TELECOM

Decreto com metas de 4G não pode ser cumprido em um terço das cidades

Luís Osvaldo Grossmann ... 23/04/2019 ... Convergência Digital

As novas metas de universalização da telefonia, aprovadas no apagar das luzes do governo Michel Temer, em 20 de dezembro, determinam a instalação de antenas 4G em 1.473 localidades do país. Mas além de ter incluído 259 cidades onde essas antenas já existem, o Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações incluiu várias onde as estações radio-base são inviáveis, pois não há rede para escoar o tráfego de dados.

“Dentre as 1.473 localidades sem tecnologia 4G identificadas como passíveis de atendimento, distribuídas em 1.048 municípios brasileiros, aproximadamente em 300 desses municípios não existe disponibilidade de infraestrutura de transporte (backhaul) na tecnologia de fibra ótica”, diz ofício da Anatel ao MCTIC onde o presidente da agência, Leonardo de Morais, sugere que o Decreto seja revisto.

Como explica o mesmo documento, “considerando que o art. 21 do PGMU IV prevê que o cumprimento da referida meta deve ocorrer por meio da implantação de uma estação rádio base em cada localidade, forçoso reconhecer que esses municípios não contam com a capacidade de escoamento de tráfego necessária para o adequado funcionamento das redes na tecnologia proposta”.

A Anatel já indicava, desde a publicação do novo PGMU, não ser favorável a misturar tecnologia sem fio nas metas de universalização da telefonia fixa. O próprio Morais descreveu a medida como um “puxadinho”. Nesta terça, 23/4, ao voltar ao tema durante reunião no Senado, sustentou que os investimentos em backhaul devem anteceder o acesso.

“O Decreto do PGMU orienta investimentos na rede de acesso quando nosso maior gargalo são investimentos de transporte. A implantação de toda rede de acesso deve ser precedida da rede de transporte. É como ter uma torneira muito bonita sem a estrutura hidráulica para escoar a água”, afirmou.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

PGR:Lei de Santa Catarina que proíbe cobrança de valor adicionado é inconstitucional

“Lei estadual que proíbe a oferta e a cobrança de serviços de valor adicionado pelas prestadoras de serviços de telecomunicações é inconstitucional por usurpação da competência material e legislativa da União”, sustenta o procurador-geral da Repúublica interino, Alcides Martins.

TJ-RJ mantém condenação da Oi em R$ 200 milhões por contrato na área de games

Por não enxergar nulidade no laudo pericial que atestou as perdas e danos sofridas pelo rompimento do contrato de prestação de serviços de jogos eletrônicos, a 20ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, negou o agravo da operadora.

Força-tarefa da Anatel interrompe 25 emissoras clandestinas em São Paulo

Operação estava interferindo no controle de tráfego aéreo do aeroporto de Guarulhos. Também foram desmantelados 20 pontos onde a energia elétrica que alimentava os equipamentos de transmissão era furtada, com apreensão de cerca de uma tonelada de cabos de energia, em conjunto com a distribuidora local.

Prazo para questionar serviço não contratado de telefonia é dez anos

Superior Tribunal de Justiça entendeu que se aplica o artigo 205 do Código Civil. Seguindo o voto do relator, ministro Og Fernandes, a Corte aplicou ao caso o entendimento que resultou na Súmula 412 para as tarifas de água e esgoto.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G