SEGURANÇA

Roubo de dados e DDoS se amplificam e vão dar muita dor de cabeça às empresas

Ana Paula Lobo e Rodrigo Pahim ... 19/10/2018 ... Convergência Digital

O 5G promete um salto na qualidade e nas velocidades das conexões à internet, mas com isso também cresce o risco de ameaças cibernéticas, especialmente diante do esperado grande aumento no número de dispositivos conectados em todo o mundo.

“Vemos vários riscos de segurança no 5G. É uma banda muito maior para qualquer dispositivo conectado. Isso significa a possibilidade de transformar os dispositivos em armas para ataques muito grandes, com muita capacidade. Então as empresas precisam estar conscientes”, avalia o vice presidente para América Latina da A10, Alex Maduro.

Ele lembra que “os operadores também precisam ter em conta que as tecnologias de CGNAT não se comportam bem com muitas aplicações, por exemplo, de games e de vídeos. São questões que vão impactar a segurança e o planejamento. A capacidade cresceu muito e hoje é possível até mesmo alugar um ataque de DDoS, às vezes usados como distração para um roubo de dados”.

Para o futuro próximo, Maduro aposta que o roubo de dados continuará sendo uma dor de cabeça para as corporações, tanto pelo risco de quebra da confiança de usuários como pelas obrigações de segurança impostas por novas leis de proteção de dados pessoais, inclusive a brasileira.

“Em 2019, os ataques distribuídos continuarão relevantes, assim como roubo de dados, roubos de identidades. Quando falamos com os CTOs sobre qual a maior preocupação deles é que o nome de suas empresas não saiam na capa dos jornais como alvos de roubos de dados ou de ataques de negação de serviço. As leis de proteção de dados terão impacto porque implicam em diversas consequências para quem não cuidar dos dados dos usuários, inclusive consequências monetárias muito grandes.


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

Mais de 120 milhões de CPF de brasileiros vazaram de servidor mal configurado

O fato aconteceu em março deste ano e foi detectado pela empresa InfoArmor. O dono do servidor mal configurado não foi identificado. Os vazamentos se multiplicam no País. Só essa semana foram três: TIVIT, Sicredi e SKY.

BT Brasil defende clientes de mais de 125 mil ataques cibernéticos/mês

De acordo com o diretor geral da operadora no Brasil, Alex Inglês, em 12 meses, a companhia ‘defendeu’ cerca de 18 mil ataques DDoS de larga escala, alguns chegando a 650 gibabits. Complexidade tributária afasta investimentos em rede no Brasil, afirma ainda o executivo.

EUA voltam a acusar China de espionagem cibernética

Agência de Segurança Nacional alega que os chineses violam acordo para restringir esse tipo de ‘ataque’ firmado em 2015.

No Brasil, 20% das PMEs quebram após ataque hackers

Levantamento feito com 285 empresas mostra que boa parte pagou resgate para ter dados recuperados após ataque hacker. O pagamento é feito, em média, de 0,3 a 0,4 do valor de um bitcoin (R$ 9,6 mil). Entre as PMEs pesquisadas, seis de cada 10 admitiram ter sido contaminadas por malware.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G