TELECOM

Vivo defende mais espectro para operadora nacional

Luís Osvaldo Grossmann ... 29/10/2019 ... Convergência Digital

A versão preliminar do edital do 5G deixou a desejar, segundo indica a avaliação feita pelo presidente da Telefônica/Vivo, Christian Gebara. Para o executivo, a nova geração tecnológica exige largos blocos de frequências e muita capacidade de investimento, o que ressalta o papel das grandes operadoras em garantir a cobertura nacional. 

“Nós, as empresas líderes, somos as que realmente vamos construir essa cobertura nacional. Então, o leilão não pode desfavorecer as empresas com capacidade de compra de frequências nacionais e de cobertura nacional. Podem existir frequências regionais, mas não sei se deve haver prioridade às regionais. Tem que tratar das nacionais, que têm capacidade de construir uma rede com presença nacional e que podem cumprir com obrigações com este alcance. A gente não pode ser prejudicada”, afirmou. 

A versão preliminar do edital, ainda em discussão na Anatel, trouxe como novidade a oferta de blocos pequenos de espectro, em geral de 10 MHz. Mas como pontuou o presidente da Vivo durante o Futurecom 2019 nesta terça, 29/10, as aplicações de 5G exigem perfil diferente. 

“As experiências de outros países mostram que a largura espectral que a gente precisa no 5G deve ser mais ampla. Em 3,5 GHz estamos falando que 80 MHz seria o razoável. O que é claro é que precisamos de largura. E o leilão tem que responder a essas questões. Mas cada frequência tem uma característica”, disse o executivo. 

“Um bloco pequeno nos 700 MHz, para quem já tem, é viável. O 2,3 GHz pode ser usado para 4G e talvez com bloco menor possa ser viável. Mas pensando no futuro, não deveríamos estar leiloando menos de 40-50 MHz em 2,3 GHz. No bloco de 3600 MHz, apesar de terem dividido em blocos pequenos, acho que o mínimo deveria ser 80 MHz. Acho que comprar frequência de 10 MHz em 3,6 GHz é insuficiente para dar 5G”, completou Gebara.

Segundo ele, há questões mais importantes que o prazo dessa nova oferta de espectro, que a Anatel ainda pretende realizar em 2020. “Prefiro um leilão que ocorra mais tarde com as regras corretas do que um leilão no curto prazo com regras que não acho que sejam favoráveis à digitalização do Brasil. Não pode ser arrecadatório, tem que ter objetivos de cobertura factíveis e realistas, que os lotes sejam vendidos com espectro necessário e que não exista desfavorecimento das grandes operadoras, que são as que têm capacidade de investir no Brasil.”


Internet Móvel 3G 4G
Reino Unido define futuro da Huawei no 5G

Conselho de Segurança Nacional do Reino Unido, presidido pelo primeiro-ministro, Boris Johnson, bate o martelo nesta terça-feira, 14 de julho, se a Huawei estará ou não nos projetos 5G. Decisão política define se o Reino Unido ficará próximo da China ou se vai balizar o governo Donald Trump, dos EUA.

Padtec reorganiza e se prepara para ir à Bolsa de Valores

IdeiasNet, ex-controladora, foi incorporada pela Padtec Holding. Ida à B3 é estratégia de médio prazo e servirá para a expansão internacional da companhia.

Londrina quer vender Sercomtel por R$ 130 milhões

Tentativa de privatização da operadora, que tem cerca de 400 mil acessos de telefonia e internet, foi remarcada para 18/8, na B3. Prefeitura admitiu o parcelamento na aquisição para atrair interessados nessa nova tentativa.

Refarming vai trazer 5G antes do leilão da Anatel, diz Rodrigo Abreu, da Oi

Executivo adverte, porém, que é necessária uma massificação de verdade na infraestrutura ótica no País. Para Abreu, o leilão tem de acontecer em 2021. “O Brasil não pode atrasar mais”, pontuou.

STF decide que Lei estadual que proíbe fidelização é constitucional

Para a Ministra relatora Rosa Weber, a lei do Rio de Janeiro apenas veda a fidelização, sem interferir no regime de exploração ou na estrutura remuneratória da prestação dos serviços. O objetivo, segundo ela, é apenas a proteção dos usuários.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G