Clicky

Convergência Digital - Home

Apenas um em quatro executivos de TI no Brasil conhece ou planeja adotar computação em memória

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 15/05/2019

Durante apresentação feita no Intel Day, realizado nesta terça-feira, 14/05, em São Paulo, o gerente de Consultoria e Pesquisa da IDC Brasil, Pietro Delai,  afirmou que apenas um em quatro executivos de TI no Brasil conhece ou planeja adotar soluções de In-Memory Computing. Segundo o especialista da IDC, as  empresas que já estão em sérios déficits de capacidade para as necessidades atuais de respostas ágeis e precisas para o cliente terão um um desafio muito maior por estarem distante desse novo momento de tratamento de dados.

Segundo a IDC, o cenário da transformação digital é desafiador, uma vez que o que o serviço pode ser 24 horas por dia a partir de vários canais de  acesso para o cliente. Isso torna necessário, de forma constante, consolidar e analisar uma quantidade esmagadora de informações. E, observa Delai, ainda assim, a  resposta do cliente pode chegar tarde demais se uma pergunta sobre o preço não for respondida no momento da interação. "É um cenário desafiador porque as empresas vão ter de investir em infraestrutura e em pessoal para fidelizar e atender esse consumidor exigente", pontua.

Ainda de acordo com a IDC Brasil, 15,3% das médias e grandes empresas brasileiras consideram a inteligência artificial dentro de suas principais iniciativas de TI, e se espera que este número quadruplique nos próximos quatro anos, uma vez que a inteligência artificial e machine learning participam na personalização da oferta para o cliente. Nesse cenário, sustenta a consultoria, a tecnologia baseada em In-Memory será crucial para evitar a latência como um produto do volume de transações em vários aplicativos corporativos.

Um exemplo claro na transformação digital de negócios, acrescenta ainda a IDC Brasil, a adoção de novas tecnologias que otimizam processos e se tornam novas fontes de dados, como a Internet das Coisas (IoT). Em 2013, IoT gerou 2% dos dados criados pelas empresas; para 2020, espera-se que  o  valor  atinja  10%a  nível  mundial. "As organizações terão de ter a velocidade de processamento para transformar esses dados em informações valiosas, precisas e oportunas", ressalta o diretor da IDC Brasil.

Na prática, o volume médio de dados que empresas se viram obrigadas a gerenciar cresceu 569% em 2018, segundo o Dell EMC Global Data Protection Index, quando comparado a 2016. A estimativa mais otimista dá conta de que as organizações, nos próximos três anos, não terão mais como prever o volume de dados que elas precisarão gerenciar e proteger.

As soluções, neste sentido, precisam - inerentemente - oferecer um novo nível de flexibilidade e escalabilidade, que advém da tecnologia de computação em memória, ou In-Memory Computing. Dados de mercado informam que o mercado de In-Memory computing ficou em US$ 8.99 bilhões no ano passado e deverá chegar a US$ 31.06 bilhões até 2026, em função da explosão dos dados armazenados pelas companhias.




Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Diversidade e Ciência de Dados: um desafio ao Brasil

Mais mulheres precisam ocupar carreiras em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática pelo bem do País, incentiva a embaixadora da Women in Data Science da USP (WiDS @USP), Renata Sousa.

Destaques
Destaques

Palo Alto: É um erro enorme repetir o passado e não tornar a nuvem aberta de verdade

"A nuvem tem de ser aberta, multicloud e não ter complexidade para os sistemas se falarem. Fizemos isso lá trás e foi um prejuízo. Não podemos errar porque nuvem é crucial no 5G", adverte Marcos Oliveira, diretor geral da Palo Alto Networks no Brasil. A empresa aposta suas fichas no 5G e num novo desenho para o mercado de segurança de redes.

Nuvem exige plano A, plano B e erra quem não faz recuperação de desastre

A nuvem não é proteção por si só e exige muito planejamento das empresas, afirmam especialistas de segurança da informação. Para o CISO da RNP, Emilio Nakamura, contingência e resiliência são obrigações. "Ser rápido num incidente é o relevante porque não existem sistemas 100% seguros".



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site