Clicky

Anatel: PGMU é puxadinho à espera do fim das concessões de telefonia

Luís Osvaldo Grossmann ... 19/02/2019 ... Convergência Digital

O novo governo não está seguro do que fazer com as novas metas de universalização da telefonia e, na prática, acende velas pela eliminação desse “problema” com a aprovação do projeto de lei 79/16, pelo Senado Federal. Os termos materializados no Decreto 9619/18  preveem metas de 4G, contrariando a posição da Anatel.

“O PGMU 4 estabeleceu algo novidadeiro que são metas de acesso fixo sem fio para prestação do STFC. Minha opinião é que se trata de mais um puxadinho para tentar contornar as atuais limitações do marco legal”, afirmou nesta terça feira, 19/2, o presidente da agência, Leonardo de Morais, durante debate no seminário Políticas de Telecomunicações, promovido pelo portal Teletime.

A obrigação não fez parte da proposta de PGMU que saiu da Anatel, mas foi incluída pelo MCTIC no finalzinho do governo de Michel Temer. Os termos colocados pelo Decreto obrigam as concessionárias a “implantar sistemas de acesso fixo sem fio com suporte para conexão em banda larga” em 1.473 localidades no país.

“Se o governo decidir continua com essa política pública, espero que o PLC 79/16  passe logo. Senão é um puxadinho que vai gerar mais insegurança jurídica, sobretudo no instituto da reversibilidade”, emendou o presidente da Anatel. A proposta da agência previa apenas uma forte redução no número de orelhões, mas não definia o que seria feito como compensação.

O novo MCTIC, no entanto, também desconfia da obrigação. Mas prefere apostar que essa questão será superada com a revisão do marco legal do setor. “O PGMU, por hora, fica no modelo atual. Mas com a aprovação do PLC 79/16 e havendo a migração de concessão para autorização, este PGMU tende a ser prejudicado”, sustentou o secretário de telecomunicações, Vitor Menezes.


Internet Móvel 3G 4G
Vivo lança e-Sim IoT para expansão de negócios no Brasil

Toda empresa que adquirir a solução poderá fazer a adequação do ciclo de vida dos SIM Cards, desde testes durante o processo de desenvolvimento e produção até a implantação do serviço para o cliente final. A Vivo, segundo Anatel, detém 36% de participação de mercado de M2M.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

Oi lança carteira digital via WhatsApp

Parceria com Conta Zap, serviço permite pagar contas, fazer recarga de celular, enviar e receber dinheiro. Ideia é permitir crédito por mensagens também. 

Por casa conectada, Vivo negocia opção de ser acionista minoritária na CDF

A CDF é um marketplace de solulções de assistência residencial e tecnológica e que já é parceira na oferta do Vivo Guru. Os novos serviços serão lançados em breve, mas um deles será voltado para a instalação e  configuração de dispositivos inteligentes.

Huawei: é cedo para dizer quem está dentro ou fora da rede privada do governo

“Existe uma portaria, mas os requisitos ainda não estão completamente claros”, afirma o diretor de cibersegurança da fabricante chinesa, Marcelo Motta.

Oi entra na briga pela fibra ótica em São Paulo

Companhia diz que os pilotos comercial e de rede estão acontecendo e o lançamento ao mercado será no segundo trimestre (abril a junho) para os mercados B2C e B2B. A Oi vai usar 5,2 mil Km de rede própria oriundas da compra da MetroRed e da Pegasus no passado.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G