Home - Convergência Digital

Claro avança no 4G para chegar à TIM e à Vivo

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo* - 03/08/2018

De acordo com dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a tecnologia 4G já representa 50,29% do total de contratos de internet móvel do país, o que corresponde a 118.226.718 clientes, em pouco mais de seis anos. Do ponto de vista de mercado, a Claro, em junho, foi a operadora que mais adicionou acedssos, 1.123 milhão, chegando a 27.291 milhões de chips ativos, ficando atrás da TIM, que conta com 31.313 milhões, ou 26,49%, e da Vivo, que lidera, com 38,843 milhões de linhas ativas, ou 32,86% de market share.

Pela primeira vez, a Anatel falou sobre o 5G. Segundo a agência reguladora, a nova tecnologia está prevista para chegar ao país em 2020. No mês de junho, conforme os dados do órgão regulador, o Brasil registrou um total de 235.076.217 linhas de telefonia móvel no mês de junho de 2018. O serviço vem seguindo tendência de queda e apresentou redução de 7.048.232 linhas nos últimos 12 meses, na comparação com maio, a queda foi de 394.230 linhas.

No Brasil existem mais usuários com linhas pré-pagas do que com linhas pós-pagas, mas se observa a migração de um tipo de serviço para o outro, com a redução das linhas pré-pagas e o aumento das pós-pagas. Em junho de 2018, foram registradas 141.890.809 linhas pré-pagas, diminuição de 18.305.982 linhas em 12 meses. As linhas pós-pagas chegaram a 93.185.408 em junho, registrando um aumento de  11.257.750 linhas em 12 meses.

Tecnologias

As linhas móveis de 4G são as mais utilizadas no país sendo 50,29% (118.226.718 linhas) do total, seguidas das de 3G com 30 % (72.166.311 linhas) e 2G com 11% (27.766.023 linhas). As linhas utilizadas em aplicações máquina-a-máquina (M2M) representam 7 % (16.917.165 linhas) do total. Nos últimos 12 meses, apenas as tecnologias 4G (+46 %) e M2M (+23%) registraram crescimento.

Estados e Distrito Federal

São Paulo continua sendo o estado com o maior número de linhas móveis do país, com mais de 62 milhões de usuários; seguido por Minas Gerais com mais 22 milhões e Rio de Janeiro com mais 20 milhões.

Nos últimos 12 meses, o maior crescimento foi registrado no Amazonas com saldo de 147.424 linhas. Outros estados que apresentaram aumento foram: Espírito Santo com saldo de 45.889 linhas, Roraima 26.624 linhas e Amapá com saldo de 15.195 linhas. Todos os outros estados tiveram redução no número de linhas móveis.

Grupos

Em junho, a Vivo detinha 32% (mais de 75 milhões de clientes) do mercado de linhas móveis, seguida pela Claro, com 25% (com 59 milhões de clientes), Tim com 24 % (56 milhões de clientes) e Oi com 16 % (mais de 38 milhões de clientes).

A Nextel deteve 1,3% (3 milhões de usuários) do mercado; a Algar Telecom,  0,5% (mais de 1 milhão de usuários); a Porto Seguro,  0,2% (653 mil usuários);  Datora, 0,10% (245 mil usuários); Sercomtel,  0,03% (65 mil usuários); e outras empresas detiveram 0,02% do mercado (52 mil usuários).

*Com Assessoria da Anatel


Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

16/08/2018
Anatel prevê blocos de 10 MHz no uso da faixa de 2,3 GHz para 5G

09/08/2018
Anatel vai destinar faixa de 2,3 GHz para 5G

09/08/2018
Anteprojeto que muda Fust e Fistel chega ao MCTIC

09/08/2018
Anatel faz a maior apreensão de produtos não homologados em São Paulo

08/08/2018
Teles reduzem índice de queixas dos usuários. Pós-pago foi o mais reclamado

07/08/2018
4G em 700 Mhz está liberado em todas as capitais

07/08/2018
Anatel prorroga consulta sobre plano de redes e fará três audiências

03/08/2018
Claro avança no 4G para chegar à TIM e à Vivo

02/08/2018
Bloqueio de celular pirata 'corta' 243 mil aparelhos em dois meses

01/08/2018
4G já alcança metade dos celulares no Brasil

Destaques
Destaques

4G já alcança metade dos celulares no Brasil

No fim do primeiro semestre de 2018, país contava com 118 milhões de chips de quarta geração.

Banda larga móvel: América Latina cobra até três vezes mais pelo espectro

"Políticas de espectro que aumentam os preços e concentram-se em ganhos de curto prazo são incompatíveis com a economia digital", adverte o diretor da GSMA, Sebastián Cabello.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

A IA vai virar a economia de "cabeça para baixo" como um tsunami!

Por: Eduardo Prado *

O impacto só não vai ser mais ser mais rápido nas economias dos países por causa da falta de mão de obra de Inteligência Artificial por conta da carência de especialistas como cientistas de dados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site