Home - Convergência Digital

Huawei traz gêmeos digitais para acelerar redes 5G

Convergência Digital - Carreira
Por Carmen Lucia Nery* - 26/04/2019

A Huawei tem utilizado conceitos de inteligência artificial, algoritmos inteligentes e digital twins, ou ‘gêmeos digitais’ na área de serviços profissionais. Com o digital twins, a operadora está capacitada a fazer simulações remotas sobre como ficaria a rede caso os componentes de cada site fossem reposicionados, o que diminui a necessidade de visitas em campo.

A fabricante também está trazendo para o Brasil, uma linha de serviços de medição de experiência do cliente, que analisa a jornada do serviço e traça o caminho da causa raiz quando o indicador dá uma queda em relação à qualidade. Os serviços foram apresentados no 5G&LTE Forum Latin América, realizado no Rio de Janeiro.

“Quando a Huawei entrega o customer experience, tentamos identificar em todo a infraestrutura, o que está afetando aquele indicador. Agora estamos trabalhando com soluções modulares”, afirmou Amanda Lopes, gerente de desenvolvimento de negócios da Huawei.

A primeira operadora no mundo a adotar a solução foi a sul-coreana LG Uplus, nos 10 mil sites da sua rede 5G, que foram instalados ao longo de apenas seis meses – média de 60 sites por dia. “No planejamento, utilizamos as bases de dados do 4G e cruzamos valores como onde estão as células de maior tráfego, os usuários de maior ARPU (rentabilidade por usuário), as áreas de cobertura boas e ruins e o throughput (velocidade de dados). A partir daí, se estabelecem os hot spots. Essas informações permitem retornos mais rápido”, explica Amanda Lopes.

Após o planejamento vem a parte de roll out, que é a implementação dos sites, no qual o gêmeo digital garante eficiência. A empresa faz uma gravação panorâmica do ambiente onde será instalado o site e usa um modelo de medição no mundo virtual patenteado.

“Crio tanto site quanto a sala de equipamentos indoor e faço um estudo digital indo apenas uma vez ao local e não precisando ficar voltando para medir entre um gabinete e outro. Consigo fazer a medição no digital. Se a antena está de visada para a frente e surge um prédio novo eu consigo, digitalmente, desenhar esse prédio e remodelar o site e predizer o tráfego”, acrescenta a gerente de negócios da Huawei.

Para a operação de sites 5G, a Huawei adota técnicas de machine learning para sair do mundo manual para um mundo autônomo. Hoje vigora um modelo híbrido, mas, no futuro, a operação será cada vez mais autônoma. Atualmente, a consolidação de alarmes para análise da causa raiz do problema e o despacho do técnico já são automáticos.

“Dependendo do problema, se não puder ser resolvido por meio de um comando, já despacho a ordem de serviço para um técnico que esteja num veículo mais próximo. Ele aceita a ordem e recebe todo o procedimento. O que for reparo físico ainda é feito manualmente. Mas há muitos comandos que podem ser automatizados como limpar um disco cheio. O futuro será a operação autônoma especialmente quando o 5G entrar, por ser todo em cloud”, acrescenta Amanda Lopes.

Para exemplificar, a executiva contou que a Huawei desenvolveu um projeto para uma operadora que liga o provedor de game e o provedor de aceleração de game - outro OTT que não tem acesso à rede móvel- para permitir elevar a qualidade do serviço quando o jogo está com performance ruim. Amanda Lopes também apresentou o case demonstrado no Mobile World Congress, realizado em fevereiro, em Barcelona, do assistente virtual com ponto eletrônico, direcionado para atendentes de loja fazerem um atendimento mais preciso aos clientes. O Bot acessa na plataforma o histórico de reclamações ou de compras do cliente, entende o problema e deixa o atendente mais preparado para atender ao consumidor e, assim, ter a compra efetivada.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

12/06/2019
Ericsson: adoção do 5G será ainda mais rápida do que foi a do 4G

10/06/2019
Tratores autonômos são a realidade do agronegócio com o 5G

07/06/2019
GSMA: Sem os chineses, custo do 5G na Europa vai crescer US$ 62 bilhões

07/06/2019
Brasil não vai barrar Huawei, diz vice-presidente Hamilton Mourão

06/06/2019
Google Brasil endossa que Huawei não respeita política de privacidade

06/06/2019
Bloqueada nos EUA, Huawei anuncia acordo com a Rússia para 5G

06/06/2019
5G será o último 'G', decreta Vodafone

06/06/2019
Ao Procon, Google diz que Huawei só atualiza Android até 19 de agosto. Fabricante assegura serviços

03/06/2019
5G é trunfo da Amazon na sua disputa com a Microsoft

31/05/2019
Dell perde receita e reclama da pressão de Trump sobre empresas chinesas

Destaques
Destaques

Para injetar R$ 200 bilhões na economia, IoT tem de ficar livre das amarras tributárias

Relator da proposta de tributo zero para Internet das Coisas, deputado Eduardo Cury, do PSDB/SP, disse que o setor precisa municiar o Parlamento com dados para convencer à Casa a conceder a desoneração.

5G exige muito espectro para entregar tudo que se espera da tecnologia

Anatel, indústria e teles sustentam que a nova onda tecnológica só vai atender as demandas esperadas se tiver frequência suficiente para melhorar os serviços.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

O potencial pouco explorado da Internet das Coisas

Por Daniel Kriger*

A grande mudança que a Internet das Coisas (IoT – Internet of Things) trará para a vida das pessoas está além da facilidade de se preparar um café, programar um banho quente ou economizar na conta de luz. Dar conectividade a objetos e abrir espaço para comandos inteligentes em inúmeras tarefas do dia a dia é um dos principais propósitos de IoT. Mas não é só isso.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site