Home - Convergência Digital

Rede IoT da American Tower envia mais de 7 milhões de mensagens por dia

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 02/09/2019

A American Tower superou a marca de 112 cidades com presença de sua rede IoT/LoRaWAN para Internet das Coisas (IoT) no país, alcançando cerca de 50% do PIB brasileiro. A infraestrutura engloba, aproximadamente, 70 milhões de pessoas após um ano de seu lançamento comercial.

"O nosso principal critério de ampliação de cobertura é a demanda de mercado. Tanto a seleção das cidades quanto a priorização destas estão vinculadas ao relacionamento próximo que temos com nossos clientes. Nosso plano é atingir 55% do PIB brasileiro até o final do ano", pontua Daniel Laper, gerente sênior de Desenvolvimento de Novos Negócios da American Tower.

A rede neutra já está presente nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Ceará, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Sergipe, Paraná, Pernambuco, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, além do Distrito Federal.

A rede IoT/LoRaWAN da American Tower já abrange mais de 7 milhões de mensagens por dia - mais que o dobro em comparação ao ano passado. "É visível o aumento do interesse e a maturidade do mercado para aplicações de IoT. Observamos essa evolução nos mais diversos nós da cadeia de valor, englobando, além da rede, sensores, aplicações, parceiros e novos modelos de negócio", ressalta Laper.

Daniel Laper destaca também que as redes LPWAN (Low Power Wide Area Network), como o LoRaWAN, permitem aplicações até então inviáveis em função do consumo de bateria e custo da conectividade e dos dispositivos. "O IoT OpenLabs, iniciativa que lançamos em abril de 2018 em parceria com a Everynet e Bandtec Digital School para fomentar o ecossistema fim a fim e potencializar a geração de negócios para a cadeia, já conta com mais de 50 parceiros, oferecendo aproximadamente 60 soluções baseadas no padrão LoRaWAN. Esse crescimento no ecossistema é um potencializador essencial na habilitação de casos de uso sobre nossa infraestrutura", acrescenta.

A infraestrutura de rede neutra de Internet das Coisas da American Tower é destinada a usuários com perfil de atacado (grandes volumes de conexões), podendo ser comercializada por operadoras de telecomunicações – considerando a rede LoRaWAN como complemento às suas redes celulares na oferta de soluções para seus clientes finais, operadoras virtuais (MVNOs) e também empresas ou setores que necessitem de rede própria para uma grande quantidade de dispositivos (tipicamente centenas de milhares ou mais) para uso próprio.

A tecnologia LoRa (Long Range) é um padrão aberto, que opera em frequência não licenciada (banda ISM, 900MHz) e permite a implementação de aplicações a custos muito baixos, tanto de conectividade como de sensores, com um baixo consumo de energia e baterias que podem durar até 10 anos dependendo do uso. Entre as aplicações mais promissoras para essa tecnologia estão aquelas para rastreamento de ativos e frotas, medição remota de energia, água ou gás, cidades inteligentes, smart building e agronegócio.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

15/04/2020
Internet das Coisas: Quase 30% das empresas sofreram incidentes de segurança

25/03/2020
Brasil contabiliza 19% dos projetos de IoT em produção na América Latina

18/02/2020
Conexão das coisas será quase a metade dos acessos à Internet no Brasil em 2023

14/02/2020
É urgente fazer software inteligentes para avançar Internet das Coisas no Brasil

10/02/2020
Bosch usa o Tinbot, robô brasileiro, para ampliar negócios em IoT

31/01/2020
Financiamento para IoT no BNDES recebe propostas até o dia 07

22/01/2020
Vivo chega a 10 milhões de dispositivos conectados à IoT

16/01/2020
Rede de IoT da American Tower atinge 220 cidades

07/01/2020
O carro será uma Internet das Coisas

18/12/2019
Fazendas da Atto Sementes contratam 4G e IoT da Vivo

Destaques
Destaques

Leilão 5G: TIM e Claro defendem adiamento. Vivo adverte para momento incerto

TIM e Claro se posicionam claramente contra a realização do leilão ainda em 2020. A Vivo se mostra mais cautelosa, mas admite que está tudo muito nebuloso por conta da economia e da pandemia de Covid-19. Todas asseguram que o momento ainda é de muito investimento no 4G e no 4,5G.

Operadoras pedem que edital do 5G traga compromissos na nova tecnologia

Mas Anatel lembra que reduzir preço das frequências para exigir investimentos que o mercado já faria naturalmente não faz sentido na licitação. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Para além da guerra da saúde pública, não adiem o leilão do 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

O setor de telecomunicações tem suportado a sobrecarga derivada da pandemia de Covid-19. Mas, reforcem essas redes com tecnologia mais avançada para prover serviços de baixa latência. Dessa forma, não se postergue o leilão das redes ditas de quinta geração (5G) e atenção à segurança cibernética.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site