TELECOM

Nova lei de telecom ajuda Oi em meio bilhão de reais por ano, calcula Fitch

Luís Osvaldo Grossmann ... 19/09/2019 ... Convergência Digital

A aprovação da nova lei de telecomunicações pelo Congresso Nacional deu início a uma nova onda de especulações e apostas sobre o futuro da Oi, a mais recente sobre tratativas para a venda da operação de telefonia celular para Telefônica ou TIM, negadas textualmente pelas duas operadoras. Em outra ponta, a mudança no marco legal do setor também projeta ganhos diretos. Segundo a agência de risco Fitch, o fim da concessão representa um corte de R$ 500 milhões por ano nos custos da supertele.

Divulgado na véspera, o relatório da Fitch associa a sustentabilidade da Oi à geração de receita com os recentes investimentos, centrados na ampliação da rede de fibra óptica, e à geração de caixa com a venda de ativos. Noção realimentada nesta quinta, 19/9, com relato da agência Reuters de que a Oi mantém negociações com Telefónica e Telecom Italia para a venda do negócio de telefonia móvel, onde tem 35 milhões de clientes, 16% do mercado celular do Brasil e dois terços de seus próprios acessos em serviço. O grupo TIM nega qualquer negociação com a Oi. 

Diz a agência de classificação de risco que “o cenário-base para a Oi não inclui fusão ou aquisição por empresas do setor nacionais ou estrangeiras”, mas admite que “a empresa indicou que a venda de sua unidade de telefonia móvel é possível, e a Fitch acredita que o motivo seria estratégico e não financeiro, diante das possibilidades que a empresa possui a curto prazo”.

Do ponto de vista da agência, “a tão aguardada aprovação da nova Lei Geral das Telecomunicações beneficiará a empresa ao dar propriedade privada aos ativos após o fim das concessões, além de eliminar as obsoletas obrigações de instalação de telefones públicos e linhas fixas. Com o fim das restrições a venda de ativos, as concessões de telefonia fixa poderão ser convertidas em investimentos em banda larga”. 

A avaliação é de que “isto beneficiaria principalmente a Oi, tendo em vista sua nova estratégia estar focada em banda larga e suas perdas em telefonia fixa. A lei também permitirá que a Oi venda alguns imóveis, reinvestindo o montante no desenvolvimento de fibra ótica. Embora a lei tenha sido aprovada, a Fitch acredita que sua implementação possa levar de 12 a 18 meses. De forma geral, a Fitch estima que a nova lei possibilite uma economia de custos de, pelo menos, R$ 500 milhões por ano para a Oi”.

Conclui a Fitch que “a curto prazo, a trajetória de rating da Oi depende de sua capacidade de captar recursos ou monetizar ativos. A médio prazo, a sobrevivência da empresa depende de sua capacidade de obter retorno dos elevados investimentos em redes antes de voltar a pagar juros e principal da dívida reestruturada”. E acredita que “embora uma mudança na composição da administração pareça provável, diante da pressão dos acionistas e da criação de uma posição de COO (diretor de operações), resta ver o impacto que isso terá sobre a execução da estratégia da empresa ou sobre sua tomada de decisões táticas”.

* Alterada para incluir negativa da TIM sobre negociações de compra com Oi


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Abranet: Revisão do marco de telecom tem que abrir espaço para voz no SCM

Entidade diz que a revisão do marco legal de telecom exige uma avaliação do mercado de telefonia no Brasil, com ajustes regulatórios capazes de abrir o segmento aos prestadores de SCM, com recursos de numeração e sistemas de áreas de tarifação nos moldes da telefonia celular.

Anatel vai licitar posições de satélite, mas muda termos para atender Claro e Hispamar

Proposta de leilão de 15 posições orbitais entrará em consulta pública por 20 dias. Mas como aumentou o prazo das atuais licenças dessas empresas, foi preciso alterar o edital. 

Orquestração de rede 5G é prioridade da Ciena

Fabricante descarta uma produção local no curto prazo, mas se surgirem oportunidades, a avaliação será feita, conta o gerente geral da Ciena no Brasil, Fernando Capella.

American Tower: "Seguimos olhando todo ativo compartilhável"

O CEO da companhia, Flavio Cardoso, diz que o investimento redundante em fibra óptica por conta do 5G não é eficiente e que é preciso pensar na economia comparitlhada. "Nós queremos ser os gestores desses ativos para evitar conflitos como o do uso dos postes nas grandes cidades."




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G