Clicky

INTERNET

Advogados sozinhos não garantem o sucesso da implantação da LGPD

Por Roberta Prescott ... 18/10/2019 ... Convergência Digital

Não serão apenas os advogados responsáveis pelo sucesso da implantação da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) nas corporações, sustentam executivos da SAP, da IBM e Ernst & Young (EY) durante painel na ABES Conference 2019, realizado no dia 14/10, em São Paulo. Diante da experiência europeia, eles aconselham: o bom resultado passa por ter uma equipe disciplinar, ou seja, ter advogados, especialistas em Tecnologia e da área de negócios.

Aprovado em 15 de abril de 2016, o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados da União Europeia (GDPR, na sigla em inglês) entrou em vigor em 25 de maio de 2018, após um período de transição de dois anos. O regulamento sobre privacidade e proteção de dados pessoais é aplicável a todos os indivíduos na União Europeia e Espaço Económico Europeu e regula a exportação de dados pessoais para fora da UE e EEE. 

Entre as lições aprendidas, Tony De Bos, sócio-líder global de privacidade e proteção de dados da Ey Holanda, destacou que a operacionalização da GDPR é multidisciplinar e resulta em uma complexa governança da privacidade. Para ele, todo processo deve ser orientado a dados. "Os clientes são mais propensos a se engajar com companhias que protejam a sua privacidade", disse. Além disso, ele apontou que o uso máximo de análise de dados requer uma estratégia de informar aos clientes e que a adoção de ferramentas é a chave para o sucesso de uma operacionalização sustentável da GDPR.

Do lado das empresas, Christina Montgomery, vice-presidente e líder global de privacidade da IBM dos Estados Unidos, apontou que implantar os requisitos para ficar em conformidade com as exigências da GDPR foi desafiador e promoveu mudanças na companhia. "A IBM tem como princípio a confiança e a transparência; e tratamos sempre os dados e os insights como pertencendo aos seus criadores", ressaltou.

Ficar em conformidade com o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados da União Europeia (GDPR, na sigla em inglês) foi mais uma evolução que uma revolução na SAP, destacou Corinna Schulze, diretora de relações governamentais e para assuntos corporativos globais na SAP da Bélgica. "O GDPR é para proteger o indivíduo atrás dos dados e não os dados em si. Então, tem de se balancear os diferentes interesses", disse.

Dentro do processo de implantação, a SAP estabeleceu globalmente políticas de proteção de dados e privacidade, criou um sistema de gerenciamento da proteção de dados, medidas técnicas e organizacionais e estabeleceu uma rede para coordenar globalmente a privacidade e a proteção de dados. Após sua apresentação, Corinna Schulze falou para a CDTV. Acompanhe:


Revista Abranet 32 . set-nov 2020
Veja a Revista Abranet nº 31
O ano de 2020 marca os 25 anos da internet comercial no Brasil e confirma que ela é fundamental para a economia e a vida cotidiana. PIX, Wi-Fi 6, LGPD, white spaces, numeração para SCM... Veja a revista completa.
Clique aqui para ver outras edições

Proliferação de serviços streaming faz crescer o “consumidor bumerangue”

Segundo a Kantar Ibope Media, no lugar de assinar simultaneamente as várias opções, se torna mais comum a troca constante de serviços. 

TSE desmente notícias e descarta cobrança de multa por justificativa no e-Título

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) esclarece que não procede a informação de que o órgão estaria cobrando indevidamente multa dos eleitores que fizeram sua justificativa via aplicativo e-Título, no último dia 15 de novembro, data do primeiro turno.

Facebook exclui 140 mil postagens com desinformação sobre eleições

Publicações desestimulavam voto ou continham informações erradas. Rede social também informa que rejeitou 250 mil anúncios que não deixavam claro se tratarem de propaganda política. 

WhatsApp bane mais de mil contas após denúncias recebidas em canal do TSE

Plataforma conjunta com o TSE recebeu 4759 denúncias de 27 de setembro a 15 de novembro.

Indicado de Bolsonaro suspende julgamento no STF sobre presidente bloquear cidadãos em redes sociais

Para o relator, Marco Aurélio Mello, Bolsonaro não pode impedir comentários uma vez que não se restringe a publicar temas de ordem pessoal. Kassio Nunes pediu destaque e adiou indefinidamente o julgamento. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G