TELECOM

Pontes: É preciso construir consenso sobre novo marco legal de telecom

Luís Osvaldo Grossmann ... 28/03/2019 ... Convergência Digital

Depois de reuniões com o presidente do Senado, com o presidente da comissão de Ciência e Tecnologia e, agora, com a relatora do projeto de lei que altera o marco legal das telecomunicações, o ministro Marcos Pontes revelou que será preciso voltar à Casa em busca de consenso para a votação do PLC 79/16.

“Estive com a relatora [a senadora Daniella Ribeiro, PP-PB] e ela é extremamente sensata, inteligente, no sentido de estudar direitinho o projeto. É um programa bom para o país, mas tem que ficar no consenso. Preciso vir ao Senado para falar do PLC”, afirmou o ministro nesta quinta, 28/3, depois de participar de audiência conjunta nas comissões de C&T e de relações exteriores.

Pontes insistiu no “consenso” por defender que o projeto seja aprovado como saiu da Câmara, pois alterações no Senado obrigam nova deliberação pelos deputados. “Existe a necessidade de aprovar sem alterações para que ele não volte para a Câmara”, frisou.

 “O texto está num ponto muito bom. E a gente precisa explicar cada um desses itens para que todos entendam e tenha o consenso para poder passar de uma maneira eficiente. As dúvidas que a senadora tinha o setor técnico explicou. E essas conversas vão continuar e tudo vai ficar esclarecido e resolvido”, revelou o ministro.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

PGR:Lei de Santa Catarina que proíbe cobrança de valor adicionado é inconstitucional

“Lei estadual que proíbe a oferta e a cobrança de serviços de valor adicionado pelas prestadoras de serviços de telecomunicações é inconstitucional por usurpação da competência material e legislativa da União”, sustenta o procurador-geral da Repúublica interino, Alcides Martins.

TJ-RJ mantém condenação da Oi em R$ 200 milhões por contrato na área de games

Por não enxergar nulidade no laudo pericial que atestou as perdas e danos sofridas pelo rompimento do contrato de prestação de serviços de jogos eletrônicos, a 20ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, negou o agravo da operadora.

Força-tarefa da Anatel interrompe 25 emissoras clandestinas em São Paulo

Operação estava interferindo no controle de tráfego aéreo do aeroporto de Guarulhos. Também foram desmantelados 20 pontos onde a energia elétrica que alimentava os equipamentos de transmissão era furtada, com apreensão de cerca de uma tonelada de cabos de energia, em conjunto com a distribuidora local.

Prazo para questionar serviço não contratado de telefonia é dez anos

Superior Tribunal de Justiça entendeu que se aplica o artigo 205 do Código Civil. Seguindo o voto do relator, ministro Og Fernandes, a Corte aplicou ao caso o entendimento que resultou na Súmula 412 para as tarifas de água e esgoto.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G