TELECOM

Anatel quer eliminar regras para incentivar internet das coisas

Luís Osvaldo Grossmann ... 11/09/2018 ... Convergência Digital

A Anatel abriu nesta terça-feira, 11/9, uma tomada de subsídios para discutir mudanças regulatórias com objetivo de clarear o terreno normativo para incentivar o desenvolvimento da internet das coisas no país. No lugar de preparar um ‘regulamento de IoT’, a agência trabalha com a ideia de remover previsões atualmente vigentes e que são consideradas entraves à nova onda tecnológica.

“A gente não pensa em ter um regulamento para a internet das coisas, mas mudanças em regulamentações que existem hoje, semelhante à remoção de barreiras para os pequenos prestadores. Ou seja, o que pode ser eliminado para fomentar a IoT no país, garantindo que ela cresça como se espera. Ou seja, as coisas que a gente tem que simplificar na regulamentação para facilitar a expansão da internet das coisas no Brasil”, explica o superintendente de planejamento e regulamentação Nilo Pasquali.

O debate está aberto a sugestões pelo sistema de consultas públicas da Anatel na internet até 12 de outubro. Ele perpassa questões de outorga, modelo de prestação, roaming internacional, licenciamento, qualidade, numeração, avaliação de conformidade, segurança cibernética, espectro, falhas de infraestrutura e até mesmo o acesso a postes do setor elétrico. E toca até em temas que vão além da competência regulatória estrita, como a tributação sobre os equipamentos.

“Um problema fundamental é a tributação de Fistel em cima dos dispositivos, que é um completo inibidor para o desenvolvimento da internet das coisas como se pensa que deve ser. Mesmo com a redução atual para os dispositivos M2M, para R$ 5, isso ainda é impeditivo se imaginarmos um cenário em que cada dispositivo vai gerar US$ 1 por ano. Uma das propostas é zerar”, adianta o superintendente da Anatel.

A tomada de subsídios também pede sugestões sobre a forma de prestação do serviço. “Há diferenças entre IoT prestado em redes licenciadas, com espectro licenciado, ou com espectro não licenciado. Tem diferença na outorga, no próprio Fistel. Os custos de prestação variam muito. Temos que achar as formas de equalizar as diferenças, talvez criar algo diferenciado para quem está em interesse coletivo usando faixas licenciadas, mas equalizando com quem presta por meio de SLP, com faixas não licenciadas. A aplicação é a mesma, então não parece fazer muito sentido ter diferenciação regulatória”, emenda Pasquali.

O superintendente destaca, ainda, questões sobre obrigações de qualidade. A ideia é flexibilizar ou mesmo excluir regras nesse terreno. “Não parecem fazer sentido termos o nível regulatório de RGQs, exigências de indicação de qualidade, medição de qualidade para dispositivo, para quem presta sistema de IoT. Especialmente para quem está no SCM ou no SMP, é um inibidor para inovação”, diz o superintendente de Planejamento e Regulamentação.

Outro tema caro às operadoras brasileiras relacionado à IoT envolve o roaming permanente. “Tem várias formas de tratar, desde permitir, o que passa por discussões mais complexas, até modelos diferentes que não precisariam necessariamente do roaming permanente no conceito em que se fala, mas outras modelagens usando rede virtual ou coisas desse tipo. Uma das ideias é simplificar todo o regulamento de rede virtual e torná-lo mais acessível para outorga”, completa Nilo Pasquali.


Internet Móvel 3G 4G
Latência alta é o calcanhar de aquiles do 4G no Brasil

Estudo da Open Signal aponta que a média da melhor operadora no quesito - a Claro, com 68 milissegundos- é mais que o dobro da média global, em torno de 30 milissegundos.  Leantamento ressalta a melhoria na qualidade do serviço por conta do uso da faixa de 700 Mhz.

Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

Oi convoca assembleia geral de acionistas para 30 de abril

Por meio de comunicado ao mercado, operadora marca assembleia de acionistas depois do aumento de capital e do acordo firmado com a Pharol, acionista portuguesa que resistia à execução do plano de recuperação.

Telefonia fixa perdeu quase 2 milhões de linhas ativas em 2018

As concessionárias foram as que mais tiveram pedidos de desligamento - 1,682 milhão de linhas no período de novembro de 2017 a novembro de 2018. Claro lidera o mercado de linhas fixas. Oi detém mais da metade das linhas das concessionárias. Claro aparece entre as autorizadas.

Anatel amplia o cerco aos celulares piratas

Mensagens de alerta sobre o bloqueio de celulares considerados irregulares estão sendo enviadas para os estados da região Nordeste, dois estados da Região Sudeste ( Minas Gerais e São Paulo) e alguns trechos das Região Norte. No portal da Anatel é possível saber se o seu celular é ou não irregular.

Vicente Aquino é empossado como conselheiro da Anatel

Com a presença do presidente da agência, Leonardo de Morais, e do ministro da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, Gilberto Kassab, o advogado - indicado pelo presidente do Senado, Eunício de Oliveira - foi empossado. Mandato vai até novembro de 2020. Foi a posse mais rápida já feita na Anatel - entre indicação e posse foram menos de 15 dias.




  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G