SEGURANÇA

Governos pressionam por uso de backdoors para quebrar criptografia

Convergência Digital* ... 11/09/2018 ... Convergência Digital

Muitos governos estão negligenciando ou ignorando o dever de proteger a criptografia online que ajuda a garantir a liberdade de expressão e privacidade, reportou Joseph Cannataci, especialista em direitos de privacidade digital da Organização das Nações Unidas (ONU). Segundo relatório preparado para o Conselho de Direitos Humanos da ONU, houve um aumento nas restrições estatais à criptografia nos últimos três anos.

O especialista denunciou a pressão para para que as empresas instalem “backdoors” em software para dar às autoridades policiais acesso a mensagens criptografadas ou dispositivos protegidos, o que também cria uma vulnerabilidade que pode ser explorada por hackers, embora os governos já tenham muitas outras ferramentas de investigação.

“As obrigações de um país de respeitar e garantir os direitos à liberdade de opinião e expressão e à privacidade incluem a responsabilidade de proteger a criptografia”, afirmou o especialista em seu relatório. Entre os países que estão tirando a privacidade dos seus cidadãos estão Rússia, China, Irã, Turquia, Paquistão e Reino Unido.

O estudo sustenta que limites à criptografia devem ser necessários, legais, legítimos e proporcionais, mas há países criminalizando a criptografia o que interfere nos direitos à privacidade. No Reino Unido, por exemplo, a Lei de Poderes Investigativos, criada em 2016 e conhecida pelos críticos como “Carta Snoopers”, deu ao governo poderes vagamente formulados que poderiam obrigar as operadoras de rede a incluir backdoors, remover criptografia de ponta a ponta e cooperar com uma ampla gama de medidas governamentais de hacking, disse o relatório.

O relatório fornece mais exemplos sobre a questão de criptografia no mundo. A lei de segurança cibernética de 2016 da China exige que as operadoras de redes “forneçam apoio técnico e assistência” à segurança pública e estadual para segurança nacional e aplicação da lei. Já Uganda e México usam malware para monitorar os críticos do governo.

Fonte: Agência Reuters


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

BT Brasil defende clientes de mais de 125 mil ataques cibernéticos/mês

De acordo com o diretor geral da operadora no Brasil, Alex Inglês, em 12 meses, a companhia ‘defendeu’ cerca de 18 mil ataques DDoS de larga escala, alguns chegando a 650 gibabits. Complexidade tributária afasta investimentos em rede no Brasil, afirma ainda o executivo.

EUA voltam a acusar China de espionagem cibernética

Agência de Segurança Nacional alega que os chineses violam acordo para restringir esse tipo de ‘ataque’ firmado em 2015.

No Brasil, 20% das PMEs quebram após ataque hackers

Levantamento feito com 285 empresas mostra que boa parte pagou resgate para ter dados recuperados após ataque hacker. O pagamento é feito, em média, de 0,3 a 0,4 do valor de um bitcoin (R$ 9,6 mil). Entre as PMEs pesquisadas, seis de cada 10 admitiram ter sido contaminadas por malware.

Brasileiro desconfia que Lei de Proteção de Dados não vai 'pegar'

Pesquisa mostra que 58% não estão confiantes de que a legislação trará os avanços necessários para a proteção dos dados. Maioria se mostrou bastante preocupada com ataques hackers e de vírus cibernéticos.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G