Home - Convergência Digital

PGR questiona terceirização no STF contra efeitos no governo

Convergência Digital* - 19/09/2019

A Procuradoria Geral da República apresentou embargos de declaração contra trechos considerados obscuros da decisão do Supremo Tribunal Federal que decidiu pela licitude da terceirização de todas as atividades empresarias, sejam elas finalísticas ou atividades-meio. A PGR alega que alguns pontos do acórdão precisam ser elucidados a fim de garantir maior segurança jurídica na aplicação futura da decisão, que tem efeitos vinculantes.

Mesmo com as alterações promovidas pela Lei 13.467/2017, conhecida como reforma trabalhista, com o objetivo de “modernizar” a normatização das relações trabalhistas para contemplar a realidade de flexibilização do mercado de trabalho, não foi possível, em termos práticos, ao TST revogar, ou alterar o enunciado 331 de sua Súmula para adequar sua jurisprudência ao decidido pela Suprema Corte. Assim, diz a PGR que a decisão do Supremo não se mostra suficiente para assegurar a segurança jurídica nas relações trabalhistas. Inclusive no que envolve a administração pública. 

“Em nenhum momento, por ocasião do julgamento da ADPF 324/DF e do RE-RG 958.252/MG, [o STF] tratou atenta e especificamente da terceirização no âmbito da Administração Pública, com as suas peculiaridades e a incidência de princípios constitucionais jurídico-públicos próprios e normas constitucionais e infraconstitucionais especiais incidentes”, acrescentou a PGR. Por isso, a PGR sustenta a necessidade de delimitação do alcance dos julgados do STF somente em matéria de terceirização empresarial, principalmente para que não se permita o seu elastecimento indevido e oportunista.

O recurso foi apresentado na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 324, de autoria da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) contra decisões proferidas na Justiça do Trabalho e decorrentes da aplicação da interpretação judicial da Súmula 331, do Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Para a PGR, a fim de se evitar a prática de fraudes nas relações trabalhistas, são necessárias alterações na redação da tese firmada pela Corte, além do que é preciso delimitar o alcance dos julgados do STF em matéria de terceirização empresarial e conceder os efeitos modulatórios somente após o julgamento dos embargos de declaração, ressalvando-se os efeitos consolidados dos atos jurídicos perfeitos e da coisa julgada. Defende ainda a necessidade de observância de procedimentos administrativos e extrajudiciais – como repactuação de termos de ajuste de conduta – e de ajuizamento de ações próprias previstas em lei, como as rescisórias, revisionais e anulatórias.

Em agosto do ano passado, ao final do julgamento da ADPF 324, o Supremo firmou tese que, em seu item 1, estabelece: “É lícita a terceirização de toda e qualquer atividade, meio ou fim, não se configurando relação de emprego entre a contratante e o empregado da contratada”. Ao analisar o trecho, Dodge, frisa que deve ser rechaçada a terceirização praticada com o propósito de fraudar direitos dos trabalhadores, ou cujo resultado seja esse. Defende ainda a delimitação do acórdão para fins de aplicação da respectiva tese jurídica, na medida em que, eventual interpretação literal do dispositivo permitirá que uma situação de abusividade no uso da terceirização se mantenha blindada à apreciação judicial.

“O STF reputou constitucionalmente autorizada a terceirização nas atividades finalísticas das empresas, mas isso não valida em precedente vinculante a generalização de fraude, de intermediação de mão de obra (marchandage) – diametralmente distinta da descentralização de atividades, vedada por princípio de Direito Internacional do Trabalho (o trabalhador não é mercadoria, não se vende mão de obra), em detrimento da proteção constitucional destinada aos trabalhadores”, alega a PGR no embargo. Para esclarecer esse ponto, sugere-se a alteração do item 1 para: “É lícita a terceirização de toda e qualquer atividade, meio ou fim, não se configurando, em tese, relação de emprego entre a contratante e o empregado da contratada, pela simples aferição da atividade principal daquela, ou dos serviços específicos por esta prestados”.

Por ocasião do julgamento da ADPF 324, o Supremo apreciou a terceirização de atividades empresariais, que pressupõem duas relações jurídicas bilaterais, uma delas de natureza trabalhista. No entanto, não houve discussão ou deliberação sobre a situação das relações no cooperativismo, em que a relação bilateral da pessoa física com a cooperativa não é empregatícia. O mesmo se diga em relação à “pejotização”, em que o sócio ou a pessoa jurídica individual, ambos autonomamente, exercem o trabalho em benefício do tomador final de serviços e sem uma relação empregatícia.

* Com informações do MPF

 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

19/11/2020
Indicado de Bolsonaro suspende julgamento no STF sobre presidente bloquear cidadãos em redes sociais

17/11/2020
TST admite divisão e vai rediscutir ilicitude da terceirização

13/11/2020
Relator vota para impedir Bolsonaro de bloquear usuários no Instagram

11/11/2020
Com sete votos contra ICMS no software, STF adia novamente conclusão de julgamento

04/11/2020
Decisão contra ICMS no software é vitória mais importante do setor

04/11/2020
STF forma maioria contra cobrança de ICMS no software

30/10/2020
PGR ignora modelos de software como serviço ao defender incidência de ICMS no STF

05/10/2020
STF: Leis estaduais que exigem cadastro de compradores de celular são inconstitucionais

01/10/2020
STF tira de pauta julgamento do Direito ao Esquecimento

30/09/2020
Em disputa entre Vivo e Rio Grande do Sul, STF decide que celular em comodato paga ICMS

Diversidade e Ciência de Dados: um desafio ao Brasil

Mais mulheres precisam ocupar carreiras em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática pelo bem do País, incentiva a embaixadora da Women in Data Science da USP (WiDS @USP), Renata Sousa.

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A confiança é ganha com mil atos e perdida com apenas um

Por Luis Banhara*

À medida que o conceito de trabalho se descola dos escritórios, mesmo que parcialmente, surgem novos desafios de segurança. A superfície de ataque foi ampliada.

Destaques
Destaques

Certificação é critério de seleção para encarregado de dados

Ainda que a LGPD não exija qualificação específica, o mercado busca profissionais com conhecimento na área. Formação pode custar até R$ 6 mil, observou Mariana Blanes, advogada e sócia do Martinelli Advogados, ao participar do CD em Pauta.

Teletrabalho: sem regulamentação, sem direitos, sem deveres, sem regras

Depois da nota técnica do MPT alertando para o direito à desconexão, Congresso tenta acelerar a votação dos PLs que tratam do tema, entre eles o PL 3915/20. O tema é complexo. IN 65, do governo federal, repassa os custos com tecnologia para os servidores no home office.

Ministério Público: Teletrabalho exige direito à desconexão

Ministério Público do Trabalho elaborou uma nota técnica direcionada para as “empresas, sindicatos e órgãos da administração pública”.  Na orientação, sugere a adoção de etiqueta digital para orientação de patrões e empregados.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site