Convergência Digital - Home

Mais que frequência, 5G exige muita fibra e muita nuvem

Convergência Digital
Ana Paula Lobo* - 01/03/2019

As operadoras brasileiras podem brigar por mais frequência para ter o 5G - o leilão da faixa está previsto para março de 2020 e a expectativa é que cada uma das quatro, se participarem, devem ficar com 50 Mhz a 80 Mhz, com as faixas de 3,5GHz (200 Mhz em leilão) e 100 Mhz na faixa de 3,3GHz - mas o que elas precisam fazer, e já, é investir muito em fibra óptica e em cloud computing, com vitualização, redes definidas por software e edge computing.

"O valor investido agora pelas operadoras é essencial. Infraestrutura é a base do 5G. Capacidade é o nome do jogo para vender as latência, que será de onde as operadoras vão tirar a rentabilidade. A expectativa é que o ARPU com o 5g cresça entre 10% a 20%. Espectro é relevante, mas sem fibra, sem nuvem, o preço do 5G fica proibitivo", afirmou o diretor-executivo de Business Network Consulting da Huawei América Latina,  Guillermo Solomon, em entrevista a jornalistas brasileiros durante o Mobile World Congress, realizado de 25 a 28 de fevereiro, em Barcelona, na Espanha.

Indagado se o espectro que será destinado para as teles brasileiras no 5G com o leilão previsto para marco de 2020, o executivo disse que sim, pelo menos, para uma oferta inicial do serviço que terá como prioridade a banda larga móvel fixa. "Espectro quanto mais melhor, mas é possível, sim, começar a ter o 5G com 50 Mhz ou pouco mais", reiterou. Em entrevista ao portal Convergência Digital, Guillermo Solomon, insistiu: 5G exige uma nova operadora de telecomunicações.

*Ana Paula Lobo viajou a Barcelona a convite da Huawei Brasil


LEIA TAMBÉM:
Recrutadores e a dura tarefa de contratar cientistas de dados

O maior gargalo é encontrar profissionais adequados às demandas das empresas e o Brasil, hoje, é um exportador de talentos para outros países.

Destaques
Destaques

Metade das empresas no Brasil não confia na própria análise dos dados

Levantamento da Serasa Experian mostra ainda que 42% das companhias brasileiras admitem perder dinheiro com a má qualidade das informações. Má governança é vista como um desafio a ser superado. O mais grave: mais de 70% destão sem estratégia para superar essa etapa.

Dataprev vai comprar Inteligência Artificial e exige uso da nuvem pública

Estatal de TI não revela o montante a ser pago, mas diz que contrato será de 24 meses e inclui capacitação técnica dos funcionários, no modelo de serviços por demanda. Propostas devem ser enviadas até o dia 20 de julho.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Transformação digital exige eficiência no gerenciamento

Por Luiz Fernando Souza*

Prevenir é sempre melhor do que remediar. Essa é uma máxima que precisa ser aplicada à transformação digital, e vale quando falamos da gestão dos servidores. E as razões são simples: é menos sofrido, menos dolorido e mais barato manter uma rotina de trabalho focada na manutenção, preservando com inteligência dados e sistemas.

Jornada para a nuvem: evite as armadilhas e faça a coisa certa

Por Fábio Kuhl*

Até bem pouco tempo, a nuvem era inovação, hoje me arrisco a dizer que, em breve, uma commodity.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site