TELECOM

Vivo defende mais espectro para operadora nacional

Luís Osvaldo Grossmann ... 29/10/2019 ... Convergência Digital

A versão preliminar do edital do 5G deixou a desejar, segundo indica a avaliação feita pelo presidente da Telefônica/Vivo, Christian Gebara. Para o executivo, a nova geração tecnológica exige largos blocos de frequências e muita capacidade de investimento, o que ressalta o papel das grandes operadoras em garantir a cobertura nacional. 

“Nós, as empresas líderes, somos as que realmente vamos construir essa cobertura nacional. Então, o leilão não pode desfavorecer as empresas com capacidade de compra de frequências nacionais e de cobertura nacional. Podem existir frequências regionais, mas não sei se deve haver prioridade às regionais. Tem que tratar das nacionais, que têm capacidade de construir uma rede com presença nacional e que podem cumprir com obrigações com este alcance. A gente não pode ser prejudicada”, afirmou. 

A versão preliminar do edital, ainda em discussão na Anatel, trouxe como novidade a oferta de blocos pequenos de espectro, em geral de 10 MHz. Mas como pontuou o presidente da Vivo durante o Futurecom 2019 nesta terça, 29/10, as aplicações de 5G exigem perfil diferente. 

“As experiências de outros países mostram que a largura espectral que a gente precisa no 5G deve ser mais ampla. Em 3,5 GHz estamos falando que 80 MHz seria o razoável. O que é claro é que precisamos de largura. E o leilão tem que responder a essas questões. Mas cada frequência tem uma característica”, disse o executivo. 

“Um bloco pequeno nos 700 MHz, para quem já tem, é viável. O 2,3 GHz pode ser usado para 4G e talvez com bloco menor possa ser viável. Mas pensando no futuro, não deveríamos estar leiloando menos de 40-50 MHz em 2,3 GHz. No bloco de 3600 MHz, apesar de terem dividido em blocos pequenos, acho que o mínimo deveria ser 80 MHz. Acho que comprar frequência de 10 MHz em 3,6 GHz é insuficiente para dar 5G”, completou Gebara.

Segundo ele, há questões mais importantes que o prazo dessa nova oferta de espectro, que a Anatel ainda pretende realizar em 2020. “Prefiro um leilão que ocorra mais tarde com as regras corretas do que um leilão no curto prazo com regras que não acho que sejam favoráveis à digitalização do Brasil. Não pode ser arrecadatório, tem que ter objetivos de cobertura factíveis e realistas, que os lotes sejam vendidos com espectro necessário e que não exista desfavorecimento das grandes operadoras, que são as que têm capacidade de investir no Brasil.”


Internet Móvel 3G 4G
Carteira digital representou apenas 0,03% dos pagamentos recorrentes no Brasil

Pesquisa, produzida pela Vindi, com dados de 2019, mostra que o cartão de crédito, com larga vantagem, e o boleto bancário são as duas opções preferidas do brasileiro. No mercado de meio de pagamentos, a Cielo manteve a liderança, mas as startups, como a Stone, cresceram e apareceram.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Dataprev contrata Claro por R$ 236 mil para ter fibra ótica no Rio de Janeiro

Contrato, publicado no Diário Oficial da União, prevê a interligação dos prédios do data center da estatal de TI no Rio de Janeiro à filial na mesma cidade, no bairro de Botafogo.

Autor da nova Lei das teles lidera entidade para brigar por banda larga

Ex-deputado Daniel Vilela vai presidir a Aliança Conecta Brasil F4, que nasce com apoio da Huawei, FiberX e da consultoria Teleco, mas quer novos associados. “Não existe economia digital sem infraestrutura”, afirma.

Consumidores: Banda larga é o serviço com menor satisfação, celular o melhor

Para a Anatel, como o padrão de consumo exige estar sempre online, percepção de qualidade é especialmente rigorosa com a conexão à internet.

Decreto da nova Lei de Telecom depende de acerto sobre renovação de frequências

“Entendemos que é melhor que a Lei também seja aplicada para os contratos vigentes e estamos tentando construir uma posição única de governo”, explica o secretário executivo do MCTIC, Julio Semeghini. 




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G