INTERNET

Ministros europeus querem imposto sobre Internet ainda em 2018

Convergência Digital* ... 04/09/2018 ... Convergência Digital

Os ministros de finanças da União Europeia voltam a se reunir nesta semana para discutir propostas para a tributação de lucros obtidos com serviços online, que miram diretamente grandes empresas da internet como Google e Facebook. Segundo um documento da presidência rotativa do bloco, atualmente com a Áustria, o objetivo é estabelecer a cobrança até o fim de 2018.

Para tanto, a Áustria está sugerindo ajustes da proposta já apresentada pela Comissão Europeia. A taxa incidiria somente sobre serviços de publicidade online e de mercados virtuais, deixando de ser aplicada sobre a venda de dados dos usuários. Já seria o suficiente para morder ganhos de Google, Facebook e Amazon, por exemplo.

E para cercar preferencialmente as grandes empresas, a ideia é que a nova taxa incida sobre aquelas com faturamento anual acima de 750 milhões de euros (cerca de R$ 3,6 bilhões), com pelo menos 50 milhões de euros (R$ 240 milhões) de receitas na Europa. As projeções são de que essas condições teriam impacto em cerca de 200 empresas e resultariam em arrecadações adicionais próximas a 5 bilhões de euros (R$ 24 bilhões).

O tema, no entanto, não é exatamente uma unanimidade entre os países da UE. Irlanda e Luxemburgo, que adotam tributação baixa e atraíram sedes europeias das grandes multinacionais americanas são menos favoráveis a ideia e preferem tratar do assunto como parte de uma ampla reforma da tributação incidente sobre a economia digital.

Já países como França e Itália reclamam que as gigantes da internet deixam de pagar impostos em seus territórios. A França chegou a cobrar o equivalente a R$ 7 bilhões no que seriam impostos atrasados do Google em 2016. E a Itália já defendeu a adoção de uma taxa de 6% sobre as receitas dessas empresas, mesmo que outros integrantes da União Europeia não queiram participar.

Atualmente, a proposta apresentada pela Comissão Europeia prevê a incidência em todos os países da UE de uma taxa de 3% sobre as receitas digitais das grandes empresas, a ser adotada logo, independentemente de discussões sobre reformas fiscais mais abrangentes.

Segundo registrou a agência Reuters, o governo da Áustria, que ocupa este ano a presidência do bloco europeu, espera avançar com essa agenda este ano, conforme indica um documento a ser apresentado na reunião dos ministros de finanças no próximo sábado, 8/9, em Viena.

O argumento é de que os países “correm o risco imediato de erosão de seus tributos corporativos e podem ser tentados a agir unilateralmente”. Daí a defesa de uma saída coletiva, “uma abordagem uniforme”, com a proposta da Comissão Europeia servindo de solução pelo menos temporária.

Pelo menos 11 dos 28 membros da UE já estariam avaliando impor taxas à internet caso uma solução comum não seja tomada no curto prazo, diz o documento. É a senha para a sugestão austríaca de que o bloco adote tal “abordagem uniforme” ainda em 2018.

* Com informações da Reuters


Vispe Capital e BEX se unem por investimento estrangeiro para ISPs

Para Droander Martins, CEO da Vispe Capital, a consolidação é um caminho inevitável, uma vez que muitos provedores estão sem acesso a recursos financeiros para expandir suas redes e negócios.

Dados de 2,4 milhões de brasileiros no SUS teriam vazados. Governo nega

Hacker teria encontrado brecha para divulgar informações do CadSUS, que é o Sistema de Cadastramento de usuários do Sistema Único de Saúde brasileiro (SUS). Ministério da Saúde descarta vazamento, mas encaminhou denúncia à Polícia Federal.

Sérgio Moro cria conta no twitter para “explicar propostas” da Justiça

“Quero explicar aqui o projeto de lei anticrime, além das medidas executivas em andamento do Ministério”, tuitou o ministro, ressaltando que “este twitter é meu mesmo”.

Provedores SCM encostam na Vivo na banda larga fixa

As PPPs fecharam fevereiro com 24,46% do mercado nacional, ou 7,65 milhões de contratos ativos. A Claro segue na liderança com 30,03% do mercado.

2018 foi o ano de consolidação de FTTH na América Latina

Mas para que o uso da fibra óptica continue crescendo serão necessárias ações regulatórias de fomento à banda larga, novas arquiteturas e o uso de novas tecnologias de FTTH, observou o presidente da Fiber Broadband Association, Eduardo Jedruch.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G