Home - Convergência Digital

Para o CADE, regulação e confronto prejudicaram reação dos táxis ao Uber

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 13/04/2018

O impacto do Uber é forte do curto prazo, mas tende a ser menor com a recuperação gradual dos taxistas, especialmente se os incumbentes forem capazes de reagir com descontos ou reduções de tarifa. Segundo mediu o Cade, entre 2014 e 2016 a chegada do Uber comeu 56,8% das corridas de aplicativos de táxis. Mas nas cidades onde o app atua há mais tempo, o baque foi reduzido para 26,1%.

Para o departamento de estudos econômicos (DEE) do Conselho Administrativo de Defesa Econômica, a análise reforça um argumento anterior à lei federal (13.640/18) que regulamenta os apps de transporte no país: “É necessário o amadurecimento do debate na direção da desregulamentação gradual dos serviços de táxi, em especial, nos aspectos relacionados a barreiras à entrada e a liberdade tarifária”.

O Uber foi o primeiro a festejar. “O estudo publicado pelo Cade mostra que a cada 1% de aumento de viagens por Uber, houve uma diminuição de apenas 0,09% nas viagens de aplicativos de táxi - dado que mostra claramente que mais pessoas passaram a usar esta alternativa complementando outras soluções de transporte, tal como o carro particular”, diz nota divulgada pela empresa.

Na análise de fundo, o estudo aponta que nas praças onde chegou mais recentemente (fim de 2016), notadamente no Norte e Nordeste, a redução de corridas de aplicativos de táxi – que valem também para serviços de rádio-táxi – chega a 42,7%. Mas naquelas cidades onde está há mais tempo (desde 2014), no Sudeste, Sul e Centro-Oeste, o efeito já é menos intenso, com queda de 26,1% nas corridas dos concorrentes.

“Essa evidência indica que inicialmente a entrada da Uber em um município pode ter um efeito grande, reduzindo substancialmente o número de corridas de táxi mas, com o passar do tempo, ocorre uma recuperação gradativa do número de corridas do setor incumbente. O setor de táxi por aplicativo reagiu oferendo descontos nos valores das corridas após um período mais longo de exposição a um ambiente competitivo.”

Aí pesaram a regulação que recai sobre os táxis e a escolha do confronto como primeira resposta. “O setor incumbente não adotou uma estratégia de redução de preços como reação imediata ao aumento da concorrência . Dois fatos podem ajudar a explicar esse tipo de comportamento. Em primeiro lugar, a regulação demasiadamente rígida – que impõe tarifas fixas – tende a dificultar ou proibir a aplicação de descontos em corridas de táxi .

Em segundo lugar, observa-se que houve um grande esforço do setor incumbente em reagir à intensificação da concorrência buscando contestar a legalidade dos aplicativos junto à esfera pública, o que também tende a desencorajar ou postergar a adoção de reações via preço.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

10/12/2018
STF: Relatores dizem que é inconstitucional barrar apps de transporte

05/12/2018
Cade investiga praticas anticompetitivas contra fintechs no mercado de meios de pagamentos e financeiro

29/11/2018
Serviço de streaming de esporte chega ao Brasil e usa YouTube e Facebook

26/11/2018
Governo repagina troca de aplicativos e lança Rede Gov.br

21/11/2018
Buscapé perde ação contra o Google no CADE

12/11/2018
Empresa cria app para concorrer com Uber e atender periferia de São Paulo

22/10/2018
Cade aprova acordo entre TIM e Porto Seguro sem restrições

04/10/2018
Desenvolvedor móvel pode receber até R$ 13 mil

28/09/2018
Telebras acusa teles de litigância de má-fé contra acordo com Viasat

26/09/2018
Eleições: Nordeste lidera denúncias via app do TSE

Destaques
Destaques

5G exige pelo menos 100 MHz para cada operadora no Brasil

O tema preocupa a coordenação de espectro do 5G Brasil, uma vez que foram destinados 300 MHz na faixa intermediária e há quatro operadoras nacionais.

Segurança cibernética é crítica para o avanço do 5G

O tema é considerado polêmico - até em função das questões políticas que o envolvem como a briga China x EUA -, mas precisa ser debatido, observa Gustavo Correa Lima, engenheiro do CPqD.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Desvende 10 mitos sobre os cartões biométricos

Por Cassio Batoni*

Como toda nova tecnologia, os questionamentos sobre a sua segurança e e a sua confiabilidade ainda existem e são compreensíveis, mas ela veio para ficar. A impressão digital surge como a confirmação principal de que o usuário é quem diz ser.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site