SEGURANÇA

Microsoft apaga base de dados com 10 milhões de fotos usadas para treinar reconhecimento facial

Convergência Digital ... 07/06/2019 ... Convergência Digital

A Microsoft apagou uma base de dados com 10 milhões de fotos de 100 mil pessoas de todo o mundo que estaria sendo utilizada para treinar sistemas de reconhecimento facial. Trata-se da MS Celeb, desenvolvida em 2016 para ser um repositório de imagens de celebridades, mas esse é um conceito que se mostrou flexível. 

Segundo o pesquisador americano radicado em Berlim Adam Harvey, um dos responsáveis pelo projeto Megapixels, celebridades para essa base de dados podem ser “jornalistas, artistas, músicos, ativistas, criadores de políticas, escritores e acadêmicos”.  Ele também alerta que apesar do movimento da Microsoft, parte do material ainda pode ser acessado pelo Github.

Na prática o MS Celeb é a terceira base de dados de fotografias retiradas da internet – ou quase – a partir da divulgação de suas existências no Megapixels. Primeiro foram a ‘Brainwash’,  de um café na cidade de San Francisco, e a Duke MTMC [de Multi-Target, Multi-Camera], o sistema de câmeras de vigilância da Univesidade de Duke, em Durham, ambas nos Estados Unidos. 

O projeto Megapixels se propõe a investigar as implicações éticas e os efeitos sobre a privacidade individual de bancos de dados utilizados por sistemas de reconhecimento facial e como tudo isso alimenta o uso crescente de tecnologias de vigilância com uso de dados biométricos. 

As informações da Megapixels sobre a MS Celeb foram primeiro divulgadas pelo jornal britânico Financial Times e ganharam o mundo. Não por menos, a Microsoft tirou a página do ar, sem alarde. Assim como outras bases de dados – algumas identificadas pelo projeto, mas ainda ativas – esses repositórios alimentam sistemas de aprendizado de máquina em reconhecimento facial e foram usadas, pelo menos, por duas empresas SenseTime e Megvii. 


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

Clonagem do WhatsApp já atingiu 8,5 milhões de brasileiros

Segundo pesquisa realizada pela PSafe, essa modalidade de golpe faz 23 novas vítimas todos os dias no Brasil. Quase 30% dos entrevistados colocaram o vazamento das conversas como o principal prejuízo da clonagem.

Segurança cibernética: WannaCry ainda é um perigo real no Brasil

Dados da Fortinet mostram que o País sofreu 15 bilhões de tentativas de ataques cibernéticos entre março e junho e boa parte deles foi para a plataforma Windows, vulnerável à falta de atualização./p>

Custo médio de uma violação de dados é de R$ 5,4 milhões no Brasil

Empresas brasileiras levam em, média, 250 dias para identificar a violação dos dados. De acordo com o diretor de Cibersecurity da IBM, João Rocha, as organizações enfrentaram a perda ou o roubo de mais de 11,7 bilhões de registros nos últimos três anos. Ataques maliciosos custam mais do que as violações por falhas humanas.

Em maio, Brasil teve mais de 140 milhões de ameaças disseminadas por e-mail

País fica no top 3 do ranking mundial, perdendo apenas para os Estados Unidos e a China, revela estudo feito pela Trend Micro.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G