INTERNET

Eletropaulo investe R$ 51 milhões para enterrar rede elétrica em duas regiões

Por Roberta Prescott* ... 16/07/2018 ... Convergência Digital

A Eletropaulo está investindo R$ 21,5 milhões na região da Vila Olímpia e R$ 29,4 milhões no entorno do Mercado Municipal em obras de enterramento da rede elétrica (redes subterrâneas). Ao todo serão retirados 320 postes da região da Vila Olímpia, com o objetivo de melhorar a qualidade e o fornecimento da energia, atendendo ao crescimento residencial, comercial e industrial da região. A redação da Abranet entrou em contato com a empresa de distribuição de energia para entender melhor o projeto.

De acordo com a Eletropaulo, parte da rede de distribuição de energia elétrica na cidade de São Paulo é subterrânea desde 1902, sendo que houve um novo ciclo de expansão dessa rede no centro de São Paulo na década de 1970.  Nesses locais, os postes estão ocupados somente com ativos de empresas de telecomunicação (telefonia, TV e internet) e de iluminação pública (Ilume, empresa da prefeitura de São Paulo), além de engenharia de tráfego (semáforos, CET). A empresa ressaltou que, nestes casos, a responsabilidade de manutenção é das respectivas empresas. 

Na cidade de São Paulo, a distribuição de energia é feita por 968 quilômetros de rede subterrânea, 22.503 quilômetros de rede aérea e 872 quilômetros de linhas de subtransmissão. A Eletropaulo tem projetos que envolvem o enterramento de redes na cidade de São Paulo e um de remoção de postes em região onde a rede já é enterrada. Na Vila Olímpia, o objetivo principal é adequar a carga elétrica ao crescimento econômico da região. A empresa explicou que o projeto contemplará 13 ruas, totalizando 4,2 km, entre as quais a Funchal, a Olimpíadas, a Gomes de Carvalho e a Dr. Cardoso de Melo. A previsão de conclusão é para o segundo semestre de 2018, com expectativa de beneficiar 3,6 mil pessoas. O investimento é de R$ 21,5 milhões.

Outro projeto da Eletropaulo acontece no entorno do Mercado Municipal, onde a rede aérea será substituída pela subterrânea, conectando-se à estrutura da Eletropaulo já existente na região. O objetivo principal é adequar a carga elétrica ao crescimento econômico da região, além da conversão do nível de tensão da energia. Esse projeto beneficiará 40 vias (9 km), entre as quais a Avenida Cásper Líbero e as ruas Cantareira, Paula Souza, Barão de Duprat e do Carmo. Com conclusão prevista para 2019, beneficiará 3,3 mil pessoas. O investimento é de R$ 29,4 milhões.  

Em ambos os casos, no entorno do Mercadão e na região da Vila Olímpia, a remoção dos postes, ressaltou a Eletropaulo, está condicionada à retirada dos ativos de operadores de telecomunicações, iluminação pública e engenharia de tráfego.

Além disto, no centro de São Paulo, o sistema já é subterrâneo, mas a Eletropaulo deve remover os seus postes da região assim que as operadoras de telecomunicações, de iluminação pública e de engenharia de tráfego retirarem seus fios e instalações que estão fixados neles. Os gastos com a remoção desses fios são de responsabilidade das empresas donas desses ativos. Esse trecho contempla 117 ruas (52 quilômetros), como a Alameda Santos, ruas Frei Caneca, Maria Antonia, José Paulino e do Gasômetro. Até o momento, a Eletropaulo removeu 102 postes de 2.109 na região.

Questionada sobre o que está sendo feito com as redes de telecomunicações que usam os postes, a Eletropaulo informou que notifica as operadoras antes de executar os projetos de enterramento de rede, que ocorrem de forma independente. Os postes permanecem ocupados pela fiação de terceiros até que as operadoras retirem seus ativos deles.

Com a rede enterrada, a utilização clandestina dos pontos de fixação pode seguir, porque nem sempre os postes da Eletropaulo são removidos porque são utilizados por outras empresas que prestam serviços à população. No entanto, a Eletropaulo ressaltou que, por meio do projeto de regularização dos cabeamentos de diferentes companhias que compartilham sua infraestrutura de rede aérea, desde maio, a empresa recolheu mais de 10  toneladas de materiais de operadoras de TV a cabo, Internet e telefonia celular, em uma operação feita em conjunto com a prefeitura de São Paulo.

Para essa iniciativa, as empresas que mantêm contrato para a utilização dos postes foram notificadas pela Eletropaulo. Parte dos fios cortados, disse a Eletropaulo, era clandestina, ou seja, sem contrato com a distribuidora de energia, ou inutilizados, que não transmitem mais sinais. Essa ação está amparada pela Resolução ANEEL nº 797/2017.

As operadoras de telecomunicações estão sendo obrigadas a regularizarem a situação de 2.100 postes por ano pela Comissão de Resolução de Conflitos da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e da Anatel. Para 2018, o prazo deve se encerrar em 31 de agosto. Nesse período, as empresas terão de etiquetar e reordenar seus fios sob pena de terem os cabos cortados pela Eletropaulo. Adequar a alimentação da energia elétrica à demanda da região e modernizar o sistema foram apontados como os principais benefícios do projeto.  


Perícia digital: Disputa judicial exige mais prazo de armazenamento de dados

"Conflitos judiciais levam mais tempo que o exigido das empresas para armazenamento das informações. Com dados, não há anonimato na Internet", observa João Alberto Matos, do Pio Tamassia Advocacia. Fake News e perfis falsos nas redes sociais mobilizam a maior parte das perícias digitais.

MPF investiga Facebook por prestar informação falsa e descumprir ordem judicial

Para o Ministério Público, “a atitude mostra desrespeito aos Poderes da República Federativa do Brasil". Facebook tem 30 dias para dar esclarecimentos.

Brasileiro precisa entender que os dados valem muito dinheiro

Professor Luca Belli, da FGV/RJ, diz que o Brasil tem 210 milhões de produtores de dados e pode ter uma vantagem competitiva em Inteligência Artificial. "Mas a hora é de abrir a caixa preta e entender os critérios usados na tomada de decisão", observa. Sobre a LGPD, o especialista é taxativo: sem Autoridade de Dados, a legislação não 'pega'.

Autoridade de Dados tem de ser independente, técnica e sem controle do Estado

"Não haverá Lei de Proteção de Dados sem a Autoridade, mas não podemos ter essa entidade ligada à Casa Civil, ao Ministério da Justiça ou ao CGI. Ela vai fiscalizar a iniciativa privada e o poder público. Precisa ter independência", adverte Carlos Affonso de Souza, do ITS/Rio de Janeiro.

Brasil soma quase sete mil provedores de Internet

Pesquisa TIC Provedores 2017, feita pelo CGI.br, mostra ainda que os ISPs são os fomentadores da fibra óptica no País. Maior parte dos provedores é pequeno e oferecem até 1000 acessos. Os grandes provedores respondem por 2%, mas atendem a 80% do mercado.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G