INTERNET

Anatel empurra para 2019 posição sobre franquia na banda larga

Luís Osvaldo Grossmann ... 05/10/2018 ... Convergência Digital

Sem qualquer alarde, a Anatel voltou a adiar – desta vez por mais seis meses – uma posição sobre o uso de franquias de dados nas conexões fixas à internet. O assunto está há dois anos e meio pendurado sob uma cautelar da agência que impede as operadoras de suspenderem acessos após o consumo das franquias.

Com o novo adiamento, o quarto desde a medida cautela de abril de 2016, o assunto também saiu da agenda regulatória atual e transferido para o rol de deliberações que a Anatel espera concluir no período 2019-2020. O embasamento foi o mesmo das últimas dilações – a baixa participação social numa espécie de consulta pública prévia para embasar a decisão.

Segundo anotou a superintendência de planejamento e regulação em agosto, ao findar o prazo do adiamento de março deste ano, “foram expedidos 183 Ofícios, reabrindo a possibilidade de manifestação daquelas entidades que já haviam se manifestado sobre o assunto e buscando a resposta daquelas que, até o momento, não retornaram sobre o Ofício originalmente encaminhado. Deste então e até o presente momento só foram recebidas oito respostas”.

São elas a OAB, Senacon, Senar-SP, os Procons de São Paulo e do Distrito Federal, além de três prestadoras: Algar, Sercomtel e Sky. As ausências mais notáveis apontadas pela área técnica são do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor – IDEC, da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor – Proteste, e do Comitê Gestor da Internet – CGI.Br. Adicionalmente, a Anatel tenta verificar como o assunto é tratado internacionalmente, mas a consultoria também pediu mais tempo para concluir essa avaliação.

E para completar, a agência alterou o conceito do que são as prestadoras de pequeno porte. O critério deixou de ser aquelas empresas com até 50 mil acessos para considerar as que detém até 5% do mercado, ou 1,5 milhão de acessos em números de hoje. Essas empresas, vale lembrar, não são atingidas pela proibição de cortar o acesso ou reduzir velocidades ao fim do consumo das franquias, como previsto na medida cautelar.


Europa busca consenso para taxar gigantes da Internet

Uma nova proposta costurada por Alemanha e França reduz o escopo da cobrança para mirar apenas nas receitas com publicidade.

5G exige rediscussão imediata da neutralidade de rede

"Serão novas e tão diferentes aplicações, e algumas até podem fazer a diferença entre a vida e a morte. A questão da neutralidade precisa ser encarada agora no mundo e aqui no Brasil", sustenta o diretor da 5G Americas e de Relações com o Governo da Ericsson Brasil, Tiago Machado.

Serviço de streaming de esporte chega ao Brasil e usa YouTube e Facebook

A DAZN inicia oferta comercial em março do ano que vem e terá exclusividade da Copa Sul-Americana de 2019. Modelo de negócio é por curto prazo e por partida transmitida. Empresa, especializada em esportes, tem atuação na Europa, EUA e Ásia

Associação de OTT quer Autoridade de Dados tratada na transição do governo Bolsonaro

Associação Brasileira de OTT diz que a criação da autoridade poderá ficar prejudicada após a intensa mudança de quadros no Executivo e Legislativo o que poderá prejudicar a aplicação efetiva da Lei de Dados Pessoais em 2020.

Só 27% dos que usam smartphones se sentem no controle dos dados pessoais

Pesquisa em 10 países, inclusive no Brasil, aponta que os sucessivos casos de vazamentos e novas leis de proteção da privacidade despertaram a preocupação com dados pessoais e 76% tentam protegê-los.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G