Home - Convergência Digital

Huawei fecha acordo com Positivo para voltar a vender celulares no Brasil

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 06/06/2018

Cinco anos depois da primeira tentativa, a Huawei vai voltar a apostar na venda de smartphones no Brasil. A fabricante chinesa anunciou nesta quarta, 6/6, um acordo com a brasileira Positivo, que primeiro vai importar e comercializar os aparelhos, mas com planos de trazer a montagem também para o país.

“O custo ainda é alto para fabricação [no Brasil]. Viremos passo a passo. Vamos tentar introduzir os produtos aos consumidores. Se os brasileiros gostarem muito, vamos para o próximo plano”, afirma o chefe de desenvolvimento de equipamentos da Huawei no Brasil, Adam Ersong. E o que seria uma indicação de que os brasileiros gostaram? “Se conseguirmos pelo menos 1% de market share no primeiro ano, pode acontecer”, completa.

O anúncio fez parte das comemorações de 20 anos da chegada da fabricante chinesa no país. E marca uma virada importante nos negócios da empresa. Segundo seu chairman global, Liang Hua, este ano, pela primeira vez, as receitas com produtos de consumo, dos quais os smartphones são o carro-chefe, serão superiores ao faturamento com equipamentos de rede.

A Huwei vendeu 153 milhões de celulares em 2017, o que representou 8,8% do mercado mundial de aparelhos. Para 2018, projeta uma fatia um pouco maior, de 11,3%. A empresa já é a terceira maior no ramo, atrás apenas da coreana Samsung e da norte-americana Apple. E parte para uma estratégia que inclui as vendas no Brasil para tentar tomar o segundo lugar da dona dos iPhones.

A meta indicada pela Huawei significa conseguir vender 500 mil aparelhos no primeiro ano. Em princípio chegarão o celular top da fabricante, a linha P20, e um intermediário, da linha chamada ‘nova’. Da parte da Positivo, que já atua na revenda de aparelhos de entrada, há uma clara confiança de que a ‘fase 2’ virá em breve.

“Nesta primeira etapa temos o licenciamento pela Positivo. Vamos trabalhar na criação e percepção dessa marca pelos brasileiros. São produtos muito premium, um segmento que ainda não atuamos porque estamos mais colocados em produtos de entrada. Mas existe um plano de médio-longo prazo. Nosso objetivo é sermos os fabricantes”, revela o vice-presidente de mobilidade da Positivo, Norberto Maraschin Filho.

A expectativa da Huawei e da Positivo é que os aparelhos comecem a ser vendidos em agosto, no máximo em setembro deste 2018. Os executivos não quiseram adiantar qual será o preço dos produtos no Brasil, mas dão pistas de que são aparelhos, como o P20, que virão competir com as linhas premium da concorrente Samsung. Na Europa, onde já foi lançada, essa linha top está na casa dos 800 Euros, ou coisa de R$ 3,5 mil.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

15/08/2018
Equipamentos da Huawei e da ZTE são proibidos nos orgãos públicos dos EUA

01/08/2018
Huawei passa Apple e é segunda maior fabricante de celulares do mundo

16/07/2018
No Brasil, 49% dos usuários já tiveram um smartphone roubado

03/07/2018
Smartphone é a principal ferramenta de compra online no Brasil

06/06/2018
Huawei fecha acordo com Positivo para voltar a vender celulares no Brasil

19/04/2018
Brasil já contabiliza mais de 1 smartphone ativo por habitante

28/03/2018
Disputa de fornecedores impulsiona venda de smartphones no Brasil

05/02/2018
Celular é a nova carteira de identidade dos brasileiros

05/12/2017
Migração total do 2G exige smartphones mais baratos

04/12/2017
Brasileiros dizem adeus aos feature phones

Destaques
Destaques

4G já alcança metade dos celulares no Brasil

No fim do primeiro semestre de 2018, país contava com 118 milhões de chips de quarta geração.

Banda larga móvel: América Latina cobra até três vezes mais pelo espectro

"Políticas de espectro que aumentam os preços e concentram-se em ganhos de curto prazo são incompatíveis com a economia digital", adverte o diretor da GSMA, Sebastián Cabello.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

A IA vai virar a economia de "cabeça para baixo" como um tsunami!

Por: Eduardo Prado *

O impacto só não vai ser mais ser mais rápido nas economias dos países por causa da falta de mão de obra de Inteligência Artificial por conta da carência de especialistas como cientistas de dados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site