INTERNET

Justiça negocia plataforma para cooperação jurídica online com a Interpol

Convergência Digital ... 19/09/2018 ... Convergência Digital

Um grupo de 13 países, incluindo o Brasil, costura um acordo para adotar uma plataforma online internacional para a troca de informações em processos criminais, com o que parece ser um esforço de substituir os acordos de cooperação jurídica, considerados lentos por autoridades, por um sistema eletrônico.

Batizado de Projeto e-MLA, o acordo em elaboração prevê o uso do sistema de comunicação da Interpol como sistema digital de tramitação de pedidos de cooperação jurídica internacional que contemple todos os países membros da organização.

Como relata o Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica da Secretaria Nacional de Justiça (DRCI/SNJ) em 12 e 13/9 foi realizada a terceira reunião do grupo de trabalho com objetivo de estabelecer essa plataforma para a troca de dados de forma eletrônica.

Além do Brasil, estão negociando o e-MLA a Austrália, Áustria, Colômbia, República Tcheca, França, Países Baixos, Romênia, Espanha, Senegal, Suíça, Ucrânia e Estados Unidos, além de representantes do Conselho da Europa, a Comissão Europeia e o escritório das Nações Unidas sobre drogas e crime (UNODC).

“A Interpol possui, desde 2005, o sistema I-24/7, uma rede de comunicação segura e avançada que garante a comunicação em tempo real, conectando policiais de diversos países e possibilitando a troca de informações sensíveis e urgentes relevantes para processos criminais em todos os países membros. Essa plataforma contempla bancos de dados que englobam desde impressões digitais até a identificação de vítimas de desastres”, informa o Ministério Público Federal.

O grupo de trabalho elaborou um Relatório de Viabilidade Legal, que será submetido à Assembleia Geral da Interpol em novembro de 2018, além de um documento com especificações técnicas para a criação da plataforma e um conjunto de regras para viabilizar a cooperação jurídica. Caso o projeto seja aprovado pela Assembleia Geral da Interpol, serão iniciados os trabalhos técnicos para a construção da plataforma.

Nota do Ministério da Justiça

Em nota encaminhada ao Convergência Digital, o Ministério da Justiça solicita a correção do texto publicado. O portal não considera necessário. Mas publica o texto recebido na íntegra.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Gostaríamos de esclarecer alguns pontos publicados na matéria "Justiça negocia plataforma para cooperação jurídica online com a Interpol", divulgada no dia 19 de setembro de 2018. Link abaixo.
(http://www.convergenciadigital.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?UserActiveTemplate=site&infoid=48993&sid=4)

 O projeto e-MLA é uma iniciativa da Interpol e, atualmente, a Secretaria Geral da Interpol coordena as atividades do Grupo de Trabalho (GT) criado para discutir assunto. Esse GT tem a missão de estabelecer bases jurídicas e técnicas para o desenvolvimento de uma plataforma dedicada à tramitação de pedidos de Cooperação Jurídica Internacional em Matéria Penal. Nesse primeiro momento, o grupo de trabalho elaborou as regras para o uso da plataforma.

 Ressaltamos que a iniciativa de criação da plataforma não pretende substituir os acordos de cooperação jurídica já existentes e em vigor. Ao contrário, o arcabouço jurídico existente (legislações internas, acordos bilaterais e multilaterais) deve ser respeitado no uso desse novo canal eletrônico de comunicação que será disponibilizado aos 192 Países Membros da Interpol.

A conformação do projeto nessa sua primeira etapa foi discutida em três reuniões, que contaram com a presença e colaboração de representantes dos seguintes países: Austrália, Áustria, Brasil, Colômbia, República Checa, França, Países Baixos, Romênia, Espanha, Senegal, Suíça, Ucrânia e Estados Unidos, além de representantes de Organizações Internacionais, como Conselho da Europa, Comissão Europeia e Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (Unodc).

O desenvolvimento da plataforma nesses moldes tem a finalidade de suprir uma importante demanda dos países, no sentido de viabilizar meios seguros e juridicamente válidos (de acordo com legislações internas, acordos bilaterais e multilaterais já em vigor) para a transmissão de pedidos de assistência jurídica mútua em matéria penal, aumentando a eficiência, acessibilidade e transparência desses processos com a utilização de meios eletrônicos para a comunicação.

A iniciativa busca ainda minimizar o uso de meios excessivamente formais e lentos na cooperação jurídica, incompatíveis com o progresso das tecnologias, com a crescente necessidade de velocidade e efetividade nas transmissões de informação.

A ideia é de que a nova plataforma e-MLA, concebida com foco na tramitação de pedidos de cooperação jurídica internacional, seja disponibilizada para utilização opcional por parte dos Países Membros da Interpol e represente uma nova ferramenta de facilitação da cooperação, substituindo de forma segura e válida os meios tradicionais de tramitação de papéis e com o devido respeito ao arcabouço jurídico já existente.

Atenciosamente,

Assessoria de Comunicação Social

Gabinete do Ministro

Ministério da Justiça


 

 


Empresa americana, dona do Bolsomito 2k18, comunica à Justiça o fim da venda do game

O game tinha o então candidato à presidência, Jair Bolsonaro. O personagem ganhava pontos ao espancar e matar mulheres, negros, parlamentares e integrantes de movimentos sociais e da comunidade LGBT.

Dados Pessoais: Google recebe punição máxima de 50 milhões de euros na França

A Regulação de Proteção Geral de Dados (GDPR), em vigor desde maio do ano passado na União Europeia, vira pesadelo para as companhias de Internet.

Anatel impõe ofertas obrigatórias de conexão em apenas seis PTTs

Pontos de troca de tráfego escolhidos são os de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Fortaleza, Curitiba e Brasília. A decisão afeta Oi, Telefônica, Claro, TIM e Algar.

Perícia digital: Disputa judicial exige mais prazo de armazenamento de dados

"Conflitos judiciais levam mais tempo que o exigido das empresas para armazenamento das informações. Com dados, não há anonimato na Internet", observa João Alberto Matos, do Pio Tamassia Advocacia. Fake News e perfis falsos nas redes sociais mobilizam a maior parte das perícias digitais.

MPF investiga Facebook por prestar informação falsa e descumprir ordem judicial

Para o Ministério Público, “a atitude mostra desrespeito aos Poderes da República Federativa do Brasil". Facebook tem 30 dias para dar esclarecimentos.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G