Convergência Digital - Home

SAP: X-Data e O-Data, combinadas à IA, vão fazer a diferença na nuvem

Convergência Digital
Por Roberta Prescott* - 10/05/2019

Experiência do cliente. Este foi o tema-chave que norteou as apresentações, coletivas de imprensa e lançamentos na edição deste ano do Sapphire Now, evento que reuniu cerca de 30 mil pessoas, de 7 a 9 de maio em Orlando (EUA). Para entender a ênfase no tema é preciso voltar uns meses: em novembro do ano passado, a SAP anunciou a aquisição por US$ 8 bilhões da Qualtrics, fundada em 2002 por Scott M. Smith, Ryan Smith, Jared Smith e Stuart Orgill e especializada no gerenciamento da experiência. Em janeiro último, a compra foi concluída e, nesta semana, Ryan e Jared Smith, palestravam no Sapphire.

Seja ao detalhar os desdobramentos do SAP Hana, uma ferramenta analítica, in-memory e de alto desempenho disponível no mercado desde 2011, ou anunciar o foco e roadmap de lançamentos nas soluções em nuvem, os executivos da SAP ressaltavam que a empresa inteligente está baseada na economia da experiência. Termos e conceitos também foram introduzidos e reforçados em diversas interações com o público.

O que mais se escutou foi X-data (dados vindo da experiência) e O-data (dados operacionais). De forma simplista, O-data é extraído dos sistemas da SAP, são dados estruturados, tangíveis ou não, de vendas, finanças, recursos humanos, entre outros. Já o X-data implica um fator humano, aponta a experiência obtida, as emoções, os sentimentos; é o feedback que aponta a diferença entre o que a empresa acredita que está acontecendo do que realmente está se passando.

Tonatiuh Barradas, líder de plataforma e tecnologias da SAP LAC, traduziu como as tendências estão impactando os produtos da companhia. "Tipicamente, as organizações, quando falam em maximizar o entendimento e manuseio de dados, tocam todas as fontes de dados e as levam para uma estrutura que consolida tudo, o data lake. Estamos enxergando um estratégia de 'connect and not collect', de conectar sem coletar. Esta é a nossa visão, porque isto tem processo de mitigar o risco, levar operação que tem de continuar existindo para uma outra estrutura, preservando o legado, ao mesmo tempo em que cria mecanismo que orquestra o dado na fonte", detalhou.

Esta arquitetura, que conta com inteligência artificial embebida, mescla X-data e O-data de modo que as empresas possam ter uma análise mais ampla. "A combinação de dados estruturados e não-estruturados leva a uma organização dirigida por dados. "Estamos extremamente animados com as oportunidades que estão vindo, visualizando as soluções que fomos adquirindo", disse a líder da SAP no Brasil, Cristina Palmaka. "Com a associação de X e O, a empresa consegue juntar os pontos de forma única e oportunidades começam a abrir para os clientes de todos os tamanhos", completou.

Para a executiva, as empresas mudaram a maneira de comprar tecnologia e querem ciclos mais rápidos de implementação, inclusive de ERP. "Qualtrics é de muito fácil adoção, as oportunidades são enormes", disse, acrescentando que as companhias podem fazer o projeto por partes e ir testando a tecnologia. "Estamos chegando ao momento da economia da experiência e estamos dando significado ao que fazer com o dado", ressaltou, em uma clara referência à temática do evento e ao discurso que se traçou durante todo Sapphire.

Outro ponto levantado por Palmaka — e que se mostra uma grande oportunidade de mercado para a SAP — é que para as soluções Qualtrics o tamanho da empresa é o menos relevante." Para o projeto ter razão de existir tem de ter quantidade de dados para poder coletar, porque isto vai dar a base para aplicação do Qualtrics", disse. Outra vertente que se enxerga na economia da experiência é o campo profissional que surge para lidar com isto.

Cristina Palmaka acredita em uma composição variada de profissões e uma área com pessoas do marketing, de negócio, de experiência com o cliente, de dados. "Alguém tem de olhar para este universo rico de informação que vai sair. Talvez seja uma única área, talvez não, o mais importante é ter uma só base", disse, ao explicar que os X-datas têm capacidade de explicar os porquês dos acontecimentos e dos resultados e para isto requerem pessoas qualificadas para lidar com isto. "Com dados operacionais, você sabe quantas pessoas, por exemplo, abandonaram um carrinho de compras no e-commerce. Com X-data, você pode entender o porquê e trabalhar nisto." Falando em números, a líder da SAP no Brasil apontou que o mercado para as soluções de experiência com o cliente (na SAP, o C/4HANA) está estimado em US$ 60 bilhões, enquanto que o de ERP, em US$ 30 bilhões.

 Nuvem em primeiro lugar

"SAP coloca nuvem em primeiro lugar", ressaltou Hasso Plattner, cofundador da SAP e atual chairman do SAP Supervisory Board. No Sapphire Now 2019 também ficou claro que a SAP segue firme na jornada para nuvem e reconhece que ainda faltam objetivos a alcançar. Os resultados do primeiro trimestre da companhia — 6,8 bilhões de euros em faturamento —, anunciados em abril, mostraram que o crescimento de 6,5% a mais na comparação com o 1T18 foi impulsionado pelo segmento de cloud. De fato, Ryan Smith, CEO e cofundador da Qualtrics International, brincou, na coletiva de imprensa, que a empresa que fundou tinha, em 2011, um faturamento com soluções em nuvens maior que a gigante alemã. "Nós esperamos que o faturamento com nuvem alcance US$ 20 bilhões em 2023", disse Bill McDermott, CEO da SAP, em conversa com jornalistas.

*Roberta Prescott viajou ao Sapphire 2019 a convite da SAP Brasil


Cientista de dados vai muito além de um analista de BI

São os cientistas de dados que têm capacidade de levar milhares de variáveis em consideração para definir a melhor tomada de decisão, pontua Luiz Malere, gerente de customer advisor e inovação do SAS.

Destaques
Destaques

Metade das empresas no Brasil não confia na própria análise dos dados

Levantamento da Serasa Experian mostra ainda que 42% das companhias brasileiras admitem perder dinheiro com a má qualidade das informações. Má governança é vista como um desafio a ser superado. O mais grave: mais de 70% destão sem estratégia para superar essa etapa.

Dataprev vai comprar Inteligência Artificial e exige uso da nuvem pública

Estatal de TI não revela o montante a ser pago, mas diz que contrato será de 24 meses e inclui capacitação técnica dos funcionários, no modelo de serviços por demanda. Propostas devem ser enviadas até o dia 20 de julho.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Transformação digital exige eficiência no gerenciamento

Por Luiz Fernando Souza*

Prevenir é sempre melhor do que remediar. Essa é uma máxima que precisa ser aplicada à transformação digital, e vale quando falamos da gestão dos servidores. E as razões são simples: é menos sofrido, menos dolorido e mais barato manter uma rotina de trabalho focada na manutenção, preservando com inteligência dados e sistemas.

Jornada para a nuvem: evite as armadilhas e faça a coisa certa

Por Fábio Kuhl*

Até bem pouco tempo, a nuvem era inovação, hoje me arrisco a dizer que, em breve, uma commodity.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site