INTERNET

Abranet diz que frenesi 5G não pode tirar frequência do WiFi

Convergência Digital* ... 15/10/2019 ... Convergência Digital

A Associação Brasileira de Internet (Abranet) emitiu nesta terça-feira, 15/10, um comunicando alertando que, se Brasil não buscar um alinhamento com o mercado mundial para a destinação de frequências para sistemas Wi-Fi, o futuro da Internet no País estará comprometido.

A entidade também adverte que o “frenesi” em relação à tecnologia 5G não pode prejudicar ou restringir o uso de outras tecnologias e segmentos do mercado, como Wi-Fi. Confira a íntegra do documento:

A Anatel realiza uma revisão da regulamentação relativa aos equipamentos das características de sistemas de radiação restrita, por meio da Consulta Pública nº 47, fato que a comunidade de Internet comemora, uma vez que as regras vigentes estão defasadas em relação à evolução mundial.

As contribuições apresentadas na Consulta Pública nº 47, por empresas com atuação no mercado mundial são muito importantes e merecem consideração na análise que se realizará ao longo do processo de revisão da regulamentação.

Dentre as contribuições destacam-se as relativas a faixas de espectro destinadas para sistemas de radiação restrita, em grande medida conhecidos como sistemas WiFi.

Chamamos a atenção para o fato de que discussões sobre espectro que afetam os sistemas de radiação restrita estarem ocorrendo, também, no âmbito da União Internacional de Telecomunicações, inclusive com contribuição brasileira a ser apresentada que, infelizmente, não foi considerada no âmbito da Consulta Pública nº 47.

Em que pesem as contribuições a serem “defendidas” na Conferência Mundial de Radiocomunicações da União Internacional de Telecomunicações, que acontece entre 28 de outubro e 22 de novembro, no Egito, terem sido aprovadas pelo Conselho Diretor da Anatel, em 03/10/2019, as definições de uso de espectro não passaram por Consulta Púbica, etapa obrigatória na definição de regulamentos e planos. 

Por exemplo, uma das contribuições brasileiras diz respeito à frequência de 66 a 71 GHz, atualmente destinada para sistemas de radiação restrita e as contribuições apresentadas na Consulta Pública nº 47 propõem não só a manutenção da faixa para sistemas de radiação restrita como uma ampliação alinhando a destinação de frequências com os Estados Unidos da América, entre outros países. 

A contribuição brasileira, no entanto, defende uma flexibilização da faixa, que pode continuar com serviços Wi-Gig (Wi-Fi de alta capacidade), mas também para soluções 5G, que poderiam ser usadas pela indústria 4.0, já que tem latência e confiabilidade melhores. Outras contribuições tratam da inclusão do Brasil entre os países que identificam as faixas de 3.3 a 3.4 GHz e 4.8 a 4.9 GHz para o 5G. 

Segundo o Gerente de Espectro, Órbita e Radiodifusão, Agostinho Linhares, o país estaria alinhado com a Rússia na busca por frequências para 5G, por conta de ambos países possuírem situações que restringem o uso da frequência de 3,5 GHz. (Telesíntese de 03/10/2019)

O espectro é um recurso limitado e, como tal, vital para vários segmentos que devem ser considerados em qualquer decisão a ser adotada. No presente momento há um “frenesi” em identificar frequências para a chamada tecnologia 5G. Essa situação não pode prejudicar ou restringir o uso de outras tecnologias e segmentos do mercado, como o WiFi.

A Abranet defende que toda e qualquer definição de uso de frequências seja precedida de ampla consulta pública que inclua as implicações e alinhamentos internacionais, que afetam a disponibilidade de produtos e os padrões de dispositivos a serem utilizados no país.

Considerando as contribuições apresentadas na consulta pública e o impacto de decisões e posicionamentos na UIT, entendemos que será necessário um realinhamento da posição brasileira para que o processo na UIT e o da consulta pública possam manter coesão e efetividade.

A Abranet propôs ao Comitê de Prestadoras de Pequeno Porte a inclusão da questão entre as suas prioridades, e, que as discussões técnicas sobre a matéria prossigam mesmo após a conclusão da consulta pública, com a realização de reuniões técnicas abertas à participação dos vários atores do mercado.

Como mencionado em várias contribuições à Consulta Pública nº 47, é necessária adequação de parâmetros de equipamentos RLAN nas faixas de 57 a 71 GHz às práticas e parâmetros internacionais. Além disso, é imperiosa a revisão do Ato nº 14.448.

Outro tema muito relevante diz respeito aos radares automotivos, frequentemente mencionados como sensores primordiais para a adoção de funções que aumentem conforto e segurança, mas que demandam banda que chega aos 4GHz. Assim, a definição da faixa de 77 a 81 GHz.

Ademais, considerando o mercado internacional, a produção de equipamentos em diferentes países e a simplificação dos procedimentos de certificação com o uso de mecanismos de reconhecimento mútuo merecem ser considerados.

A indústria nacional espera ter um papel relevante no mercado nacional para fornecimento destes tipos de equipamentos. Assim, recursos para apoio ao desenvolvimento e produção necessitam estar na agenda do governo brasileiro.

A Abranet está à disposição para discutir e somar para ampliação do debate, visando a construção e tratamento dos temas mencionados, e, assim, contribuir para a produção de regulamentação que eleve a posição tecnológica, e de prestação de serviços no Brasil.


Revista Abranet 30 . fev-mar-abr 2020
Veja a Revista Abranet nº 30 A matéria de capa enfatiza a relevância do engajamento ao mostrar que uma internet mais segura depende da ação conjunta de todos os atores do ecossistema. Tratamos também do leilão das frequências do 5G. Veja a revista.
Clique aqui para ver outras edições

Mesmo maioria, mulheres ganham menos que homens como influenciadoras digitais no Brasil

Pesquisa aponta que nos segmentos de tecnologia, as mulheres ganham, em média, metade do que os influenciadores masculinos. No Sudeste, disparidade média é de 33%. 

Coronavírus: Justiça do Recife celebra casamento por videochamada na Internet

Cerimônia foi realizada por uma chamada de vídeo por celular do juiz da 1ª Vara de Família e Registro Civil da Capital do Recife, Clicério Bezerra.

Demonizar a Internet não resolve a falta de educação

O Brasil precisa de mais diálogo e educação na Internet e entender que a rede é um meio. "A falta de civilidade digital é um retrato da nossa sociedade", afirma Caio Almeida, da Safernet.

Internet no Brasil está longe de ser um ambiente saudável

"Está faltando senso crítico ao internauta", adverte o ciberevangelista Anchises Morais. Ele adverte que os cibercrimosos avançam sobre o medo do Coronavírus.

No Brasil, ainda há quem pense que a Internet é uma terra sem lei

A afirmação é da advogada especializada em direito digital, Cristina Sleiman. Segundo ela, qualquer ato na Internet tem uma consequência e é passível de punição.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G