GOVERNO

Apps de e-gov não pedem consentimento e coletam mais dados do que precisam

Luís Osvaldo Grossmann ... 28/05/2018 ... Convergência Digital

Os esforços de órgãos públicos para oferecer serviços digitais parecem não estar sendo acompanhados da devida atenção com a privacidade dos usuários, no caso os cidadãos brasileiros em geral. Segundo um estudo do centro de pesquisa InternetLab, nenhum deles pede consentimento expresso para uso dos dados e metade sequer possui política de privacidade.

O levantamento tomou como base 13 aplicativos, oito do governo federal e cinco do governo estadual de São Paulo. O “objetivo era conhecer os tipos de dados que processam, as permissões que pedem, e, quando existente, conhecer suas políticas de privacidade”, diz o estudo. A análise foi feita nas permissões de acesso, políticas de privacidade e obtenção de consentimento sobre tratamento de dados.

“A Administração Pública está cada vez mais ingressando em um universo digital movido por dados. Vários são necessários para que um aplicativo funcione e que não são, em si, obrigatoriamente pessoais. É o caso de informações como a versão do sistema operacional, tamanho e resolução de tela, que podem ser fundamentais para que o aplicativo seja executado da melhor forma possível. Mas esses e outros dados podem implicar operações de ‘tratamento de dados pessoais’ quando associados a indivíduos identificados ou identificáveis”, alerta o InternetLab.

O estudo identificou que a maior parte dos apps usam permissões de geolocalização, que podem ser úteis para apontar agências próximas para o saque do Bolsa Família, mas que em alguns casos como Metrô SP e SP Serviços não são efetivamente usadas. O aplicativo da Anatel Consumidor usou a permissão de acessar outros apps para coletar dados de contas no Twitter e acesso à nuvem da Micrososft.

Diz ainda o InternetLanb que “dos 13 aplicativos aqui analisados, seis deles, Anatel Consumidor, Bolsa Família, EMTU Oficial, FGTS, Metrô e Nota Fiscal Paulista, obtém o consentimento genérico do usuário ou da usuária com relação às ‘permissões’ ainda na PlayStore, antes do início do download, no momento que o usuário seleciona o botão ‘instalar’”. Já no caso do Meu IRPF, Meu INSS e SNE Denatran há pedidos específicos de consentimento para que a aplicação tivesse determinadas permissões durante o uso.

“Nenhum app do governo analisado neste estudo obtém consentimento expresso sobre tratamento de dados pessoais. Mesmo entre aqueles que possuem política de privacidade”, destaca o InternetLab. E lembra que não apenas dados cadastrais, como RG e CPF, mas o próprio conteúdo de reclamações, denúncias ou pedidos, bem como as próprias ações efetuadas por meio de aplicativos móveis, seus horários e até erros podem ser registrados. “Quando armazenados e registrados por um longo período de tempo, oferecem informações sobre os modos e padrões de uso do usuário e do aplicativo, também ganhando conotação pessoal.”

Além disso, dos 13 aplicativos analisados, pelo menos seis deles não possuem qualquer política de privacidade acessível publicamente. Nos aplicativos Anatel Consumidor, CNH Digital, EMTU, Metrô SP, Nota Fiscal Paulista e Denatran não foi possível encontrar informações fornecidas pela aplicação relacionadas aos dados pessoais tratados.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Bolsonaro reduz impostos sobre jogos eletrônicos. Zona Franca reage

As alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre consoles e máquinas de jogos de vídeo, partes e acessórios que variavam de 20% a 50%, foram reduzidas para 16% a 40%.

PF prende quatro sob alegação de terem hackeado celular de Sergio Moro

Polícia Federal não quis dar maiores detalhes sob justificativa de preservar as investigações. Prisões ocorreram nas cidades de São Paulo, Araraquara e Ribeirão Preto. Operação foi batizada de Spoofing.

MP entra com pedido para TCU fiscalizar terceirizações no Governo Federal

Subprocurador-geral, Lucas Rocha Furtado, diz que as terceirizações são uma forma de driblar a obrigatoriedade de concurso público, previsto na Constituição. Também alega que as terceirizações estão sendo feitas para 'satisfação de interesses pessoais', mediante direcionamento na indicação de profissionais.

Decreto coloca IoT no Fistel reduzido e permite enquadramento como SVA

Publicação do Plano Nacional de Internet das Coisas tem conceito flexível para possibilitar que esses serviços escapem do ICMS. Até eventual aprovação da lei que zera a taxa de fiscalização, equipamentos pagam R$ 1,89 por ano. 



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G