Home - Convergência Digital

Mutant anuncia compra da Interaxa e expande atuação na América Latina

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital - 13/08/2019

A Mutant, empresa brasileira especializada em experiência do consumidor, anunciou a compra  da argentina Interaxa, um dos players da América Latina como integrador global de soluções e tecnologias de atendimento, com objetivo de agregar novas soluções ao portfólio. O valor da transação não foi revelado. Com esta nova aquisição, a empresa aponta faturamento previsto de 600 milhões de reais neste ano. “Naturalmente, oferecer soluções inovadoras para os clientes faz parte da nossa estratégia e fazemos isso de uma maneira muito singular, com objetivo de gerar valor de maneira ainda mais ampla”, afirma Alexandre Bichir, CEO da Mutant.

A expertise da Interaxa, que possui 15 anos de existência, é focada em vendas e fidelização, por meio de soluções de Roteamento, Otimização de Recursos e Social Media. A companhia tem como um dos diferenciais o serviço de WhatsApp Business. O aplicativo já tem 5 milhões de instituições cadastradas e é utilizado por 1,5 bilhão de usuários em todo mundo. O Brasil é o segundo maior mercado, ficando atrás apenas da Índia.

A operação expande a presença da Mutant para novos territórios – além do Brasil, Portugal e Estados Unidos, agora passa a atuar na Argentina, Colômbia, Uruguai, Paraguai e Chile, fortalecendo as atuais cinco verticais de negócio: Consultoria, Digital, Processos & Performance, Qualidade & Insights e Desenvolvimento de Software.  Atualmente, a Mutant possui 200 clientes em seu portfólio - entre eles as maiores empresas de telecom, varejo e bancos do país. Esta aquisição ocorre logo após a conclusão da captação de US$ 165 milhões em conjunto entre a Permira - private equity britânico, que possui 33 bilhões de dólares investidos em mais de 20 países; o Canada Pension Plan Investiment Board (CPPIB); e Adams Street, empresa com 40 anos de experiência em investimentos dessa natureza.

Essa é a quinta aquisição nos últimos três anos e a segunda realizada nos últimos 11 meses. Depois da Dextra (2018) e Interaxa, a empresa prevê finalizar mais duas compras até o final deste ano, com foco em frentes principais de crescimento estratégico. Segundo Bichir “Temos um crescimento orgânico bem claro e definido, realizando cross sell e up sell dentro da nossa carteira de clientes e uma frente de aquisições agressiva e “always on”. Ou seja, nosso processo de M&A acontece continuamente e, dentre as empresas que estamos conversando, há uma grande possibilidade de novas aquisições até o final do ano.”

 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

14/11/2019
Em São Paulo, Uber vai mostrar opções de transporte público

24/10/2019
Em decisão divergente, TRT-SP diz que não há vínculo de motorista com Uber

24/10/2019
GT da Câmara exclui acesso a chave criptográfica de pacote anticrime

22/10/2019
Nova decisão judicial vincula motorista a Uber

21/10/2019
Justiça de SP derruba inspeção anual de app de transporte

15/10/2019
App permite ao MPDFT concluir inventário de bens móveis em sete dias

01/10/2019
Servidores federais em SP adotam Táxigov, o app do governo

27/09/2019
TJ da Bahia cria app com IA e biometria para agilizar queixa do consumidor

18/09/2019
Apps de documentos pessoais e veículos são os mais procurados no SP Serviços

13/09/2019
Governo cria loja própria para evitar fraudes e unificar acesso aos apps

Destaques
Destaques

5G exige políticas públicas e apoio do Governo

Como ressalta o diretor de relações governamentais da Huawei, Carlos Lauria, investimentos pesados em infraestrutura de redes envolvem políticas públicas em qualquer país. 

Redes privadas no 5G impulsionam o crescimento econômico do País

“Nas quatro verticais indicadas pelo governo as redes privadas podem ter impacto forte. Por isso a abertura regulatória é muito importante”, defende a gerente da Qualcomm, Milene Pereira. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site