Teles reclamam de projeto da Anatel que muda Fistel e Fust

Luís Osvaldo Grossmann ... 01/08/2018 ... Convergência Digital

A Anatel apresentou nesta quarta, 1º/8, em audiência pública, a proposta de Plano Estrutural de Redes de Telecomunicações, que tem o objetivo de servir como referência de onde devem ser aportados investimentos frutos de políticas públicas de conectividade pelos próximos 10 anos. Mas as operadoras aproveitaram a reunião para centrar fogo no anteprojeto que muda as alíquotas de Fust e Fistel em busca de financiamento para os referidos projetos de rede.

As empresas querem mais tempo para avaliar porque acham que a solução proposta pela agência vai ficar cara. “O Sinditelebrasil considera que o anteprojeto de lei tem relacionamento direto e deveria ter sido incluído na proposta do PERT. Os números preliminares não puderam ratificar que as compensações sugeridas serão suficientes para garantir que não haverá mais ônus no setor”, disparou o diretor do sindicato das empresas, Alexander Castro.

Originalmente, o relator do plano estrutural de redes, Aníbal Diniz, incluiu um anteprojeto de lei com alterações nos fundos setoriais exatamente para garantir a existência de recursos para o que o PERT indica como necessidades de infraestrutura. Mas o Conselho Diretor da agência preferiu separar as duas coisas e no lugar de colocar o anteprojeto também na consulta pública, apenas o encaminhou como sugestão diretamente ao governo.

“Nos preocupa a proposta de alteração do percentual incidente sobre o Fust e Fistel. A carga tributária, especialmente em telecom, já é altíssima. Qualquer iniciativa deveria ser no sentido de redução de valores e não a adoção de redução para uns mas que podem trazer aumento de imposto para outros. As alterações propostas trariam incremento significativo para prestadoras de maior porte como a Telefônica. E em um fundo com histórico de utilização muito baixa”, emendou o diretor de regulação da Telefônica, Marcos Bafutto.

O anteprojeto é mais uma proposta com objetivo de permitir que o Fundo de Universalização das Telecomunicações seja usado para além das concessões de telefonia, uma encrenca histórica do setor. Mas também tenta endereçar a tributação dos dispositivos da chamada internet das coisas, pois as taxas atuais do Fistel são consideradas uma barreira a essa nova onda tecnológica no país.

A proposta, assim, libera o Fust para serviços em qualquer regime, mas eleva a alíquota de 1% para 3% da receita bruta anual – percentual que seria de apenas 0,5% para empresas com faturamento de até R$ 100 milhões e de 1,5% para aquelas com faturamento de até R$ 500 milhões. Em compensação, o Fistel passaria a ser menor com a queda da TFF de 33% para 5% da TFI, com a redução da TFI de estações satelitais de R$ 201 para R$ 26 e com a isenção para equipamentos de comunicação máquina-a-máquina.

É essa conta que as empresas reclamam que não fecha. Por isso, também pedem que a consulta pública, prevista para durar até 9 de agosto, seja prorrogada por 30 dias. “É importante que tenhamos uma gama maior de informações e isso demanda tempo. A alteração do Fust de 1% para 3% e a desoneração da TFI, conforme o anteprojeto de lei, importará na imposição adicional de ônus que não reflete as projeções e estimativas de compensação que integram a proposta’, insistiu também na reunião desta quarta Edvaldo Miron, da Oi.


Internet Móvel 3G 4G
Huawei dá o troco e Qualcomm alerta para o risco dos EUA perder muito dinheiro

Em documentos ao governo dos EUA, a fabricante adverte que o bloqueio não vai impedir acesso da fabricante à tecnologia de ponta, mas sim prejudicar os fornecedores americanos, inclusive, no 5G. Huawei já avisou que Mate 40 será último com chip Kirin.

Anatel recria 10 colegiados após extinção por Decreto presidencial

Uso do Espectro, Defesa dos Usuários, Prestadoras de Pequeno Porte, Aferição da Qualidade, Ofertas de Atacado, Acompanhamento de Redes são alguns dos grupos reestabelecidos pela agência. 

Reclamações contra oferta de banda larga crescem 40% com a quarentena da Covid-19

Queixas na Anatel cresceram especialmente a partir de março. No conjunto dos serviços, agência recebeu 1,52 milhão de reclamações entre janeiro e junho. Também houve um aumento de 20% com relação à telefonia móvel.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G