TELECOM

Testes de 5G indicam que será preciso mitigar 6 milhões de parabólicas

Luís Osvaldo Grossmann ... 21/05/2019 ... Convergência Digital

A Anatel elegeu a faixa de 3,5 GHz como a banda pioneira para o 5G no Brasil. Mas isso exige soluções para um dilema histórico no país – o risco de interferência com as estimadas 23 milhões de antenas parabólicas que garantem recepção de TV em um terço dos lares brasileiros. Os testes, iniciados há um ano, permitem um certo otimismo para as prestadoras móveis, mas confirmam que o uso efetivo vai exigir muito trabalho.

“O caminho é bom desde que tenhamos a devida filtragem. Usando filtros melhores é perfeitamente possível, tendo antenas com mais de 1,5 metro de diâmetro, mitigar mais de 90% da interferência”, avalia o consultor de tecnologia de rede da Claro, Carlos Camardella. “Mas ainda haverá uma quantidade razoável de antenas com interferência. Será preciso exigir antenas melhores, que tenham certificação e selo da Anatel para serem vendidas no país”, reconhece.

Vale lembrar que, por diferentes objetivos, a Anatel tenta há 15 anos, sem sucesso, destinar a faixa de 3,5 GHz para as telecomunicações. E o que os testes feitos no laboratório da Claro, na Ilha do Fundão, no Rio de Janeiro, evidenciam, é que o legado das parabólicas instaladas privilegiou preço sobre o uso efetivo de filtros. Sem uso em um naco próximo do espectro, tudo bem. Mas o efetivo uso da faixa de 3,5 GHz para o 5G depende de soluções políticas e técnicas.

“No cenário atual, de 23 milhões de antenas parabólicas residenciais, 30% delas em centros urbanos, na pior das hipóteses teremos que mitigar até 6 milhões de antenas, trocar LNBFs [conversores de baixo ruído] que não possuem devidos filtros. Culpa do legado, de equipamentos sem filtros, um problema histórico, já que para ficar mais barato a indústria fez o mais simples”, indica Camardella.

Os testes demonstraram que a interferência existe, mas ela pode ser atenuada, ainda que com algum trabalho. “O que foi testado foram novas amostras de LNBFs com filtragem, mas na minha visão precisa evoluir muito. Hoje não tem como usar distância menor de 600 metros para não interferir na Banda C estendida. Se tiver 5G emitindo em 2,9 GHz já interferiria em um sistema que deveria começar em 3,6 GHz”, completa.



Revista do 62º Painel Telebrasil 2018
Veja a revista do 62º Painel Telebrasil 2018 Brasil Digital: O futuro é agora - é o tema da revista do Painel Telebrasil 2018.
Edição, com 104 páginas, consolida os debates realizados no evento, que reuniu a indústria de Telecomunicações.
Clique aqui para ver outras edições

Oi se posiciona como prestadora de serviços de TI

Tele estruturou serviços como segurança cibernética, big data e gestão integrada. "Entender as dores e as necessidades do cliente é uma obrigação", afirma Rodrigo Shimizu, diretor de Marketing do Corporativo da Oi.

"Estamos comprometidos com o futuro do Brasil", diz CEO da Telefónica

Em reunião geral dos acionistas, realizada em Madrid, o presidente do conselho e CEO da Telefónica José María Álvarez-Pallete, afirmou que o Brasil é um dos países que mais vai crescer no mundo com a revolução digital.

Câmara proíbe teles de enviarem mensagens comerciais a clientes

Projeto de Lei 757/03 altera a LGT para vedar o envio de mensagens comerciais próprias ou de terceiros para os celulares dos clientes da telefonia móvel. Terminativo na CCJ, PL segue direto ao Senado. 

Novo projeto de lei prevê cobertura celular obrigatória de 60% das estradas

PL 1721/19 prevê inclusão da medida nas futuras licitações da Anatel. Texto precisa passar pelas comissões de ciência e tecnologia, finanças e tributação e de constituição e justiça. 




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G