Clicky

Convergência Digital - Home

Reforma tributária é um assalto e ao software e serviços em geral

Convergência Digital
Ana Paula Lobo e Pedro Costa - 16/10/2019

Se o setor de tecnologia da informação por vezes precisa lutar pela segurança tributária entre estados e municípios, um cenário muito mais preocupante se avizinha com a eventual aprovação da reforma tributária como em discussão no Congresso Nacional. “É um desastre. O maior assalto aos contribuintes”, alerta o diretor jurídico da Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES), Manoel dos Santos.

“Na forma como está desenhada a reforma tributária é um conluio entre a União, estados e municípios em conjunto com o setor de comércio e serviços para aumentar a tributação do serviço em geral. É um desastre a reforma como está criada. E não é só o setor de tecnologia da informação. Todo o setor de serviços precisa se unir contra essa reforma tributária”, afirmou durante o ABES Conference, em São Paulo. 

Ele explica que há dois tipos de PIS e Cofins, a modalidade  cumulativa, de 3,65% e não cumulativa, 9,25%. O artigo 10 da Lei 10.833 lista as atividades na modalidade cumulativa, 3,65%. E toda a empresa tributada pelo lucro presumido paga PIS e Cofins de 3,65%. “Quando soma 3,65% com o ISS, tem empresas que paga 2%, dá 5,65%. Mas vai pagar PIS e Cofins de 9,25%, mais o ISS, que pode ser de 2% a 5%. Vai subir a carga tributária de 5,65%, ou 14,25%, para 25%. Na melhor das hipóteses, vai aumentar 10,5% em relação à matriz que tem hoje.”

Para o diretor da ABES, o setor de serviços precisa se unir para a reforma não ser aprovada. “Vai aumentar serviço médico, transporte, educação. A reforma tributária vai afetar de maneira especial o pobre. Já vimos escola sendo invadida porque o estudante não queria pagar 30 centavos a mais na passagem de ônibus. A Câmara Municipal foi invadida porque os funcionários da prefeitura não queriam aumento de 11% para 14% no INSS.  Agora tá acontecendo o maior assalto aos contribuintes, uma carga tributária que vai refletir na inflação e no custo de vida e ninguém fala nada. Não consigo entender como a sociedade se silencia com essa reforma que se avizinha.”


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Diversidade e Ciência de Dados: um desafio ao Brasil

Mais mulheres precisam ocupar carreiras em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática pelo bem do País, incentiva a embaixadora da Women in Data Science da USP (WiDS @USP), Renata Sousa.

Destaques
Destaques

Palo Alto: É um erro enorme repetir o passado e não tornar a nuvem aberta de verdade

"A nuvem tem de ser aberta, multicloud e não ter complexidade para os sistemas se falarem. Fizemos isso lá trás e foi um prejuízo. Não podemos errar porque nuvem é crucial no 5G", adverte Marcos Oliveira, diretor geral da Palo Alto Networks no Brasil. A empresa aposta suas fichas no 5G e num novo desenho para o mercado de segurança de redes.

Nuvem exige plano A, plano B e erra quem não faz recuperação de desastre

A nuvem não é proteção por si só e exige muito planejamento das empresas, afirmam especialistas de segurança da informação. Para o CISO da RNP, Emilio Nakamura, contingência e resiliência são obrigações. "Ser rápido num incidente é o relevante porque não existem sistemas 100% seguros".



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site