Home - Convergência Digital

Vivo e Ericsson testam 5G na faixa de 28 GHz

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo - 13/09/2018

A Vivo e a Ericsson estão fazendo uma prova de conceito do uso do 5G na medicina por meio da simulação de uma cirurgia remota, na qual um médico opera um braço robótico, com o uso também da realidade virtual no manuseio dos equipamentos. O teste acontece em uma rede 5G na faixa de 28 GHz. A velocidade alcançada de transmissão foi de 27 Gps, mas o grande diferencial foi a baixa latência, inferior a 5ms. Na vida real, essa taxa asseguraria o sucesso da cirurgia remota por máquinas em um paciente real.

"A baixa latência é o carro-chefe do 5G que tem como diferencial não apenas a velocidade de transmissão, mas a capacidade das suas aplicações", diz o vice-presidente da Ericsson Brasil, Marcos Scheffer. Segundo ele, a medicina remota não é uma novidade, mas a certeza do sucesso - com a garantia que não haverá atraso nos comandos e nas respostas das máquinas vem do uso do 5G.

O teste - que foi feito num prédio da Vivo, em São Paulo - usou o espectro de 28 GHz para ativar a célula 5G presente no local. Além da baixa latência, obteve capacidade de transmissão de dados graças ao uso de 800 MHz de banda de espectro, e tecnologias de massive MIMO com 128 antenas receptoras e 128 emissoras, sistema de beamforming e beamtracking, em que os feixes identificam uma conexão e a seguem, mantendo o sinal estável mesmo com o usuário em movimento.

"Percebe-se que ainda há oscilações em ambientes indoors nas faixas de maior frequência", observa Átila Branco, diretor de planejamento e redes da Vivo. O executivo salienta que o 5G vai exigir uma nova arquitetura de redes e um esforço da engenharia das operadoras. "Não há 5G sem antena, sem fibra óptica no backbone e no backhaul. Precisa de muita infraestrutura", complementa o executivo.

Com relação ao 5G na faixa de 3,5 GHz - cujo leilão está previsto no Brasil para o segundo semestre de 2019 -  Vivo e Ericsson asseguram que a faixa é compatível e que favorecerá a adoção da nova tecnologia. "Vamos fazer muita agregação de portadora. As faixas mais baixas são as melhores e temos até o 700 Mhz mais adiante porque há um longo caminho para o 4G", diz. Scheffer, da Ericsson, reforça a relevância do 4G. "Ele é a âncora do 5G", completa.

Segundo informações da fabricante, no Brasil, já foram vendidos cerca de 130 mil rádios “5G Ready”. Isso significa capacidade para a entrega de serviços 5G. Hoje esses equipamentos estão sendo usados para o 4G. "A migração acontecerá com a atualização de software", reforça Scheffer.

Ainda para a Ericsson, a oferta de banda larga fixa por 5G deverá ser uma das primeiras aplicações comerciais por conta da disponibilidade dos roteadores. "Os celulares prontos para o 5G ainda vão demorar e o custo será elevado para a sua massificação", completa.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

17/01/2019
Paraná cria curso para formar profissionais técnicos para o 5G

16/01/2019
Vivo passa a vender programação de TV paga no celular

07/01/2019
Para americanos, 5G vai mudar a geração de empregos, a vida pessoal e os negócios

28/12/2018
Huawei, apesar da pressão dos EUA, fechou 26 contratos de 5G

20/12/2018
Um terço das casas no Brasil usam antenas parabólicas

17/12/2018
TACs: Telefônica Vivo cobra Anatel para ter acesso à lista dos municípios da TIM

17/12/2018
4G, 4,5G e fibra óptica são prioridades da Vivo em 2019

13/12/2018
Relatório prevê 25 operadoras com serviços 5G em 2019, 51 em 2020

12/12/2018
Eduardo Navarro volta para Telefônica. Christian Gebara assume comando da Vivo

12/12/2018
Eduardo Navarro volta para Telefônica. Christian Gebara assume comando da Vivo

Destaques
Destaques

Projeto de inovação usa 4G em 450 Mhz para Internet das Coisas

Seis startups foram selecionadas para iniciativa Agro IoT Lab 2018, voltada para a transformação digital do agronegócio, da Vivo, Raízen e Ericsson.

5G exige pelo menos 100 MHz para cada operadora no Brasil

O tema preocupa a coordenação de espectro do 5G Brasil, uma vez que foram destinados 300 MHz na faixa intermediária e há quatro operadoras nacionais.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Desvende 10 mitos sobre os cartões biométricos

Por Cassio Batoni*

Como toda nova tecnologia, os questionamentos sobre a sua segurança e e a sua confiabilidade ainda existem e são compreensíveis, mas ela veio para ficar. A impressão digital surge como a confirmação principal de que o usuário é quem diz ser.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site