Home - Convergência Digital

Indústria de Informática corta empregos e fica mais concentrada

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 06/06/2019

A Pesquisa Industrial Anual, divulgada nesta quinta-feira, 6/6, pelo IBGE, aponta para um cenário de perda generalizada de empregos no setor fabril, em movimento ainda mais agudo no segmento específico de fabricação de produtos de informática, eletrônicos e ópticos. 

Entre 2008 e 2017, enquanto a indústria em geral perdeu 145 mil postos de trabalho, ou 2,4% do total, os cortes no setor de informática, eletrônicos e ópticos foi de 22,4%, no segundo pior impacto negativo do período analisado pelo IBGE, perdendo apenas para a fabricação de coque, derivados do petróleo e biocombustíveis, na qual o recuo chegou a 32,9%. 

De certa forma, a base de comparação não conta toda a tragédia do setor produtivo brasileiro. Isso porque o ano de 2008 foi o começo de um crescimento acentuado – naquele ano eram 7,84 milhões de trabalhadores industriais, contra os 7,69 milhões registrados em 2017. No caminho, no entanto, os postos de trabalho foram crescendo até 2013, quando chegaram a 9,02 milhões. 

Parte do motivo de fortes demissões no segmento de equipamentos de informática, eletrônicos e ópticos pode estar em outro número trazido pela pesquisa do IBGE. Esse setor foi o que registrou o maior índice de concentração na década analisada, passando de 33,9% para 49,1%, na avaliação da fatia de mercado detida pelas oito maiores empresas do segmento.

Ou, como explica o Instituto ao analisar os números da PIA, “nesse período, a principal mudança estrutural na concentração foi verificada na atividade de fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos, em que as oito maiores empresas passaram a representar metade da produção do setor”. 

No entanto, o setor aparece com destaque na avaliação do IBGE dos produtos e serviços industriais que mais ganharam posições no ranking a partir do valor de venda. Para fazer esse ranking, o Instituto analisa 3,4 mil produtos e serviços e separa os 100 com maior valor de venda – que juntos representam 52% do total.

No caso, o IBGE destaca as “peças e acessórios para máquinas para processamento de dados” como o segundo principal avanço (atrás de medicamentos), que ganharam 50 posições entre 2016 e 2017, e o valor de venda passando de R$ 2,8 bilhões para R$ 4,8 bilhões nesse período. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

14/02/2020
Motorola e Samsung param de fabricar celulares no Brasil por falta de componentes da China

13/02/2020
Desenvolvimento de software e Internet impulsionaram setor de serviços

09/12/2019
Indústria 4.0 aumenta produtividade das PMEs em 22% no Brasil

13/11/2019
Varejo cresce, menos para informática e comunicações

12/11/2019
Telecom em queda, TI em alta mexem no desempenho geral dos serviços

08/11/2019
Brasil monta centro para dados, IoT e industria 4.0 com Fórum Econômico Mundial

14/10/2019
Smartphone, vídeo online e aplicativos mudam cálculo da inflação no Brasil

11/10/2019
Tecnologia da informação evita tombo maior do setor de serviços

12/09/2019
TI puxa a média geral do setor de Serviços, diz IBGE

03/09/2019
Equipamentos de telecom puxam indústria para baixo, indica IBGE

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A urgência de cultivar talentos para TIC no Brasil e no mundo

Por Breno Santos*

A transformação digital ainda é um desafio para muitas empresas no Brasil e a aplicação estratégica das novas soluções deve acontecer por meio de equipamentos e mão de obra qualificada.

Destaques
Destaques

Faltam profissionais para cuidar dos ataques cibernéticos no Brasil

Ao publicar a Estratégia Nacional de Segurança da Informação, a e-ciber, o governo admite que o País possui poucos profissionais especializados em segurança cibernética; que há uma baixa conscientização dos usuários com relação ao tema e que é preciso urgente criar um programa nacional destinado à formação técnica nos órgãos do governo e nas empresas privadas.

TI e Internet lideram 13 dos 15 cargos profissionais em alta no Brasil

Levantamento feito pelo Linkedin mostra que gestor de redes sociais, engenheiro de cibersegurança, cientistas de dados e desenvolvedores seguem tendo alta demanda no mercado.

Déficit de mão de obra na América Latina será de 570 mil profissionais em 2020

Empresas da região vão investir nas tecnologias da terceira plataforma - cloud, analytics, Inteligência Artificial - e vão requisitar cada vez mais especialistas em programação e desenvolvimento, projeta estudo da IDC América Latina.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site