TELECOM

Oi e Claro afirmam que Brasil não deve aderir à guerra dos EUA contra a Huawei

Luís Osvaldo Grossmann ... 21/05/2019 ... Convergência Digital

Na guerra comercial pela supremacia no 5G, o Brasil precisa pensar nos seus interesses e não aderir ao bloqueio americano aos equipamentos de rede chineses, que miram especialmente a Huawei. Como defenderam os presidentes da Claro, José Félix, e da Oi, Eurico Teles, ao participarem de debate no Painel Telebrasil 2019 nesta terça, 21/5, o setor de telecom no país viveria um “inferno” se o governo brasileiro decidir adotar mais esse alinhamento à politica dos Estados Unidos.

“Vou ser muito claro, acho inimaginável para um país pobre como o nosso, onde se fez investimento com tanta dificuldade, e ainda tanto tem para fazer, que se pense em substituição de rede de um fabricante importante e de ponta no negócio de tecnologia no mundo. Essa não é uma conversa para nós. Isso é para os Estados Unidos, para o Reino Unido, para o Japão. Deixa eles lá e nós ficamos quietos aqui”, disparou o presidente da Claro.

“O importante é atender bem os clientes. Não acreditamos que tenha uma decisão de governo, até pelos investimentos já feitos com a Huawei. Além disso iríamos privar uma população muito grande. Tecnologia não tem pátria. Não deve ter impedimento para isso”, emendou o presidente da Oi, Eurico Teles.

Na mais recente medida dessa guerra comercial, o governo de Donald Trump decidiu incluir a Huawei na lista de empresas proibidas de adquirirem componentes tecnológicos desenvolvidos nos EUA. Antes, já decidira banir a fabricante chinesa de fornecer equipamentos de rede para o 5G no país, além de pressionar aliados a fazerem o mesmo.

Para José Félix, aderir ao veto teria impacto não apenas no futuro, mas nas próprias redes legadas, uma vez que a Huawei tem sido uma das fornecedoras constantes no Brasil. “A gente compra da Nokia, da Ericsson e compra da Huawei”, insistiu o executivo.

“No Brasil a gente vive o 4,5G, temos boa parte da rede já em 4,5 G e essa rede tem velocidades maiores que as redes convencionais. Portanto, já fizemos e estamos fazendo investimento. E fizemos investimento na Huawei. Então toda essa rede de 2G, 3G, 4G e 4,5G tem Huawei lá dentro. Seria um verdadeiro inferno para os operadores se o governo resolvesse adotar qualquer ideia de mexer nisso. O Brasil vai se meter nisso? Não faz o menor sentido”, completou o executivo.


Internet Móvel 3G 4G
Qualcomm é multada em mais de R$ 1 bilhão por prática antitruste na Europa

“O comportamento estratégico da Qualcomm impediu a competição e a inovação no mercado”, afirmou a comissária de concorrência da União Europeia, Margrethe Vestager, ao justificar a aplicação da multa. A Qualcomm vai recorrer da decisão.

Veja edição 12 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 12
Especial 20 Anos de Internet no Brasil


Há 20 anos os provedores de Internet escrevem suas histórias no País. A trajetória não foi nada fácil. Houve decisões políticas e econômicas significativas. Infraestrutura, modelo de negócios e fidelização de clientes foram relevantes no passado e continuam sendo no presente. Ao longo de duas décadas, os ISPs tiveram de se reinventar diversas vezes para não deixar de existir.

Clique aqui para ver outras edições

Começa a valer cadastro que bloqueia telemarketing das teles

A partir deste 16/7, será possível inscrever números no cadastro ‘Não Me Perturbe’. Promessa da Anatel é que em 30 dias os inscritos não receberão mais chamadas promocionais das operadoras de telecom.

Imposto zero para IoT está na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara

Deputado Federal, Paulo Ganime (Novo/RJ), diz que o projeto de Lei 7656/2017, corrige uma distorção - a cobrança de FISTEL para os dispositivos IoT.

Governo autoriza aumento de capital da Telebras de R$ 1,17 bilhão

Montante é reflexo dos aportes autorizados em 2015, 2016, 2017 e 2018, quando a estatal estava ainda em acerto financeiro do satélite geoestacionário de defesa e comunicações. 

Comissão aprova prazo de seis meses para instalação de bloqueador de celular em presídios

Relator do projeto retirou o dispositivo que condicionava as novas outorgas de telecomunicação à instalação, ao custeio e à manutenção dos bloqueadores pelas prestadoras.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G