Home - Convergência Digital

Teles vão investir US$ 47 bilhões até 2020 para atualizar infraestrutura na AL

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo* - 04/12/2018

As tecnologias e serviços móveis geraram 5% do PIB na América Latina em 2017, uma contribuição que totalizou US$ 280 bilhões em valor econômico agregado. Prevê-se que essa contribuição aumente para US$ 330 bilhões (5,2 por cento do PIB) até 2022. O ecossistema móvel da região também respondeu por cerca de 1,6 milhão de empregos em 2017 (direta e indiretamente) e contribuiu substancialmente para o financiamento do setor público, com aproximadamente US$ 36 bilhões arrecadados em 2017 via impostos gerais e taxas setoriais específicas. Os dados fazem parte do estudo "A Economia Móvel: América Latina e Caribe 2018", divulgado pela GSMA, entidade que reúne mais de 750 operadoras no mundo, em Buenos Aires, na Argentina.

O relatório diz ainda que o 4G está posicionado para superar o 3G como a tecnologia predominante na América Latina até o final de 2018. Segundo ainda a pesquisa, as redes 4G serão responsáveis pela maior parcela das conexões da região (38 por cento) até o final do ano, em comparação com apenas 8 por cento três anos antes.

Com o 4G também atingindo massa crítica em termos de cobertura (82 por cento da população), as operadoras vão investir substancialmente em atualizações de rede para suportar a aceleração do uso de smartphones e dados, definindo o caminho para a era 5G. Prevê-se que o 4G represente quase dois terços do total de conexões até 2025, quando as primeiras redes 5G da região serão implantadas nos principais mercados, como o Brasil e o México, abrangendo 8% do total de conexões na região.

"Os consumidores em toda a América Latina estão migrando rapidamente para serviços 4G, impulsionados pelo consumo de vídeo e uso de mídias sociais - e o crescimento do tráfego está exigindo investimentos significativos na rede para suportar serviços digitais novos e existentes", afirma Michael O'Hara, diretor de Marketing da GSMA. "Esperamos que as operadoras móveis da região invistam quase US$ 47 bilhões (capex) entre 2018 e 2020 em atualizações de rede antes da mudança para 5G. No entanto, o sucesso futuro dependerá fortemente de um ambiente de política flexível que encoraje o investimento contínuo da operadora em redes e, por sua vez, ofereça os benefícios da conectividade móvel de alta qualidade aos usuários finais. "

De acordo com o relatório, mais de dois terços da população da região estão conectados a uma rede móvel. Em meados de 2018, havia 442 milhões de assinantes móveis únicos na América Latina e no Caribe (68 por cento da população), número que deve crescer para 517 milhões (74 por cento) até 2025. No entanto, há uma grande variação nos níveis de penetração de assinantes; vários países - como Argentina, Chile e Uruguai - estão se aproximando da penetração total, enquanto outros, incluindo Guatemala, Honduras e Nicarágua, ainda têm bastante espaço para o crescimento futuro dos assinantes.

"Atualmente, cerca de metade da população da região está conectada à internet móvel - isso deve crescer para 65% até 2025, porém significa que ainda há trabalho a ser feito para garantir que milhões de cidadãos sejam incluídos digitalmente e se beneficiem das oportunidades sociais e econômicas provenientes de estar online", acrescenta O'Hara. "Por isso, é vital que a indústria móvel seja capaz de trabalhar em conjunto com governos e outros stakeholders para lidar com as barreiras à adoção da internet móvel, como cargas tributárias e taxas excessivas que afetam negativamente a precificação e o acesso".

O relatório "A Economia Móvel: América Latina e Caribe 2018" é de autoria da GSMA Intelligence, braço de pesquisa da GSMA. Para acessar o relatório completo e os infográficos relacionados, acesse: www.gsma.com/mobileeconomy/latam.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

12/12/2018
Reforma Tributária será votada no plenário da Câmara em 2019

12/12/2018
Provedores defendem modelo da TV Digital para resolver uso dos postes

12/12/2018
Indústria móvel pressiona por faixas de 26GHz, 40 GHz e 66-71 GHz para o 5G

12/12/2018
MCTIC mantém atribuições e herda INPI e Inmetro

12/12/2018
Para Kassab, sobras devem ficar na expansão da cobertura da TV Digital

11/12/2018
Presidente da Anatel adverte sobre o desserviço de desprestigiar a agência

11/12/2018
Pós-TACs, Anatel acena com multas como ‘obrigação de fazer’

11/12/2018
Anatel indica que banda larga móvel pode ficar com sobras da TV Digital

11/12/2018
Preocupação com parabólicas não pode excluir Brasil do 5G

11/12/2018
TIVIT admite vazamento, mas diz que não houve acesso a dados críticos da operação

Destaques
Destaques

5G exige pelo menos 100 MHz para cada operadora no Brasil

O tema preocupa a coordenação de espectro do 5G Brasil, uma vez que foram destinados 300 MHz na faixa intermediária e há quatro operadoras nacionais.

Segurança cibernética é crítica para o avanço do 5G

O tema é considerado polêmico - até em função das questões políticas que o envolvem como a briga China x EUA -, mas precisa ser debatido, observa Gustavo Correa Lima, engenheiro do CPqD.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Desvende 10 mitos sobre os cartões biométricos

Por Cassio Batoni*

Como toda nova tecnologia, os questionamentos sobre a sua segurança e e a sua confiabilidade ainda existem e são compreensíveis, mas ela veio para ficar. A impressão digital surge como a confirmação principal de que o usuário é quem diz ser.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site