INCLUSÃO DIGITAL

Adolescente é passível de prisão por compartilhar nudez e sexo no WhatsApp

Convergência Digital* ... 14/08/2018 ... Convergência Digital

Os adolescentes podem achar que é só brincadeira, mas compartilhar cenas de nudez, sexo ou pornografia por WhatsApp agora é crime. Com a aprovação de um projeto de lei no Senado na última quinta-feira, 08/08, o compartilhamento de imagens, que era considerado contravenção penal, passaram a ter penas mais rígidas. Na prática, quem repassar vídeos ou fotos de estupro ou que façam apologia e imagens que mostrem cenas de conteúdo pornográfico sem o consentimento da vítima, pode ser punido com um a cinco anos de prisão.

Esse comportamento é comum em grupos de Whatsapp da garotada. Nesse caso, o que acontece? Apesar de não serem julgados pelo código penal, que só serve para maiores de 18 anos, eles também terão de lidar com as consequências judiciais. “Se o juiz disser que se enquadra em um crime, ele vai consultar o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) e aplicará uma medida a esse jovem, que pode ir para uma casa de detenção, em caso grave, ou prestar serviço à comunidade”, afirma Kelli Angelini, gerente da assessoria jurídica do NIC.br (Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR) e responsável pelo guia "Internet com Responsa", que visa conscientizar pais e escolas sobre o uso responsável da internet.

A especialista acrescenta ainda que no âmbito civil a vítima pode entrar com um pedido de reparação. E aí os pais desse adolescente é que terão que pagar. Andréa Jotta, do laboratório de estudos de psicologia e tecnologias da informação e comunicação da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), diz que é preciso acompanhar a atividade on-line dos filhos.

“Desde que o celular é dado ao adolescente, é preciso criar regras e explicar que o mau uso da tecnologia pode gerar danos e consequências graves”, afirma Andréa. A psicóloga, que atende jovens com problemas pelo uso exagerado da internet, orienta pais a estabelecerem um monitoramento próximo. “Crie como regra que de tempos em tempos vai sentar ao lado do seu filho e ver o que ele tem acessado e conversado com os amigos, para saber se é apropriado”, diz. “Explique que vai fazer isso até se sentir seguro para deixá-lo sozinho.”

E se o jovem achar que é invasão de privacidade? “O que percebo ser ruim para eles é quando esse monitoramento é feito escondido. Faça isso com aviso prévio, com consentimento do jovem, e estabeleça como regra para ele ter o aparelho.” Mas a questão extrapola o uso da tecnologia. É preciso reforçar o básico: noções de convivência em sociedade, respeito e tolerância. “Quando há preocupação em respeitar o próximo na vida cotidiana, já existe o filtro para o que o desrespeito não se repita nas redes sociais e nos aplicativos de conversa”, completa Kelli.

Fonte: Fonte: https://universa.uol.com.br/noticias/redacao/2018/08/13/adolescente-que-compartilhar-imagens-de-violencia-sexual-tambem-sera-punido.htm


Carreira
Reajuste salarial de trabalhadores de TI de São Paulo ficou em 2,07%

Depois de quase um ano de divergência, patrões e empregados de TI de São Paulo fecharam um acordo de dissídio coletivo no Tribunal Regional do Trabalho. Jornada de 40 horas foi mantida na Convenção Coletiva de Trabalho 2018.

TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Parceira da Telebras amplia WiFi via satélite no México para áreas urbanas

Dois anos depois de começar a explorar banda larga satelital em áreas remotas do país, como promete fazer no Brasil, a empresa americana Viasat anuncia conexões de 100 Mbps e preços para competir com internet fixa.

CPFL: É preciso predisposição para se ter um consenso no uso dos postes

"Não é fácil, mas é preciso existir um alinhamento. Estão todos do mesmo lado", diz o diretor da CPFL, André Luiz Gomes.

Swap de fibras é mandatório para levar banda larga em regiões desassistidas

Compartilhamento de infraestrutura é essencial para reduzir custos e definir modelos de negócios nas cidades onde as teles não investiram, observa o CEO da UmTelecom, Rui Gomes.

Brasil precisa quebrar barreiras para ter um governo único digital

"O cidadão é o mesmo no município, no Estado e no governo federal. Tem de existir um atendimento único. Não pode ter briga com as Prods. Esse é o nosso desafio", afirma o diretor de Operações do Serpro, Iran Porto.

Telebras considera preços defendidos pelo TCU como 'sugestão', não como 'obrigação'

Presidente da estatal, Jarbas Valente, espera concluir negociações com a Viasat antes do prazo de 90 dias determinado pelo Tribunal.

TCU libera GESAC, mas exige mudanças no contrato entre Telebras e Viasat

Tribunal de Contas reconheceu como válida a inexigibilidade de licitação pela Telebras. Também entendeu como legal o acordo firmado com a Viasat, mas exigiu uma renegociação de condições financeiras mais favoráveis.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G