meus pares todos já falaram que se ficar para frente, melhor. E é óbvio que se for para frente, melhor. Porque de fato o País ainda está no suspiro do retorno de investimento que acabou de fazer em 4G e 4,5G.”

Segundo ele, não há urgência nem risco para o Brasil. “O 5G é um modelo de complemento, para aplicações específicas industriais, de medicina, de carros conectados. Mas é um futuro que pode ser construído gradualmente. Não existe uma urgência absurda de se não botarmos 5G na segunda metade do ano que vem o país vai ficar para trás. Não vai ficar para trás. É óbvio que existe pressão por competitividade, para obtenção de recursos para administração pública, ou para manter o ecossistema de tecnologia, equipamentos e oportunidades. Mas falar que o Brasil depende de um leilão 5G em 2020, não depende.”

Ainda de acordo com Abreu, “uma coisa muito óbvia que a gente não vê nas discussões sobre o tema é que o 5G não significa a substituição do 4G. O 4G matou o 3G. O 3G matou o 2G. O 2G matou o analógico. Mas o 5G não mata o 4G. Ele complementa. Atende necessidade de grande densidade de usuários, sensores de Internet das Coisas, pela necessidade de velocidades altíssimas e latências muito baixas para aplicações específicas. Mas ele não substitui o 4G.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

09/07/2020
Caixa, BB e Itaú, credoras de R$ 7,83 bi, são contra aditamento da Recuperação Judicial da Oi

08/07/2020
5G da Claro será na faixa de 2,6 GHz

08/07/2020
Faria: 5G depende de posição do presidente Jair Bolsonaro

07/07/2020
Refarming vai trazer 5G antes do leilão da Anatel, diz Rodrigo Abreu, da Oi

07/07/2020
Nokia usa RAN aberto para provocar Ericsson no 5G

02/07/2020
Faixa de 1,5 GHz também pode ser destinada ao 5G para uso privado

02/07/2020
Claro traz 5G com compartilhamento de frequência para o Brasil

30/06/2020
Vivo e TIM avançam com OpenRAN para 'quebrar' concentração dos fornecedores

30/06/2020
Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

29/06/2020
Vodafone: 5G é o remédio para combater o impacto da Covid-19

Destaques
Destaques

Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

Pesquisa da Omdia, ex-Ovum, em parceria com a Nokia, mostra que, nos próximos 15 anos, o 5G vai gerar R$ 5,5 trilhões para o País, sendo o governo beneficiado com o adicional de quase R$ 1 bilhão em receita com os serviços 5G.

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, revela a Febraban.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site