Home - Convergência Digital

Maratona de desenvolvimento de jogos acontece em quatro cidades brasileiras

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital - 27/04/2018

Quer colocar a sua criatividade à prova e descobrir como é feito um jogo? Que tal conhecer outros programadores, designers, artistas, sonoplastas, músicos e entusiastas da área em 48 horas de desenvolvimento? Então, não perca a primeira edição da Café Game Jam, uma maratona de desenvolvimento de jogos que acontecerá, entre os dias 4 e 6 de maio, no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, e em mais três cidades brasileiras: Bauru, Ourinhos e Curitiba.

O evento é voltado tanto para profissionais e entusiastas que já atuam na área, quanto para quem nunca desenvolveu um jogo antes. O objetivo é disseminar a criação de jogos no país e incentivar o crescimento e fortalecimento da comunidade nacional de desenvolvedores. Iniciativa do grupo de extensão Fellowship of the Game (FoG), sediado no ICMC, a Café Game Jam tem algumas premissas comuns para todas as cidades que realizarão a iniciativa.

São elas:os participantes devem seguir o tema apresentado na abertura do evento; é preciso produzir um jogo sozinho ou em grupo, que pode ser eletrônico ou analógico (como jogos de tabuleiro ou cartas) até o fim das 48 horas de maratona, no fim da tarde do dia 6 de maio (domingo). Recomenda-se que os participantes levem seus próprios equipamentos para participarem da iniciativa, como notebooks ou mesas digitalizadoras. Para participar, basta fazer a inscrição prévia gratuita por meio deste link: icmc.usp.br/e/159b9.

Em São Carlos, os trabalhos do evento começarão às 18 horas de sexta-feira, 4 de maio, no auditório professor Fernão Stella de Rodrigues Germano (bloco 6 do ICMC). No ICMC, o evento será realizado pelo FoG em parceria com o Laboratório de Objetos de Aprendizagem (LOA) e o ONOVOLAB. O grupo LTIA, da UNESP Bauru, o Centro Acadêmico de Jogos e Entretenimento Digital (CAJEDI), da PUC Curitiba, e a Fatec de Ourinhos são os responsáveis pela realização do evento nas demais sedes.

"Participar de uma Game Jam é uma experiência quase obrigatória para todos que desejam desenvolver jogos", conta Leonardo Pereira, membro do FoG, organizador geral do evento e pós-graduando no ICMC. "Você trabalha com pessoas de diferentes áreas para criar, em tão pouco tempo, algo especial. É um fim de semana cansativo, regado a café, mas recompensador e enriquecedor", finaliza.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

15/08/2019
Bolsonaro reduz impostos sobre jogos eletrônicos. Zona Franca reage

30/07/2019
Tencent e Qualcomm negociam chips para jogos em 5G

30/01/2019
Empresa americana, dona do Bolsomito 2k18, comunica à Justiça o fim da venda do game

29/01/2019
Gammer: Uma profissão cada vez mais em alta no Brasil

26/10/2018
MPF quer retirada do ar de jogo em que Bolsonaro espanca direitos humanos

11/10/2018
MP do Distrito Federal exige retirada do mercado de game pró-Bolsonaro

10/09/2018
Cultura promete R$ 100 milhões e política de incentivo a jogos eletrônicos

28/08/2018
Procura por estágio em jogos eletrônicos cresce 13% no Brasil

14/08/2018
Olimpíada digital de matemática quer a participação de 100 mil brasileiros

27/04/2018
Maratona de desenvolvimento de jogos acontece em quatro cidades brasileiras

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A urgência de cultivar talentos para TIC no Brasil e no mundo

Por Breno Santos*

A transformação digital ainda é um desafio para muitas empresas no Brasil e a aplicação estratégica das novas soluções deve acontecer por meio de equipamentos e mão de obra qualificada.

Destaques
Destaques

TICs vão demandar 700 mil novos profissionais na Indústria em cinco anos

Dados são do Mapa do Trabalho Industrial, feito pelo SENAI, que indicam ainda a urgência na qualificação de 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais por conta da indústria 4.0. Um dos especialistas em alta é o condutor de processos robotizados, com um incremento de 22% no número de vagas.

Dizer não é saudável para o ambiente de trabalho

A posição é defendida pelo diretor geral da Robert Half, Fernando Mantovani. Segundo ele, acumular tarefas e colocar prazos em conflito é um risco alto.

Técnicos são os que mais procuram especialização em Big Data

Cursos voltados para desenvolvimento Full Stack e Segurança Cibernética também são bastante demandados. No caso do big data, dos alunos formados nesta área, 45% possuem mais de 10 anos de experiência (sênior); 36% até nove anos (pleno) e 19% até três anos (recém-formados).

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site