Pesquisa global mostra que o segmento financeiro é o mais confiável para o compartilhamento de dados pessoais para 46% dos entrevistados.

" /> Serasa Experian: empresas vão investir mais em tecnologia por dados pessoais - Convergência Digital - Gestão
GESTÃO

Serasa Experian: empresas vão investir mais em tecnologia por dados pessoais

Por Fernanda Ângelo e Ana Paula Lobo ... 12/06/2019 ... Convergência Digital

As instituições financeiras são as que mais inspiram confiança nos consumidores digitais no Brasil. Este é um dos resultados apontados pela pesquisa Global Identity and Fraud Report, divulgada nesta quarta-feira (12/06) pela Serasa Experian, durante o CIAB Febraban 2019.

De acordo com o levantamento, o segmento de bancos e seguradoras foi citado como o mais confiável para o compartilhamento de dados pessoais por 46% dos entrevistados.  Em segundo lugar, surgem os provedores de meios de pagamento (25%), seguidos pelos provedores de tecnologia (10%).  A pesquisa ouviu 10 mil consumidores e mil empresas em 21 países para identificar o cenário de prevenção a fraude em relação a transações digitais.

A liderança das instituições financeiras se repete no comportamento global, sendo que nos Estados Unidos esse índice foi de 42%, e atingiu o maior percentual (54%) na Colômbia. “O investimento em inovação, redução de riscos e fraudes e o uso transparente e inteligente de informações são referenciais valiosos para alavancar o poder dos dados, o que gera confiança e entrega de experiências cada vez mais relevantes”, disse o diretor de Prevenção a Fraude da Serasa Experian, Eduardo Castro.

E as empresas planejam aumentar os investimentos em tecnologias para garantir o conforto do consumidor durante o uso de seus serviços. Castro afirma que 50% das companhias ouvidas planejam ampliar os investimentos destinados a transparência e prevenção a fraudes.

"As empresas sempre trabalharam com as fraudes mais clássicas, como roubo de documentos, de cartões de crédito, boletos falsos. Agora elas precisam lidar com fraudes mais complexas, e isso exige novos investimentos", afirmou Castro.

O termômetro da confiança

O levantamento também avaliou como o consumidor lida em relação à coleta, uso e armazenamento de seus dados pessoais por parte das empresas. Nesse contexto, o setor financeiro novamente ficou em evidência, com 32% dos brasileiros afirmando que “confiam totalmente” nas instituições financeiras. O mesmo percentual se repete para meios de pagamento, posicionando esses segmentos no Brasil à frente dos demais países.

No cenário global, o nível de confiança nas instituições financeiras chega a ser três vezes maior do que em lojas de varejo online (sites e aplicativos). No Brasil, a diferença chega a 19 pontos percentuais (2,5 vezes maior).“Isso mostra que o investimento robusto em TI e em recursos visíveis de segurança destinados pelo setor financeiro nos últimos anos, a fim de ampliar a proteção de operações e informações pessoais contra fraudes, tiveram reflexo direto e positivo na visão dos consumidores”, destacou Eduardo Castro, exemplificando com a declaração do Imposto de Renda, em que o usuário precisa colocar senha e recebe mensagem de que o arquivo transferido é criptografado.

Segundo o levantamento, os maiores aumentos no nível de confiança, nos últimos 12 meses, também foram nesses segmentos: 33% para bancos e seguradoras e 30% para provedores de meios de pagamento.  À CDTV, do Convergência Digital, Eduardo Castro falou sobre o resultado da pesquisa e do impacto da privacidade dos dados. Assistam.


Teletrabalho: Brasil somou 8,7 milhões de trabalhadores em home office em junho

Estudo do IPEA mostra que o índice da adesão ao home office no serviço público é mais de três vezes a proporção do setor privado. Em junho, 24,7% dos trabalhadores do setor público exerciam atividade remota, mas, no setor privado, eram apenas 8%.

TCU dispensa papel e adota protocolo 100% digital

Documentos a serem protocolados junto ao Tribunal de Contas da união, para qualquer finaldiade, agora devem ser encaminhados, exclusivamente, por meio dos serviços via internet. 

Trabalho remoto reduziu R$ 466 milhões em despesas de custeio do governo

Levantamento divulgado nesta segunda, 3/8, pelo Ministério da Economia, lista deslocamentos e viagens, além dos serviços de energia elétrica e comunicação como principais cortes com a pandemia de Covid-19.

Gov.br completa um ano com 72 milhões de cadastros

Em doze meses de funcionamento do portal único do Governo, serviços digitalizados somam 65 milhões de solicitações. Até agora a iniciativa conta com apenas 50 istes do governo. A meta é unir os 1,5 mil existentes.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G