NEGÓCIOS

Clientes acusam NegocieCoins, do Banco Bitcoin, de sumir com dinheiro das contas

Convergência Digital* ... 12/08/2019 ... Convergência Digital

O mercado de bitcoins no Brasil vive um momento bastante turbulento. A NegocieCoins, que já foi considerada, em abril, a segunda maior do mundo em criptomoedas e a primeira em volume de operações entre todas as corretoras, segundo o CoinMarketCap, que compila dados do setor, está sendo acusada por clientes de sumir com dinheiro das contas.  Desde junho, são mais de 200 ações impetradas na Justiça e não há dinheiro em saldo para o ressarcirmento, conforme mostra reportagem do Jornal Folha de S. Paulo, neste domingo, 11/08.

No Paraná, uma decisão favorável à empresa Work Consultoria determinou o pagamento de R$ 12,120 milhões, relativo a uma confissão de dívida da NegocieCoins, que venceu e não foi cumprida. A dívida original era de R$ 39,2 milhões, que diminuiu após acordo para pagamento imediato - não cumprido pelo grupo Bitcoin Banco, que tem sede no Estado.

Em outro processo, também no Paraná, o juiz determinou o bloqueio de R$ 6 milhões das contas das empresas do Bitcoin Banco, mas só encontrou R$ 130 mil em caixa. No estado, são 154 ações. Em mais uma ação, o magistrado exigiu o bloqueio financeiro da NegocieCoins por uma cobrança de R$ 2 milhões. Porém, só havia R$ 2.000 nas contas bancárias. Em uma terceira execução, a Justiça só localizou R$ 424.

No estado de São Paulo, são 27 processos contra o grupo, que totalizam cobranças de cerca de R$ 3,5 milhões. As ações já atingem as cidades de Taboão da Serra, Atibaia, Birigui, Guarulhos, Jandira, Osasco, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, São Paulo e Taubaté.  Estima-se que  as plataformas do Bitcoin Banco reúnam cerca de 20 mil usuários.

O grupo tem como dono Cláudio Oliveira e é composto de dez empresas, como a Bitcoin Banco, a Tem Btc Serviços Digitais e a Negociecoins Intermediação e Serviços Online. As empresas do grupo, como a Negociecoins, agem como intermediárias na compra e venda dessas criptomoedas, funcionando como instituições financeiras, assim como bancos e corretoras de valores imobiliários, mas sem serem efetivamente um banco, já que Banco Central e CVM (Comissão de Valores Mobiliários) ainda não têm regras sobre o tema.

Mesmo com os processos e bloqueios, as empresas do Bitcoin Banco continuam a operar a venda de bitcoins. Na sexta-feira (9), o Iconomia, site do grupo, mostrava que, às 11h27, a NegocieCoins operava um volume de R$ 3,2 milhões em bitcoins, enquanto a Tem Btc somava outros R$ 2,7 milhões.

Empresa afirma ter sido alvo de tentativa de fraude eletrônica

Em comunicado aos clientes, o grupo Bitcoin Banco disse ter sofrido uma tentativa de fraude. É a mesma alegação feita em contestações na Justiça. A defesa das empresas diz que, em meados de maio, recebeu denúncias anônimas que identificaram movimentações suspeitas, realizadas mediante fraude ao sistema de saques e movimentação de criptomoedas, gerando suspeita de grande prejuízo.

O grupo argumenta que, em março, uma terceira empresa passou a integrar o modelo de negócios e compartilhar da infraestrutura tecnológica, o que possibilitou fraude eletrônica. "Ou seja, em algum momento um cliente usuário se conectou simultaneamente em uma exchange [corretora] conveniada e conseguiu fazer o 'marco zero' das fraudes", afirmou à Justiça.

Na prática, disse o grupo, "o fraudador se conectava a uma exchange com dois computadores diferentes e, ao mesmo tempo, realizava dois pedidos de retiradas concomitantemente, especificando como destino as outras duas exchanges em que possuía conta, fazendo com que 200% do valor originário fosse transferido até os destinos. Nesse ínterim, o valor originário de 100 passava a 200, sendo 50% na exchange de destino 1 e outros 50% na exchange de destino 2".

O Bitcoin Banco diz ter pedido a abertura de inquérito na Delegacia de Crimes Cibernéticos de Curitiba e que, após a detecção das fraudes, modificou o modo como os saques eram realizados, o que gerou atraso na liberação das movimentações. Assim, começaram os processos. A Polícia Civil do Paraná disse que a investigação sobre a fraude apontada pelo Bitcoin Banco está em andamento.

*Com reportagem da Folha de São Paulo


Cloud Computing
SP inaugura ensino à distância com nuvem da AWS e internet negociada com Vivo, Claro, TIM e Oi

Secretaria de Educação vai firmar acordo com operadoras para patrocinar internet a alunos e professores. Sistema terá aulas ao vivo com professores da rede pública, com interações por meio de chat e vídeos. 

Depois de vários nãos, Covid-19 faz Xerox desistir de oferta hostil pela HP

Aquisição, agora, é considerada muito arriscada. Proposta feita era de US$ 35 bilhões.

Big data e IA para saúde fazem Semantix comprar a Tradimus

Empresa brasileira adquiriu solução voltada para gestão dos recebimentos de pagamentos das seguradoras e operadoras de planos de saúde pelos serviços prestados. Valor da transação não foi revelado pelas partes.

Fenainfo faz manifesto pela retomada das atividades econômicas

Entidade, que reúne mais de 120 mil empresas de TI, afirma que 'diante da paralisação de muitos dos seus clientes, as empresas de TI também correm o risco de parar'.

Coronavírus: Generali amplia uso de PC alugado da Simpress por home office

Seguradora decidiu dobrar a quantidade de equipamentos contratados por outsourcing para manter o funcionamento dos negócios. CEO da Simpress, Vittorio Danesi, diz que, em sete dias, foram alocados mais de três mil notebooks em distintos clientes.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G