TELECOM

Usuários da MVNO Porto Seguro vão escolher se ficam ou não com a TIM

Luís Osvaldo Grossmann ... 03/10/2018 ... Convergência Digital

Informada há cerca de três meses que a maior operadora ‘virtual’ do Brasil, a Porto Seguro, iria  abandonar o mercado, a Anatel acredita que a decisão se deve muito mais a troca de comando da seguradora do que a qualquer problema com o mercado MVNO no país.

Segundo o superintendente de competição, Abraão Balbino e Silva, o acompanhamento da agência vai se centrar no devido processo de portabilidade dos clientes, além de tratar do pleito da TIM, que quer ficar com esses usuários, de manter o plano de numeração da Porto Seguro. Números da Anatel indicam que a Porto Seguro chegou a ter 735 mil acessos, mas a Tim, que dá suporte à operação, fala em 563 mil, concentradas em M2M.

“A gestão da Porto Seguro mudou e o novo CEO entendeu que a margem era muito pequena e decidiu descontinuar a operação. Era algo que a empresa usava muito para por uma questão de fidelização. Não é fracasso do MVNO, longe disso. Um contraponto é a Brisanet, que é MVNO da Vivo e veio aqui relatar um caso de sucesso depois de entrar nesse mercado há seis meses. Sai um agente, entra outro”, afirma o superintendente de competição da agência.

De acordo com ele, a Anatel não precisa dar qualquer chancela à decisão. “A Anatel não tem nada a ver com isso. Não tem anuência prévia, não há questões societárias envolvidas. Do ponto de vista regulatório, estamos verificando a questão da numeração, uma vez que a TIM quer manter com ela. E o que vamos acompanhar também é se o processo vai acontecer corretamente do ponto de vista de proteção do consumidor, do RGC, do respeito à portabilidade.”

A TIM, que é a fornecedora de infraestrutura (leia-se, espectro) da Porto Seguro, anunciou que vai assumir a Porto Seguro Conecta e oferecer as mesmas condições aos atuais usuários. Mas a Anatel ressalta que os clientes da Porto Seguro é quem devem optar para qual operadora querem migrar. “Pelo regulamento, se você é usuário da Porto Seguro, o número é seu. Ela não pode chegar e dizer ‘agora você é usuário da Tim’. Você é quem tem que decidir se fica na TIM ou vai para a outra. Então o que precisa é garantir que os usuários vão ter as oportunidades de migração para outras operadoras’, explica Silva.

“Do ponto de vista da relação usuário prestadora, a Porto é uma prestadora SMP como qualquer outra. Ser MVNO é uma peculiaridade, significa que ela não tem espectro. Mas do ponto de vista consumerista, é uma operadora como qualquer outra. O que acontece é que uma operadora está saindo do mercado e outra vai oferecer para esses usuários as mesmas condições comerciais. Mas para que haja essa migração tem que haver uma escolha dentro das regras da portabilidade. O MVNO nunca foi uma regulamentação para ampliar competição, é muito para ampliar diversidade de oferta para o usuário final”, completa.

http://www.convergenciadigital.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?UserActiveTemplate=site&infoid=49131&sid=8

http://sis-publique.convergenciadigital.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=49120&sid=8


Revista do 62º Painel Telebrasil 2018
Veja a revista do 62º Painel Telebrasil 2018 Brasil Digital: O futuro é agora - é o tema da revista do Painel Telebrasil 2018.
Edição, com 104 páginas, consolida os debates realizados no evento, que reuniu a indústria de Telecomunicações.
Clique aqui para ver outras edições

Oi se posiciona como prestadora de serviços de TI

Tele estruturou serviços como segurança cibernética, big data e gestão integrada. "Entender as dores e as necessidades do cliente é uma obrigação", afirma Rodrigo Shimizu, diretor de Marketing do Corporativo da Oi.

"Estamos comprometidos com o futuro do Brasil", diz CEO da Telefónica

Em reunião geral dos acionistas, realizada em Madrid, o presidente do conselho e CEO da Telefónica José María Álvarez-Pallete, afirmou que o Brasil é um dos países que mais vai crescer no mundo com a revolução digital.

Câmara proíbe teles de enviarem mensagens comerciais a clientes

Projeto de Lei 757/03 altera a LGT para vedar o envio de mensagens comerciais próprias ou de terceiros para os celulares dos clientes da telefonia móvel. Terminativo na CCJ, PL segue direto ao Senado. 

Novo projeto de lei prevê cobertura celular obrigatória de 60% das estradas

PL 1721/19 prevê inclusão da medida nas futuras licitações da Anatel. Texto precisa passar pelas comissões de ciência e tecnologia, finanças e tributação e de constituição e justiça. 




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G