GESTÃO

BNDES cobra governança e gestão para abrir crédito às empresas de Internet

Por Roberta Prescott* ... 06/06/2018 ... Convergência Digital

As empresas de internet precisam modernizar a sua gestão para conseguirem financiamento junto aos órgãos governamentais. A ressalva foi feita pelo diretor do departamento de TIC do BNDES, Ricardo Rivera. Segundo ele, as empresas de Internet devem seguir o caminho de formalização e da melhoria da gestão. “Não tem como um órgão público financiar quem não tem governança, gestão e não audita os demonstrativos financeiros”, sinalizou, ao apresentar o que o banco tem feito para fomentar o acesso ao crédito por parte dos ISPs.

Até 2019, o BNDES quer ter estabelecido um plano de fomento estratégico em conjunto com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC); alcançar a marca de dez financiamentos diretor; ter um parceiro nacional e três regionais para o Fundo Garantidor para Investimentos (FGI); contar com novo produto para operações a partir de R$ 1 milhão; ter estudo sobre a viabilidade de fundos específicos e usar o FUST reembolsável.

Rivera explicou, em palestra no Encontro Nacional Abrint 2018, que acontece em São Paulo, que, no segundo semestre, será feito um piloto do novo produto está sendo elaborado que prevê plano de investimentos a partir de R$ 1 milhão. “O produto é inovador por quebrar etapas do processo e deixa-lo mais ágil. O trâmite será simplificado, sem balanço auditado para entrada”, explicou.

Outra iniciativa do banco é colocar o Finem Telecom para R$ 10 milhões. Atualmente, o programa de financiamento é a partir de R$ 20 milhões para a universalização da banda larga e para a expansão e modernização da infraestrutura de telecomunicações. Além disto, o BNDES quer expandir parcerias e FGI para usar o fundo para garantir operações mais arriscadas no BNDES. “Para 2019, entendemos como fundamental o compartilhamento de risco de crédito com o agente financeiro. Uma experiência piloto será feita com ABDE”, disse.  

Ao comentar o status atual de financiamento, Rivera apontou que cinco provedores estão em processo de análise de investimentos diretos e que foram realizadas reuniões positivas com dois agentes financeiros para uso do Fundo Garantidor para Investimentos (FGI). “Se viabilizado, o Fust reembolsável será o principal instrumento”, salientou. Na abertura do Encontro Abrint 2018, o ministro Gilberto Kassab, se disse 'frustrado' com a demora do BNDES em liberar linhas de financiamento às empresas de Internet.


Carreira
No Brasil, mais de 60% usam smartphone próprio para fins profissionais no horário de trabalho

Pesquisa global mostra que 92% dos brasileiros tiveram acesso ao smartphone, um número 30% acima dos usuários de notebooks (70%). Levantamento também destaca que as mulheres são mais engajadas do que os homens no uso do WhatsApp.

eSocial: Código de Acesso, sem certificação digital, possui validade de três anos

Após esse período, o Código gerado expira e o empregador será convidado a criar um novo. Será necessário informar novamente os números de recibos de entrega da DIRPF ou do Título de Eleitor. Quem usar certificado digital não vai precisar passar por esse processo.

Governo não flexibiliza e mais de 700 mil empresas podem ser excluídas do Simples

A não regularização dos débitos poderá acarretar a exclusão do regime a partir de janeiro de 2019, mas não há facilidades - como houve o REFIS para as grandes empresas - para a quitação da dívida.

Serpro adia consolidação de data centers

Em entrevista à CDTV do portal Convergência Digital, diretor de Operações, Iran Porto Júnior, admite que está delegando a questão para o próximo governo. A consolidação do mainframe de São Paulo seria a primeira etapa da futura integração de todos os serviços no data center de Brasília.

Azul Seguros: erra quem descarta o legado na transformação digital

O CIO da seguradora, Paulo Cesar Imelk, diz que falar é fácil, mas fazer a transformação digital acontecer é muito difícil. "No nosso caso, estamos indo a passos de bebê. Não há guinada", observa.

Decreto amplia uso da terceirização no serviço público

Nova norma cria algumas exceções à terceirização e deixa à cargo do Ministério do Planejamento definir o que poderá ser objeto de “execução indireta”.




  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G