GOVERNO

Apps de e-gov não pedem consentimento e coletam mais dados do que precisam

Luís Osvaldo Grossmann ... 28/05/2018 ... Convergência Digital

Os esforços de órgãos públicos para oferecer serviços digitais parecem não estar sendo acompanhados da devida atenção com a privacidade dos usuários, no caso os cidadãos brasileiros em geral. Segundo um estudo do centro de pesquisa InternetLab, nenhum deles pede consentimento expresso para uso dos dados e metade sequer possui política de privacidade.

O levantamento tomou como base 13 aplicativos, oito do governo federal e cinco do governo estadual de São Paulo. O “objetivo era conhecer os tipos de dados que processam, as permissões que pedem, e, quando existente, conhecer suas políticas de privacidade”, diz o estudo. A análise foi feita nas permissões de acesso, políticas de privacidade e obtenção de consentimento sobre tratamento de dados.

“A Administração Pública está cada vez mais ingressando em um universo digital movido por dados. Vários são necessários para que um aplicativo funcione e que não são, em si, obrigatoriamente pessoais. É o caso de informações como a versão do sistema operacional, tamanho e resolução de tela, que podem ser fundamentais para que o aplicativo seja executado da melhor forma possível. Mas esses e outros dados podem implicar operações de ‘tratamento de dados pessoais’ quando associados a indivíduos identificados ou identificáveis”, alerta o InternetLab.

O estudo identificou que a maior parte dos apps usam permissões de geolocalização, que podem ser úteis para apontar agências próximas para o saque do Bolsa Família, mas que em alguns casos como Metrô SP e SP Serviços não são efetivamente usadas. O aplicativo da Anatel Consumidor usou a permissão de acessar outros apps para coletar dados de contas no Twitter e acesso à nuvem da Micrososft.

Diz ainda o InternetLanb que “dos 13 aplicativos aqui analisados, seis deles, Anatel Consumidor, Bolsa Família, EMTU Oficial, FGTS, Metrô e Nota Fiscal Paulista, obtém o consentimento genérico do usuário ou da usuária com relação às ‘permissões’ ainda na PlayStore, antes do início do download, no momento que o usuário seleciona o botão ‘instalar’”. Já no caso do Meu IRPF, Meu INSS e SNE Denatran há pedidos específicos de consentimento para que a aplicação tivesse determinadas permissões durante o uso.

“Nenhum app do governo analisado neste estudo obtém consentimento expresso sobre tratamento de dados pessoais. Mesmo entre aqueles que possuem política de privacidade”, destaca o InternetLab. E lembra que não apenas dados cadastrais, como RG e CPF, mas o próprio conteúdo de reclamações, denúncias ou pedidos, bem como as próprias ações efetuadas por meio de aplicativos móveis, seus horários e até erros podem ser registrados. “Quando armazenados e registrados por um longo período de tempo, oferecem informações sobre os modos e padrões de uso do usuário e do aplicativo, também ganhando conotação pessoal.”

Além disso, dos 13 aplicativos analisados, pelo menos seis deles não possuem qualquer política de privacidade acessível publicamente. Nos aplicativos Anatel Consumidor, CNH Digital, EMTU, Metrô SP, Nota Fiscal Paulista e Denatran não foi possível encontrar informações fornecidas pela aplicação relacionadas aos dados pessoais tratados.


Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

Operações com criptomoedas terão que ser informadas à Receita

Nova instrução normativa da Receita exige informações quando as operações com ‘criptoativos’ ultrapassarem os R$ 30 mil mensais. No valor  de mercado desta terça-feira, 07/05, um bitcoin vale US$ 5.940,00, ou R$ 23.760. Ou seja, brasileiro com 2 bitcoins terá de prestar contas com o Fisco.

Reforma Tributária só acontece se for 'fatiada' com governo à frente

A afirmação é do presidente da Frente Parlamentar Mista da Reforma Tributária do Congresso Nacional, deputado Luis Miranda, do DEM/DF. "Não dá para crer que governo federal, estados e municípios façam a reforma unificada", diz.

Serpro e Dataprev terão de se reinventar para a economia digital

O secretário Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Paulo Uebel, admite que um desafio a ser enfrentado para a transformação digital do governo federal é a interoperabilidade dos bancos de dados. "Há muitos que não se conversam", afirmou.

Falta de dinheiro exige exercício de criatividade na economia digital

Para o secretário de empreendedorismo e inovação do MCTIC, Paulo Alvim, a retomada da competitividade no Brasil passa por um ecossistema sólido unindo governo, iniciativa privada e academia.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G