Home - Convergência Digital

Sindisat reclama da 'fome' das operadoras por espectro para o 5G

Convergência Digital - 01/10/2019

As empresas que operam satélites no Brasil reclamam do constante apetite das teles móveis por mais espectro, e acusam a investida sobre o que consideram radiofrequências de uso satelital, especialmente na construção do primeiro leilão 5G no país, previsto para 2020. 

“Ainda nos surpreende a progressiva e constante investida do segmento móvel sempre em busca por mais espectro, inclusive daquelas faixas que já estão atribuídas e em uso por satélites de comunicação. Não satisfeitos com as faixas de 450, 700, 800, 900, 1.800 MHz, além do 2,1, 2,5 GHz, isso só para mencionar as que já estão autorizadas para uso, o segmento móvel ainda segue firme em sua jornada de pedir tudo para conseguir o desejável. Agora, após o 3,5 GHz, a banda C é o mais novo objeto de interesse”, dispara o presidente do Sindisat, Luiz Otavio Prates. 

“Tomando por base a essencialidade do espectro para o satélite, o Sindisat torna a defender a atribuição e a destinação das faixas já designadas para a tecnologia de satélites”, emenda o executivo. “Essa reiterada e contínua tentativa de destinação de faixas e mais faixas para compor o amplo portfólio de frequências do 5G é uma pauta que, se não definitivamente superada como é no caso de 28 GHz, com mais de 8 satélites já operando no Brasil nessa faixa, é, no mínimo, prematura.”

Até aqui, a Anatel alinhou nacos das faixas de 700 MHz, 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHz para o que se anuncia o maior leilão de espectro já realizado pela agência reguladora brasileira. O plano é de que essa oferta pública seja realizada em algum momento de 2020. 

“Não se trata de defender algo inovador e eventualmente impossível, mas de apontar caminhos, como o compartilhamento de rede em determinadas faixas, como a de 26 GHz, que possui ampla capacidade espectral, para uso simultâneo por diversas operadoras. Isso evitaria essa gana de abocanhar este recurso que é essencial para a indústria satelital.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

02/07/2020
Claro traz 5G com compartilhamento de frequência para o Brasil

30/06/2020
Vivo e TIM avançam com OpenRAN para 'quebrar' concentração dos fornecedores

30/06/2020
Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

29/06/2020
Vodafone: 5G é o remédio para combater o impacto da Covid-19

25/06/2020
Covid-19 impôs revisão dos projetos 5G na América Latina

23/06/2020
Bolsonaro não se pronuncia, mas ouve defesa estratégica da Telebras

23/06/2020
Huawei: Brasil sempre teve um mercado aberto e justo no setor de TIC

19/06/2020
CEO da Algar: Banir fornecedor do 5G seria um tremendo equívoco

18/06/2020
Aumento de espectro para 5G está em consulta pública

17/06/2020
Qualcomm leva 5G para smartphones de baixo custo

Destaques
Destaques

Oi Móvel terá um 'único' dono e Oi não se exclui do jogo do 5G

O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, descartou a possibilidade de vender a Oi Móvel 'fatiada' para atender aos interessados: Vivo/TIM e Claro. "Sem chance. O ativo será vendido todo", disse. Sobre o 5G, diz que dependendo do modelo de venda, a Oi entra pensando em B2B, IoT e até para ser MVNO.

Regulamentação de IoT passa por tratar a coleta e a proteção dos dados

De acordo com a KPMG, será preciso ainda cuidar da avaliação de riscos, governança, gestão da configuração e gestão da cadeia de suprimentos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site