SEGURANÇA

Huawei: cibersegurança e privacidade exigem transparência

Por Roberta Prescott ... 30/10/2019 ... Convergência Digital

Um dia depois de Geoffrey Starks, comissário da agência de telecomunicações dos Estados Unidos, a FCC, ter aproveitado sua palestra no Futurecom 2019 para insistir que o Brasil, assim como toda a América Latina, deveria seguir o exemplo que vem do Norte e impedir "redes chinesas inseguras" na implantação do 5G, Mika Lauhde, vice-presidente Global de Cibersegurança da Huawei, declarou que a pressão para não se usar equipamentos da empresa faz parte de uma guerra comercial.

"Hoje estamos experimentando uma guerra comercial. É a primeira vez que cibersegurança e privacidade estão sendo usadas como armas. Estamos sentido os efeitos colaterais da pressão para não se usar componentes da Huawei. Mas os Estados Unidos não são capazes de provar evidências contra a Huawei", declarou o executivo finlandês, que também trabalha há 15 anos na Agência de Cibersegurança da União Europeia (Enisa) e que, antes da Huawei, atuou na Nokia.

Aos jornalistas, Lauhde lembrou que a Huawei abriu o código fonte e o colocou à disposição de governos como forma de mostrar que não tem nada malicioso. "Há nove anos fazemos isto com o Reino Unido e nunca falaram nada de ruim do nosso software", disse. Alemanha, Canadá e Bélgica também têm acesso e, de acordo com ele, nem EUA nem Brasil solicitaram analisar o código fonte. "Minha intenção é que outras companhias, concorrentes, façam o mesmo, porque transparência constrói segurança", provocou.

Lauhde afirmou que não percebeu mudanças na relação com o governo brasileiro e nem por parte das prestadoras de serviços de telecomunicações. "As operadoras são a parte mais fácil, porque trabalhamos com elas há 30 anos e elas sabem o que está acontecendo com as redes delas. Convencer os governos é mais difícil", afirmou. O VP disse que sentiu os questionamentos por parte das telcos há dois anos, mas que depois elas rapidamente entenderam que as colocações do governo dos Estados Unidos se tratavam de política e guerra comercial. À CDTV, do Convergência Digital, o vice-presidente global de cibersegurança da Huawei, Mika Lauhde, fala sobre cibersegurança, guerra comercial e Huawei. Assista.


PF caça quadrilha que teria vazado dados do presidente Bolsonaro e de mais de 200 mil servidores

Ação policial acontece nos Estados do Rio Grande do  Sul e Ceará. Organização teria invadido sistemas de universidades, prefeituras e câmaras de veradores.

Microsoft faz megacorreção de vulnerabilidades de segurança

Companhia lançou correções para 129 vulnerabilidades, sendo 11 consideradas como críticas, que incluem o Office, SharePoint, Visual Studio e outros.

Globo afirma que ataque hacker não 'roubou' dados de usuários

Houve duas invasões ao sistema de notificações push da Globoplay e da GShow no final de semana. O ataque teria sido conduzido por um grupo hacker da Arábia Saúdita. Segundo a Globo, 'invasores se limitaram a enviar mensagens para toda a base'.

Consciência é a maior vacina contra os riscos cibernéticos

Em tempos de home office por conta do coronavírus, o gerente de segurança do CAIS/RNP, Edilson Lima, diz que cabe ao usuário redobrar seu cuidado. "Cada um tem de fazer sua parte", afirma.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G