Home - Convergência Digital

Para o CADE, regulação e confronto prejudicaram reação dos táxis ao Uber

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 13/04/2018

O impacto do Uber é forte do curto prazo, mas tende a ser menor com a recuperação gradual dos taxistas, especialmente se os incumbentes forem capazes de reagir com descontos ou reduções de tarifa. Segundo mediu o Cade, entre 2014 e 2016 a chegada do Uber comeu 56,8% das corridas de aplicativos de táxis. Mas nas cidades onde o app atua há mais tempo, o baque foi reduzido para 26,1%.

Para o departamento de estudos econômicos (DEE) do Conselho Administrativo de Defesa Econômica, a análise reforça um argumento anterior à lei federal (13.640/18) que regulamenta os apps de transporte no país: “É necessário o amadurecimento do debate na direção da desregulamentação gradual dos serviços de táxi, em especial, nos aspectos relacionados a barreiras à entrada e a liberdade tarifária”.

O Uber foi o primeiro a festejar. “O estudo publicado pelo Cade mostra que a cada 1% de aumento de viagens por Uber, houve uma diminuição de apenas 0,09% nas viagens de aplicativos de táxi - dado que mostra claramente que mais pessoas passaram a usar esta alternativa complementando outras soluções de transporte, tal como o carro particular”, diz nota divulgada pela empresa.

Na análise de fundo, o estudo aponta que nas praças onde chegou mais recentemente (fim de 2016), notadamente no Norte e Nordeste, a redução de corridas de aplicativos de táxi – que valem também para serviços de rádio-táxi – chega a 42,7%. Mas naquelas cidades onde está há mais tempo (desde 2014), no Sudeste, Sul e Centro-Oeste, o efeito já é menos intenso, com queda de 26,1% nas corridas dos concorrentes.

“Essa evidência indica que inicialmente a entrada da Uber em um município pode ter um efeito grande, reduzindo substancialmente o número de corridas de táxi mas, com o passar do tempo, ocorre uma recuperação gradativa do número de corridas do setor incumbente. O setor de táxi por aplicativo reagiu oferendo descontos nos valores das corridas após um período mais longo de exposição a um ambiente competitivo.”

Aí pesaram a regulação que recai sobre os táxis e a escolha do confronto como primeira resposta. “O setor incumbente não adotou uma estratégia de redução de preços como reação imediata ao aumento da concorrência . Dois fatos podem ajudar a explicar esse tipo de comportamento. Em primeiro lugar, a regulação demasiadamente rígida – que impõe tarifas fixas – tende a dificultar ou proibir a aplicação de descontos em corridas de táxi .

Em segundo lugar, observa-se que houve um grande esforço do setor incumbente em reagir à intensificação da concorrência buscando contestar a legalidade dos aplicativos junto à esfera pública, o que também tende a desencorajar ou postergar a adoção de reações via preço.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

28/02/2019
Para Cade, não houve abuso das teles em questionar contrato da Telebras

28/02/2019
Cade aprova compra da Fox pela Disney, mas manda vender Fox Sports

08/02/2019
CADE diz que conluio de empresas de cabos submarinos prejudicou o Brasil

07/02/2019
Anatel terá app para comparação de preços, mas ele só fica pronto em 2020

30/01/2019
Bradesco viabiliza aluguel de carro pelo aplicativo

24/01/2019
Easy Taxi e Cabify unem operações para brigar com Uber e 99

23/01/2019
Telegram ignora Fake News e aumenta número máximo de pessoas em grupo

22/01/2019
Depois dos táxis, Uber enfrenta,agora, a ira das empresas de ônibus

18/01/2019
Brasileiro usa cerca de 30 aplicativos nos smartphones

16/01/2019
Nova licitação do TaxiGov abre portas para apps e locadoras de veículos

Destaques
Destaques

Para Ericsson, 5G vai fazer acontecer, de verdade, a indústria 4.0

Presidente da fabricante para a América do Sul, Eduardo Ricotta, diz que uma operadora com 50 Mhz a 80 Mhz terá espectro para oferecer bons serviços, especialmente, o da banda larga fixa móvel. "Há cidades no Brasil, com menos de 100 mil habitantes, com conexões de 2 Mbits. O 5G vai chegar oferecendo bem mais", observa.

5G vai gerar 15 milhões de novos empregos até 2025

O ecossistema 5G está em ebulição e demandará muita mão de obra, afirma o diretor da Huawei, Carlos Roseiro. Segundo ele, vão surgir aplicações, muitas ainda inimagináveis, nos próximos seis anos. "O 5G começa hoje. A frequência virá para dar mais capacidade", observa o especialista.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Desvende 10 mitos sobre os cartões biométricos

Por Cassio Batoni*

Como toda nova tecnologia, os questionamentos sobre a sua segurança e e a sua confiabilidade ainda existem e são compreensíveis, mas ela veio para ficar. A impressão digital surge como a confirmação principal de que o usuário é quem diz ser.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site