SEGURANÇA

Custo de dado roubado ou perdido no Brasil fica, em média, em R$ 268

Ana Paula Lobo* ... 12/07/2018 ... Convergência Digital

O custo médio de um dado perdido ou roubado no Brasil é estimado em US$ 67, ou R$ 268 em 2018. No mundo, esse custo subiu de US$ 141 para US$ 148, ou R$ 590, com o dólar atual, revela o eestudo Cost of a Data Breach 2018, do insituto Ponemon, patrocinado pela IBM. Esse número caiu 3,73% em relação a 2017. Globalmente, o custo total médio de violação de dados subiu de US$ 3,62 para US$ 3,86 milhões, um aumento de 6,4%. No Brasil, houve redução de 7% em relação ao ano passado.

O levantamento da IBM aponta ainda que, aqui, a causa raiz de 46% das violações de dados foram ataques maliciosos ou criminosos. O estudo destaca ainda que o tempo médio para identificar a violação de dados diminuiu de 250 para 240 dias nos últimos 12 meses. O relatório informa ainda que o Brasil tem o menor custo per capita de todos os países pesquisados, mas é o mais provável a enfrentar uma violação de dados - 43% contra 27% da média global.

Com base em entrevistas detalhadas com quase 500 empresas que sofreram uma violação de dados, o estudo analisa centenas de fatores de custos relacionados a uma violação, desde investigações técnicas e recuperação até notificações, atividades legais e regulatórias, custo de perda de negócios e reputação. Este ano, pela primeira vez, o estudo também calculou os custos associados a “mega violações” que variam de 1 milhão a 50 milhões de registros perdidos, projetando que essas violações custam às empresas entre US$ 40 milhões e US$ 350 milhões, respectivamente.

“Embora as violações de dados divulgadas frequentemente relatem perdas de milhões, esses números são altamente variáveis e o prejuízo vai além do financeiro. A verdade é que há muitas despesas ocultas que devem ser consideradas, como danos à reputação, rotatividade de clientes e custos operacionais. Saber onde estão os custos e como reduzi-los pode ajudar as empresas a investir seus recursos de maneira mais estratégica e reduzir os enormes riscos financeiros em jogo”, comenta o Diretor de Segurança da Informação da IBM Brasil, João Rocha.

O relatório aponta ainda que ter uma equipe de resposta a incidentes foi o principal fator de economia de custos, reduzindo o custo em US$ 14 por registro comprometido. Pela primeira vez, o relatório examinou o efeito de ferramentas de automação de segurança que usam inteligência artificial, aprendizado de máquina, análise e orquestração para aumentar ou substituir a intervenção humana na identificação e contenção de uma violação.

A análise constatou que as organizações que implantaram extensivamente tecnologias de segurança automatizadas economizaram mais de US$ 1,5 milhão no custo total de uma violação (US$ 2,88 milhões, em comparação com US$ 4,43 milhões para aqueles que não implantaram a automação de segurança).

Fonte: IBM


Soluções de Segurança para a Sociedade
Não delegue a segurança cibernética apenas para a TI

Para mitigar os riscos com ataques hackers, toda a corporação precisa se unir, adverte Jun Goto, vice-presidente Sênior da NEC Corporation.

Mutação do Wannacry determina novo alerta à Segurança da Informação

Variante do ransomware - que parou várias empresas em 2017 - causou estragos na Taiwan Semiconductor Manufacturing (TSMC), fabricante de chips e fornecedora da Apple. Orientação dos especialistas é cuidar da atualização dos sistemas.

Custo de dado roubado ou perdido no Brasil fica, em média, em R$ 268

Levantamento apura ainda que o tempo médio para conter uma violação de dados no Brasil está em 100 dias. Já o tempo para identificar a violação dos dados caiu de 250 dias para 240 dias.

Bancos ingleses têm três meses para mostrar planos de segurança cibernética

No Brasil, resolução do Banco Central, de abril deste 2018, deu um ano para que as instituições financeiras aprovem políticas de segurança e planos de resposta a incidentes.

Malware mineradores de criptomoedas crescem 629% no 1º trimestre

Relatório de segurança mostar que os hackers invadiram o mundo das bitcoins sequestrando os navegadores das vítimas ou infectando seus sistemas para minerar criptomoedas legítimas. Amostras recolhidas chegaram a 2,9 milhões nos três primeiros meses do ano.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G