Clicky

INCLUSÃO DIGITAL

Mais de 60% dos jovens brasileiros desconfiam ao dar dados pessoais na Internet

Ana Paula Lobo ... 30/09/2019 ... Convergência Digital

Ao contrário do que se pode pensar com a avalanche do mundo conectado, o ambiente educacional é a instituição de referência na vida dos jovens, revela a 3ª edição da pesquisa Juventudes e Conexões. O estudo aponta que a escola ou faculdade são para 60% dos 1.440 entrevistados, com idades entre 15 e 29 anos, as instituições mais importantes para aprender. A escola também é considerada a mais importante para participar da sociedade por 47% deles, para empreender, por 44%, e para decidir quem quer ser, por 56%. O estudo foi realizado pela Rede Conhecimento Social, com idealização da Fundação Telefônica Vivo e parceria com o Ibope Inteligência.

As pessoas mais importantes na vida dos jovens são o professor e a família. O professor fica em primeiro lugar quando a pergunta é sobre a pessoa mais importante para aprender, com 61% das respostas, e para empreender, com 45%. A família é mais importante para participar da sociedade para 43% dos participantes, e para decidir quem quer ser, para 49%.

O celular é o principal meio de acesso à Internet, mas o estudo mostra que outros dispositivos começam a ganhar espaço, entre eles, o vídeogame com 19% e a TV que pulou de 6% para 31% em dois anos. Nas classes A e B, os relógios inteligentes aparecem com 2%. Mas o grande ponto de atenção segue sendo a sala de aula. E, como diz o diretor da Fundação Telefônica Vivo, Americo Mattar, os jovens deram um recado forte: os professores são a grande referência e a inclusão tecnológica está longe de ser a de levar a tabuada para o Power Point.

"O professor não será descartado pela tecnologia. Ao contrário do que se pensa a Internet não vai substituir o professor na educação tanto que mais da metade dos jovens quer o professor como mediador do mundo online e do mundo real", relata o executivo. Os temas educação, empreendedorismo, comportamento e participação social formaram os quatro eixos da pesquisa, feita em 2018. E há pontos significativos no estudo: 54% dos jovens estão muito preocupados com mudanças no mercado de trabalho e com relação à formação deles para as profissões do futuro. Quase metade - 48% - disse que não são estimulados a serem empreendedores, ou seja, de criarem oportunidades de sobrevivência pela rede.

O levantamento também mostra a relação de amor e ódio dos jovens com a Internet. Cerca de 30% afirmam que a Internet fez com que eles melhorassem suas relações humanas, mas 57% assumiram que a ansiedade foi agravada com a Internet. Além disso, 65% afirmaram que exposição da intimidade piorou, além disso mais da metade - 54% - não se sentem seguros na internet e 64% deles desconfiam ao fornecer dados pessoais para compras e cadastrados.

Um dado também significativo: 59% dos jovens não se sentem ouvidos e representados nos movimentos e partidos políticos e para eles a Internet nao está resolvendo os problemas da sociedade e que, sozinha, a Internet nunca será uma solução para as questões da sociedade. "O estudo foi feito no período eleitoral de 2018, com o país muito dividido, e a percepção dos jovens se agravou", completa Mattar, da Telefônica Vivo.

As redes sociais são vistas como importantes para participar da sociedade (32%), empreender (25%), mas não tão relevantes para decidir quem quer ser (17%) e para o aprendizado (16%). Embora redes sociais ocupem grande parte do uso da internet, sites temáticos e plataformas especializadas são ainda vistos por jovens como fontes importantes para construção de referências. Do total, 97% acessa ao menos uma rede social, mas 80% deles cria ou posta conteúdos. Os jovens sentem que hoje fazem uso mais diverso das redes (têm mais perfis e dividem atenção entre elas) e exploram suas ferramentas (como stories e lives, filtros, etc).

Espontaneamente citam como as principais redes acessadas o Whatsapp, Instagram, Youtube, Facebook – Whatsapp, considerado espontaneamente uma rede social pelo jovens, é consenso que todos usam, como principal meio para se relacionarem com amigos e família ou para trabalho; Youtube é o lugar para aprender, utilizado especialmente como fonte de tutoriais e videoaulas sobre qualquer assunto, stand-up,  filmes e divulgação do próprio trabalho; Instagram é o atual “queridinho” dos jovens, com postagens mais pessoais e onde dizem seguir perfis por afinidade, independente de conhecerem, inclusive personalidades, pois se sentem mais próximos, além de utilizarem como divulgação de trabalhos; no Facebook, não se sentem muito à vontade para postar o que querem e o que pensam, especialmente por terem muitos familiares e conhecidos lá, além de acompanhar páginas de memes e comunidades. A pesquisa completa pode ser acessada aqui.


Governo anuncia lançamento de cabo submarino entre Brasil e Europa

O cabo ligará Fortaleza a Sines, em Portugal, anunciou o ministro das Comunicações, Fabio Faria. A obra será feita pela EllaLink, que promete uma estrutura capaz de proporcionar um tráfego de dados a 72 Terabits por segundo (Tbps) e latência de 60 milissegundos. Serão lançados 6 mil quilômetros de cabos submarinos.

Em um Brasil desigual, governo digital tem de servir para todos

Como destaca o professor Silvio Meira, no Brasil onde a desigualdade aumenta, “a gente vai ter que ser muito competente para desenhar serviços que possam ser usados realmente por todo mundo e não só por quem tem acesso à conectividade".

Treze anos depois, Congresso aprova uso do Fust para inclusão digital

Texto permite uso dos recursos, cerca de R$ 1 bilhão por ano, por serviços no regime privado, como a oferta de banda larga. Mas como ressaltado na votação, como não é impositivo, haverá conflito com a PEC dos Fundos. 

Brasil tem desempenho pífio em ranking global de educação digital em cibersegurança

Levantamento mostra o País em 42º entre 50 pesquisados e avalia nível de conhecimento atual sobre risco cibernético e a relevância das iniciativas para promover educação e treinamento. 

Apenas 16% dos empregados em teletrabalho tiveram Internet paga pelos patrões

Nova pesquisa TIC Covid, do Cetic.br, reforça que a alternativa do home office se deu predominantemente entre os mais ricos e escolarizado. Apenas 20% dos patrões ofereceram aplicações de segurança.

Desigualdade econômica acentua exclusão digital do campo no Brasil

Estudo mostra que na região, 77 milhões de pessoas não tem acesso à internet. No Brasil, que puxa os índices agregados para cima, diferença é gritante entre grandes e pequenas propriedades. Levantamento mostra que 244 milhões de pessoas na AL não têm acesso à Internet.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G