TELECOM

'Será que fazemos pior que as elétricas e os bancos?', indagou Navarro, da Telefônica

Ana Paula Lobo* ... 23/05/2018 ... Convergência Digital

O presidente da Vivo, Eduardo Navarro, sustentou durante apresentação no Painel Telebrasil 2018, a necessidade de atualização do arcabouço regulatório e de conceitos que já não se aplicam ao cenário atual. Entre eles, o de bens reversíveis. “Os bens reversíveis devem relacionar os ativos que são importantes para a prestação do serviço, não terrenos vazios, como já foi mostrado várias vezes”, disse.

Para o executivo, o Brasil precisa se inserir na Nova Economia, e o atraso na mudança da legislação pode ser irrecuperável. “Não podemos conviver com essa situação até 2025. Precisamos avançar mais.” O setor de telecomunicações até poderia ser criticado por ter feito investimentos errados, mas não por não ter investido. “Nos últimos anos, investimos perto de US$ 1 bilhão. Com exceção, talvez, da área petroquímica, que outro setor investiu isso no Brasil?”, questionou.

Na sua avaliação, a percepção dos usuários dos serviços de telecomunicações, que avaliam mal os serviços do setor, não pode estar correta. “Fizemos pior que os bancos? Ou que as elétricas? Estamos tendo um caladão no País?”, perguntou. Para o presidente da Vivo, houve, certamente, um erro de comunicação a ser corrigido, uma vez que não faz sentido investir os valores que as empresas investem, garantindo a comunicação de milhões de brasileiros, e elas terem esse tipo de percepção dos seus clientes.

Navarro lembrou o esforço feito pelas prestadoras de serviços para alcançar uma penetração de 105% na telefonia móvel, estar com a telefonia fixa presente em 98% dos domicílios e a banda larga fixa em 42% das residências. “Não podemos deixar de avaliar que 43% da população não tem esgoto em suas casas, só 52% tem educação universitária e uma em cada quatro pessoas não tem cartão de crédito.”

Ele disse que ainda há muito mais por fazer, mas que há uma série de obstáculos para um avanço maior, como a parte regulatória. Lembrou ainda que o setor vem contribuindo para a queda da inflação, com redução contínua de preços, porém, sofre com um crescimento negativo nos últimos anos.

Sobre a necessidade de redução da carga tributária, Navarro considera que já é “chover no molhado”. “Agora temos de garantir até que não aumente”, frisou, lembrando que o mercado de telecomunicações paga cerca de R$ 60 bilhões em impostos ao ano.

Em relação ao Termo de Ajuste de Condutas, que permite transformar multas aplicadas pela em investimento, Navarro fez uma crítica e autocrítica. “Não tivemos maturidade institucional para avançar nesse aspecto. Com isso deixamos de levar a telefonia a cerca de 2.000 distritos e vamos discutir durante vários anos na Justiça o valor das multas”, analisou. Assistam a apresentação de Eduardo Navarro.


Anteprojeto que muda Fust e Fistel chega ao MCTIC

Anatel encaminhou a proposta como sugestão de uso dos recursos e redução de taxas incidentes sobre a internet das coisas. Mas teles questionam contas.

Teles reduzem índice de queixas dos usuários. Pós-pago foi o mais reclamado

Reclamações contra os serviços de telefonia fixa, móvel, TV por assinatura e banda larga caíram 15,6% no primeiro semestre, de acordo com dados da Anatel. Mas com o impulso do 4G, o celular pós-pago, por conta da cobrança dos pacotes, foi o mais reclamado em junho.

Prejuízo acelera processo de venda da Nextel Brasil

Controladora da operadora, NII Holdings, amargou um prejuízo de US$ 20 milhões, ou R$ 80 milhões, no segundo trimestre. Rumores dão conta que TIM e Telefônica/Vivo disputariam o ativo.

Fundos americanos já concentram 26% da Oi

Depois do York e do Goldentree, operadora informou ao mercado que o fundo Solus ficou com 9,71% do capital. BNDES perdeu participação.

Oi chama ex-presidente da TIM para novo Conselho de Administração

Além dos atuais seis integrantes do conselho transitório, proposta traz mais cinco nomes ao novo conselho, entre eles Rodrigo Abreu, ex-TIM e, hoje, na Quod.

TIM não vai repassar ao cliente custo de contrato com WhatsApp Business

Operadora foi a primeira a fechar um acordo comercial para uso da ferramenta da OTT no Brasil e, neste momento, não vai cobrar dos clientes pelo uso do canal de relacionamento.


Veja a revista do 61º Painel Telebrasil 2017
Revista do 61º Painel Telebrasil 2017
A edição de 2017 do Painel Telebrasil enfatizou a necessidade de atualização do modelo de telecomunicações e a definição de uma agenda digital para o País.

Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G