TELECOM

Teles querem renovações sucessivas de frequências já nas atuais autorizações

Luís Osvaldo Grossmann ... 30/10/2019 ... Convergência Digital

Superada a etapa de aprovação do novo marco legal das telecomunicações, as operadoras já elegeram a próxima batalha: a aplicação imediata da possibilidade de renovações sucessivas das faixas de radiofrequências. E em que pese o discurso unificado nesse sentido, admitem que a questão precisa ser esclarecida pela Anatel. 

“Se a lei mexe no critério de prorrogação da concessão, não seria aceitável que isso não valesse para as demais condições, como satélite e radiofrequência. Não vejo sentido em fazer tamanha alteração legal para dizer que só vale daqui 30 anos e não agora”, defendeu o diretor de Políticas Públicas da TIM, Marcelo Mejias. 

Essa leitura foi reforçada também por Vivo, Claro e Oi durante debate sobre o tema no Futurecom, nesta quarta, 30/10. Apesar dessa interpretação levar, na prática, a mudanças em editais de licitações passados, representantes das áreas jurídicas e regulatórias das teles acreditam que a Lei 13.879/19 trouxe novas condições. 

“Têm precedentes em que isso foi feito em outros setores, como nos portos. E é sempre importante ver se existe uma vantagem grande de valor. Só existiria vantagem na prorrogação se fosse gratuito, mas não é. Há um pagamento previsto. O que está se garantindo é uma segurança jurídica, não uma vantagem econômica. Portanto, não vemos nenhum problema legal. Quando uma lei posterior altera as condições, isso é possível”, afirmou a vice-presidente de Assuntos Corporativos da Telefônica, Camilla Tápias. 

Ela argumentou que o primeiro parecer sobre o então PLC 79/16 na comissão de Ciência e Tecnologia do Senado reforça essa interpretação de validade imediata. “Ao ler o relatório do senador Flexa Ribeiro, aprovado na CCT, a gente vê explicitamente a intenção do legislador de que as frequências atuais devam ser renovadas pra que não se instaure o caos nelas.”

Em verdade, aquele parecer não chega a ser tão explícito assim. Ribeiro admite que “o modelo regulatório atual, que prevê a realização periódica de processo licitatório para todas as faixas do espectro em uso no Brasil, não é isento de riscos”. E continua dizendo que “diversas autorizações de RF, detidas por todas as operadoras, vencerão nos próximos três anos, obrigando a Agência a iniciar, imediatamente, nos termos da LGT, o referido processo licitatório. Sabe-se que a infraestrutura de rede que sustenta o serviço móvel não é replicável. Aliás, ela sequer está acabada, sendo necessário hoje dobrar a quantidade de antenas em curto prazo para que se garanta o atendimento dos parâmetros de qualidade regulamentados. Logo, a disputa pelo direito de uso da capacidade já instalada é inevitável, o que seria menos traumático se o PLC número 79, de 2016, fosse aprovado.”

Não por menos, o chefe de gabinete da presidência da Anatel, Ronaldo Moura, foi mais cauteloso durante o debate. “Embora a lei permita a prorrogação sucessiva, a gente está diante de uma discussão se este dispositivo é aplicável para outorgas que ainda não venceram, se aplicável indistintamente para aquelas já em segundo período, ou se só serão aplicáveis para as próximas outorgas. É efetivamente um ponto de debate”, concluiu. 


Internet Móvel 3G 4G
Infobip e GSMA para oferecer proteção à identidade digital

Os serviços de identificação móvel por meio de SIMs vão gerar US$ 7 bilhões às operadoras em 2024, um impulso de 800% em relação a 2019, de acordo com a Juniper Research.

Reclamações contra oferta de banda larga crescem 40% com a quarentena da Covid-19

Queixas na Anatel cresceram especialmente a partir de março. No conjunto dos serviços, agência recebeu 1,52 milhão de reclamações entre janeiro e junho. Também houve um aumento de 20% com relação à telefonia móvel.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Qualcomm defende faixa de 6GHz para não licenciados atenta ao 5G

Diretor da Qualcomm, Francisco Soares, espera que a Anatel se defina por dar os 1,2GHz para os serviços licenciados. "O 6GHz não licenciado será o complemento ideal para os serviços licenciados 5G", sustenta.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G